Estética Artenovista, Linguagem Germanista

Incursões pela Chanaan de Graça Aranha

Palavras-chave: Graça Aranha, Art Nouveau, Germanismo, Pré-Modernismo, Primeira República.

Resumo

A produção cultural dos primeiros anos do século XX é comumente chamada de pré-modernismo; em alguns casos, esta mesma produção é referida como pós-romantismo. Estas nomenclaturas, criadas posteriormente, correspondem ao período em que se situam grande parte das publicações de José Pereira da Graça Aranha. Seu primeiro romance Chanaan, publicado em 1902, muitas vezes é referido como um exemplo típico de uma obra pré-moderna, tanto nas publicações acadêmicas quanto nos livros didáticos. Inspirando-se no exercício de José Paulo Paes, este artigo tenta desvelar algumas especificidades desta produção para além das designações de rótulos genéricos, como a linguagem germanista e uma possível estética artenovista e, principalmente, enquanto experimentações de Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Ramon Ruocco, Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), Franca, SP

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP) em Franca, SP, Brasil, na área de concentração “História e Cultura Social”, onde desenvolve a pesquisa fomentada pela CAPES: Os usos de brasilidade ou a história de um conceito identitário. Em 2017, defendeu o mestrado no mesmo programa com a dissertação: As formulações de nação na trajetória de Graça Aranha. É licenciada em História pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) e bacharel em Comunicação Social com habilitação em Radialismo e Televisão, também pela mesma universidade. Desde 2015, é integrante do Grupo de Pesquisa HISTORIAR - narrativas identitárias, conceitos, linguagens, grupo registrado pelo CNPq.

Referências

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Perfil dos Aca-dêmicos – Tobias Barreto. Disponível em: http://www.academia.org.br/academicos/tobias-barreto. Acesso em: 13 jan. 2020.

ARANHA, José Pereira da Graça. Canaã. São Paulo: Editora Martin Claret Ltda., 2010.ARANHA, José Pereira da Graça. Cartas de amor. Rio de Janeiro, 1935.

ARANHA, José Pereira da Graça. Chanaan. Rio de Ja-neiro: H. Garnier Livreiro-Editor, 1902. 369p.

ARANHA, José Pereira da Graça. O meu próprio romance. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1931. 174p.

ARAÚJO, Bárbara Del Rio. Estudo sobre a composição estética da obra Canaã, de Graça Aranha. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos Literários da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2013.

AZEVEDO, Maria Helena Castro. Um senhor moder-nista:biografia de Graça Aranha. Prefácio de Alberto Venancio Filho. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2002.

BAHIA, Ryanne Freire Monteiro. Homens de letras, homens de ciência: discurso raciológico na literatura brasileira em Canaã, de Graça Aranha. Tese (Douto-rado em Sociologia) – Programa de pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução feita a partir do francês por Maria Emsantina Galvão G. Pereira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Esté-tica: A Teoria do Romance. 7. ed. São Paulo: Hucitec Editora, 2014.

BARBOSA, Ivan Barbosa. A Escola do Recife e a so-ciologia no Brasil. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.BENJAMIN, Walter. Paris, Capital do Século XIX. In: KOTHE, Flávio R. (org.). Textos de Walter Benjamin.Tradução de Flávio R. Kothe. São Paulo: Ática. 1985.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. 9. ed. São Paulo: Papirus, 2008.

CAMILOTTI, Virgínia Célia. João do Rio:idéias sem lu-gar. Tese (Doutorado em História) –Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP, Campinas, 2004.

HARDMAN, Francisco F. Antigos modernistas. In: NO-VAES, Adauto (org.). Tempo e História. São Paulo: Com-panhia das Letras/Editora Schwarcz Ltda., 1992.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de Filosofia. 3. ed. revista e ampliada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

LALANDE, André. Vocabulário técnico e crítico da filo-sofia. Tradução de Fátima Sá Correia et al. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MAAS, Wilma Patrícia Marzari Dinardo. O cânone mínimo: o bildungsroman na história da literatura. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

MARTON, Scarlet. Nietzsche. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MELLO, Mário Vieira de. A crítica da decadência. In: MELLO, Mário Vieira de. Nietzsche: o Sócrates de nossos tempos. São Paulo: Edusp, 1993.

MORA, José Ferrater. Dicionário de Filosofia. Tradução de Maria Stela Gonçalves et al. São Paulo: Edições Loyola. 2001. p. 2002-2004. Tomo III. (K-P).PAES, José Paulo. Augusto dos Anjos e o art nouveau. In: PAES, José Paulo. Gregos e baianos:ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1985.

PAES, José Paulo. Canaã e o ideário modernista. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1992.

PAES, José Paulo. O art nouveau na literatura brasileira. In:PAES, José Paulo. Gregos e baianos:ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 64-80.

RUOCCO, Andrea R. As formulações de nação na trajetória de Graça Aranha.Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2017.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. 10. reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro (1870-1930). Tradução de Donaldson M. Garschagen. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

TAMANO, Luana Tieko Omena et al. O cientificismo das teorias raciais em O cortiço e Canaã. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 757-773, jul./set. 2011. https://doi.org/10.1590/S0104-59702011000300009

TODOROV, Tzvetan. Os gêneros literários. In: TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Editora Perspectiva, 1975. (Coleção Debates).

WINK, Georg. A formação da “nação” brasileira no romance Canaã de Graça Aranha - o debate intelectual sobre a questão “nacional” na primeira república como substrato de uma ficção ideológica. Revista Linha D’Água USP, n. 17, p. 113-128, 2004. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/37267. Acesso em: 13 jan. 2020. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v0i17p113-136

Publicado
2020-04-29
Como Citar
Ruocco, A. R. (2020). Estética Artenovista, Linguagem Germanista : Incursões pela Chanaan de Graça Aranha. Letrônica, 13(3), e36872. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.3.36872