Editora Mulheres, Zahidé Muzart e um caso relevante de edição de livros no Brasil

Palavras-chave: Editora. Zahidé Muzart. História Editorial do Brasil. Mulheres na Edição. Livros feministas.

Resumo

Este texto se guia pelos seguintes questionamentos, já que são muitas as variáveis da relação entre mulheres e edição: O que temos investido em fazer? “História feminista da edição ou história da edição feminista? História das editoras mulheres? História das casas editoras feministas?” Em todo caso, faltam investigações mais estruturadas para todas essas perguntas, no Brasil. Nosso projeto mais amplo dedica-se à questão das editoras mulheres, seja lá que tema ou linha editorial elas executem. O caso deste texto, em especial, é o de dar alguma resposta à questão das editoras mulheres brasileiras que optam por publicar uma linha editorial ligada ao feminismo. Neste trabalho, com base em pesquisa documental e bibliográfica, apresentamos uma narrativa sobre a editora Mulheres e uma de suas fundadoras, a professora Zahidé Muzart, além de recompormos o catálogo da casa editorial, tanto quanto possível, com base nas informações dos próprios livros e em pesquisas em acervos digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Elisa Ribeiro, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens, Belo Horizonte, MG

Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais, com estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da UFMG, com pesquisa no Acervo de Escritores Mineiros. Docente da linha de pesquisa Edição, Linguagem e Tecnologia do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens e do Bacharelado em Letras (Tecnologias da Edição) do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, com projeto de pesquisa “Mulheres na Edição” (Fapemig). Autora de Livro – edição e tecnologias no século XXI (Moinhos/Contafios, 2018).

Sérgio Karam, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Letras, Porto Alegre, RS

Doutorando em Letras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tradutor.

Referências

ARAÚJO, Pablo Guimarães de. Edições independentes e práticas editoriais: novas possibilidades de publicação do impresso ao digital. In: CONGRESSO

BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 26, 2 a 6 de set. 2011, Recife. Anais eletrônicos [...]. Recife: Intercom, 2011. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2011/ resumos/R6-2032-1.pdf. Acesso em: 20 jun. 2019. https://doi.org/10.1590/s1809-58442013000200005

BOURDIEU, Pierre. Une révolution conservatrice dans l’édition. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, Paris, v. 126-127, p. 3-28, mars. 1999. https://doi.org/10.3406/arss.1999.3278

COSTA, Cláudia de Lima. As publicações feministas e a política transnacional da tradução: reflexões do campo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 254-264, jan./jun. 2003. https://doi.org/10.1590/s0104-026x2003000100017

DE DIEGO, José Luis. La otra cara de Jano. Una mirada crítica sobre el libro y la edición. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Ampersand, 2015. https://doi.org/10.14409/tb.v1i5.6645

FALECE a professora aposentada Zahidé Lupinacci Muzart. In: Notícias da UFSC. Florianópolis: UFSC, 2015. 28 out. 2015. Disponível em: https://noticias.ufsc.br/2015/10/falece-a-professora-aposentada-zahide-lupinacci-muzart/. Acesso em: 28 out. 2015. https://doi.org/10.1590/1805-9584-2016v24n1p181

FANINI, Michele Asmar. Júlia Lopes de Almeida em cena: notas sobre seu arquivo pessoal e seu teatro inédito. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 71, p. 95-114, dez. 2018. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901x.v0i71p95-114

HELLMANN, Risolete Maria. Crítica literária feminista: o legado de Zahidé Muzart. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 11; WOMEN’S WORLDS CONGRESS, 13, 2017, Florianópolis. Anais Eletrônicos [...]., Florianópolis: UFSC, 2017. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499448124_ ARQUIVO_RISOLETEMARIAHELLMANN.pdf. Acesso em: 28 out. 2019.

MAGALHÃES, Flávia Denise Pires de. Feira de publicações independentes: uma análise da emergência desses encontros em Belo Horizonte (2010-2017) e dos eventos Faísca - Mercado Gráfico e Textura (2017-2018). 2018. 162 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) - Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018. https://doi.org/10.21041/conpat2019/v3rec313

MALUMIÁN, Víctor; WINNE, Hernán López. Independientes ¿de qué? Hablan los editores de América Latina. México: Fondo de Cultura Económica, 2013. (Libros sobre Libros).

