Fake news e pós-verdade na construção do Neoconservadorismo no Brasil pós-2013 e os efeitos nas eleições de 2018

Palavras-chave: Política, Ódio, Intolerância, Pós-verdade, Fake news

Resumo

A conjuntura política brasileira recente efetivou o recrudescimento do conservadorismo, especialmente no que diz respeito ao comportamento de uma parcela considerável da população que, ao abraçar ideias da extrema direita, contribuiu para levar o Brasil a uma situação obscurantista. Diante da relevância dessa temática na atualidade, este estudo tem por objetivo desenvolver uma discussão sobre o crescimento das ideias extremistas sob a influência das fake news na era da pós-verdade. Metodologicamente é conduzido pela abordagem qualitativa de caráter exploratório e descritivo, à luz dos preceitos teóricos encontrados em Marcondes Filho (1989), Tandoc, Lim e Ling (2017), Dunker (2017), Gomes (2018), Löwy (2015), Miguel (2018), Almeida (2018), Souza (2016) e Charaudeau (2016), e apresenta uma discussão sobre a intolerância política nas redes sociais virtuais durante as eleições presidenciais de 2018. Como resultado desse cenário e com base no referencial utilizado, verificamos que a extrema-direita utilizou o ódio como plataforma política para manipular a opinião pública. Com efeito, o País registrou uma reconfiguração do sentido da vida política nas instâncias de poder e cidadã.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauri de Castro Azevedo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Vitória da Conquista, BA

Discente do Programa de Pós-Graduação em Letras: Cultura, Educação e Linguagens da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB, Vitória da Conquista, BA, Brasil).

Marcus Antônio Assis Lima, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Vitória da Conquista, BA

Doutorado em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil), professor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) em Vitória da Conquista, BA, Brasil.

Referências

ADORNO, Theodor. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Neoconservadorismo e liberalismo. In: GALLEGO, Esther Solano (org.). O Ódio como Política: a reinvenção da direita no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018. p. 27-32. v. 1.

AQUINO, Mirian de Albuquerque. A informação nas estratégias educativas de recusa à intolerância em contextos virtuais/reais. BOCC/Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, 2001. p. 1-16. v. I. v. I.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. Tradução de Angela M. S.Corrêa. 2. Ed. São Paulo: Contexto, 2016a.

CHARADEAU, Patrick. A conquista da opinião pública: como o discurso manipula as escolhas políticas. Tradução de Angela M. S.Corrêa. São Paulo: Contexto, 2016b.

D’ANCONA, Matthew. Pós-Verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fakenews. Trad. de Carlos Szlak. Barueri: Faro Editorial, 2018.

DUNKER, Christian et al. Ética e Pós-verdade. Porto Alegre: Dublinense, 2017.

GOMES, Wilson. Antipetismo, neoconservadorismo e “novos participantes” nas eleições de 2018. Revista Cult. 12 abr. 2018. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/antipetismo-neoconservadorismo-e-novos-participantes-nas-eleicoes-de-2018/. Acesso em: 02 maio 2019.

KIRBY, Emma Jane. A cidade europeia que enriquece inventando notícias e influenciando eleições. BBC News, 12 dez. 2016. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-38206498. Acesso em: 09 abr. 2019.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LIPPMANN, Walter. Opinião Pública. Trad. De Jacques A. Wainberg. Petrópolis: Vozes, 2008.

LÖWY, Michael. Conservadorismo e extrema-direita na Europa e no Brasil. Serv. Soc., São Paulo, n. 124, p. 652-664, out./dez. 2015. https://doi.org/10.1590/0101-6628.044

MARCONDES FILHO, Ciro. O capital da notícia: jornalismo como produção social da segunda natureza. São Paulo: Ed. Ática, 1989.

MESQUITA, Lígia. Denúncias de discurso de ódio online dispararam no 2º turno das eleições, diz ONG. BBC Brasil, 09 nov. 2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46146756. Acesso em: 21 maio 2019.

MIGUEL, Luis Felipe. A reemergência da direita brasileira. In: GALLEGO, Esther Solano (org.). O Ódio como Política: a reinvenção da direita no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018. p. 17-26. v. 1.

PASQUINI, Patrícia. Estudo diz que 90% dos eleitores de Bolsonaro acreditaram em fake news. Disponível em: https://www.valor.com.br/politica/5965577/estudo-diz-que-90-dos-eleitores-de-bolsonaro-acreditaram-em-fake-news. Acesso em: 21 jan. 2019.

ORWELL, George. 1984. Trad. de Alexandre Hubner e Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

OXFORD ENGLISH DICTIONARY. Word of the year 2016 is.... Disponível em: https://en.oxforddictionaries.com/word-of-the-year/word-of-the-year-2016. Acesso em: 17 abr. 2019.

ROCHA, Camila. O jogo sujo da direita: think tanks ultraliberais e a nova direita brasileira. Le Monde Diplomatique Brasil, 2 nov. 2017. Disponível em: https://diplomatique.org.br/think-tanksultraliberais-e-nova-direita-brasileira/. Acesso em: 16 dez. 2019.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à lava-jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

SOUZA, Jessé. A radiografia do golpe. Rio de Janeiro: Leya, 2016.

TANDOC JUNIOR, Edson; LIM, Zheng Wei; LING, Richard. Defining fake news. Trad. Mauri de Castro Azevedo. Digital Journalism, Abingdon, v. 6, n. 2, p. 137-153, 2017. https://doi.org/10.1080/21670811.2017.1360143

WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa: Presença, 1999.

Publicado
2020-02-17
Como Citar
Azevedo, M. de C., & Lima, M. A. A. (2020). Fake news e pós-verdade na construção do Neoconservadorismo no Brasil pós-2013 e os efeitos nas eleições de 2018. Letrônica, 13(2), e35546. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.2.35546