As filhas dos homens e os espelhos: o olhar feminino em romances de Raquel de Queiroz e Lygia Fagundes Telles

Palavras-chave: Literatura brasileira. Rachel de Queiroz. Lygia Fagundes Telles.

Resumo

Rachel de Queiroz e Lygia Fagundes Telles despontaram na literatura brasileira não só por conta do seu talento literário, mas sobretudo por serem mulheres em um cenário predominantemente masculino e por darem voz a personagens femininas fortes em meio a uma educação conservadora. Em suas obras, ambas as autoras de certa forma denunciaram os problemas de uma geração de mulheres limitada por valores sociais arraigados na cultura patriarcal e cristã ao longo do século XX. O paralelo entre os livros As três Marias, de Queiroz (1939), e As meninas, de Telles (1973), aqui presente deixa essa questão muito clara. Por intermédio da comparação entre os dois textos, discutem-se neste artigo pontos como o papel social e a liberdade sexual da mulher nessa sistemática, além da emancipação feminina e da convivência com a pressão das convenções sociais e com as parcas opções de vida a que tinham acesso principalmente na primeira metade do século XX, debatendo paradigmas sob o viés da diversidade social e da perspectiva feminina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Garcia Boldorini, Universidade da Região de Joinville (Univille), Joinville, SC

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Patrimônio Cultural e Sociedade, Universidade da Região de Joinville.

Roberta Barros Meira, Universidade da Região de Joinville (Univille), Joinville, SC

Doutora em História Econômica pela Universidade de São Paulo. Docente do Mestrado em Patrimônio Cultural e Sociedade e do Departamento de Históriada Universidade da Região de Joinville - Univille.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2014. https://doi.org/10.14393/cef-v31n1-2018-19

BORGES, Nilson. A doutrina de segurança nacional e os governos militares. In: FERREIRA, Jorge;

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (org.). O Brasil republicano: o tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 13-42. https://doi.org/10.14195/0870-4147_37_21

CORRÊA, Mariza. Repensando a família patriarcal brasileira: notas para o estudo das formas de organização familiar do Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, p. 5-16, maio 1981.

COSTA, Isabel. Mais de 70% dos livros publicados por grandes editoras brasileiras entre 1965 e 2014 foram escritos por homens. O Povo Online, 30 nov. 2017. Disponível em: http://blogs.opovo.com.br/leiturasdabel/2017/11/30/homens-e-brancos-tem-maior-fatia-no-mercado-editorial-desde-1965/. Acesso em: 22 jun. 2019.

DEL PRIORE, Mary. A mulher na história do Brasil. São Paulo: Contexto, 1994.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 151-172, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v17n49/18402.pdf. Acesso em: 22 jun. 2019. https://doi.org/10.1590/s0103-40142003000300010

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1959. https://doi.org/10.1017/s0022050700104267

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1982.

HARDMAN, Francisco Foot. Visões errantes: representações do trabalho urbano-industrial nordestino no século XIX. Ciências Sociais Hoje, São Paulo, p. 64-80, 1988.

PEREGRINO, Miriane da Costa; PEREIRA, Victor Hugo Adler. A (im)pertinente: questões de gênero e engajamento na literatura de Rachel de Queiroz. Miselânea, Assis, v. 11, p. 153-176, jan./jun. 2012. Disponível em: http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/641/607. Acesso em: 1.º jul. 2019.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. São Paulo: Edusc, 2005.

PERROT. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

QUEIROZ, Rachel de. As três Marias. Rio de Janeiro: José Olympio, 2017.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. https://doi.org/10.18223/hiscult.v6i2.1946

SPERBER, Suzi Frankl. Personagens femininas de Rachel de Queiroz: exclusão ou inclusão na ordem patriarcal? Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. In: SILVA, Natali Fabiana Costa e et al. (org.). Mulheres e a literatura brasileira. Macapá: Editora da Unifap, 2017. p. 241-264. https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.4211

TELLES, Lygia Fagundes. As meninas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

TEZZA, Cristóvão. As meninas: os impasses da memória – posfácio. In: TELLES, Lygia Fagundes. As meninas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 285-293.

Publicado
2020-04-08
Como Citar
Boldorini, M. G., & Meira, R. B. (2020). As filhas dos homens e os espelhos: o olhar feminino em romances de Raquel de Queiroz e Lygia Fagundes Telles. Letrônica, 13(1), e35086. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.1.35086