MOREIRA, Jailma dos Santos Pedreira. A produção de autoria feminina através da editora Mulheres: entrevista com Zahidé Muzart. Pontos de Interrogação, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 315-320, jan./jun. 2012. https://doi.org/10.30620/p.i..v2i1.1546

MUNIZ JR., José de Souza. O grito dos pequenos. Independência editorial e bibliodiversidade no Brasil e na Argentina. São Paulo: Balão Editorial, 2010.

MUNIZ JR., José de Souza. Girafas e bonsais: editores “independentes” na Argentina e no Brasil (1991-2015). 2016. 335 f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. https://doi.org/10.11606/t.8.2016.tde-28112016-103559

MUZART, Zahidé Lupinacci. Uma espiada na imprensa das mulheres no século XIX. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 225-233, jan./jun. 2003. https://doi.org/10.1590/s0104-026x2003000100013

MUZART, Zahidé Lupinacci. Histórias da editora Mulheres. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, nesp. 264, p. 103-105, set./dez. 2004. https://doi.org/10.1590/s0104-026x2004000300011

OLIVEIRA, Alice Bicalho de. A independência é um modo de produção. Em Tese, Belo Horizonte, v. 22 n. 3, p. 78-89, set./dez. 2016. https://doi.org/10.17851/1982-0739.22.3.78-89

PASKO, Priscila. O gênero, a importância e o papel de uma Editora chamada Mulheres. Nonada: Jornalismo Travessia. [S. l.], 7 jan. 2016. Disponível em: http://www.nonada.com.br/2016/01/o-genero-a-importancia-e-o-papel-de-uma-editora-chamada-mulheres/. Acesso em: 20 jun. 2019. https://doi.org/10.22533/at.ed.6821905062

RAMOS, Tania Regina de Oliveira. Zahidé Lupinacci Muzart. Estudos Feministas, Florianópolis, v.24, n.1, p. 181-182, jan./abr., 2016. https://doi.org/10.1590/1805-9584-2016v24n1p181

RIBEIRO, Ana Elisa. Boitempo Editorial e Ivana Jinkings: um quarto de século de uma editora de esquerda no Brasil. Pontos de Interrogação (Revista de Crítica Cultural), Alagoinhas, v. 9, n. 1, p. 201- 226, jan./jun. 2019. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/ pontosdeint/article/view/7017/4627. Acesso em: 27 set. 2019. https://doi.org/10.30620/p.i..v9i1.7017

SCHMIDT, Simone Pereira; RAMOS, Tânia Regina Oliveira. Escritoras brasileiras do século XIX: antologia. Graphos: Revista da Pós-Graduação em Letras – UFPB, João Pessoa, v. 7, n. 2/1, p. 219-222, 2005.

SZPILBARG, Daniela. Armas cargadas de futuro: hacia una historia feminista de la edición en Argentina. Revista Malisia, [La Plata], n. 4, p. 15-23, mayo 2018. Disponível em: https://issuu.com/malisialibros/docs/malisia_la_revista__4_issu. Acesso em: 22 maio 2019.

THOMPSON, John B. Mercadores de cultura. Trad. Alzira Allegro. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

WOITOWICZ, Karina Janz. Marcos históricos da inserção das mulheres na imprensa: A conquista da escrita feminina. Jornal Alcar, Porto Alegre, n. 4, p. 1-7, out. 2012. Disponível em: http://www.ufrgs.br/alcar/ jornal-alcar-no-4-outubro-de-2012/Marcos%20historicos%20da%20insercao%20das%20mulheres%20na% 20imprensa.pdf. Acesso em: 4 maio 2019.

Publicado
2020-04-08
Como Citar
Ribeiro, A. E., & Karam, S. (2020). Editora Mulheres, Zahidé Muzart e um caso relevante de edição de livros no Brasil. Letrônica, 13(1), e34581. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.1.34581