ALTERIDADE E ESTRANHEZA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O RECONHECIMENTO DO OUTRO EM SER E TEMPO

Palavras-chave: Alteridade, Estranheza, Angústia, Heidegger

Resumo

Com o objetivo de analisar a possibilidade de reconhecimento da alteridade em Ser e Tempo, o trabalho faz uma breve reconstrução de como o fenômeno da angústia possibilita o reconhecimento do ser si mesmo e da morte como possibilidade a partir da estranheza e do apelo da consciência. Parte-se, então para a análise desse contexto como uma possibilidade de alteridade destinada para fora do ser-aí. Traçam-se a partir disso algumas possibilidades dialógicas do próprio com o outro a partir da estranheza. O artigo parte de uma breve reconstrução da interpretação do fenômeno da angústia feita por Heidegger. Depois é apresentada a interpretação de André Duarte e suas implicações à obra heideggeriana. Por fim, são apresentadas algumas direções que Bernhard Waldenfels reconhece como essenciais para uma fenomenologia do outro, que sempre aparece como um estranho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Garcia Tronco, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil

Doutoranda em Filosofia na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Referências

BLATTNER, William. Heidegger’s Being and Time: A reader’s guide. Continuum International Publishing Group: New York: London, 2006.

CROWELL, S. Ser respondível: A apresentação de razões e o sentido ontológico do discurso. Tradução Paulo Roberto Remião. In: CROWELL, S; MALPAS, J. Heidegger e a tarefa da filosofia: escritos sobre ética e fenomenologia. Rio de Janeiro, RJ: Via Verita Editora, 2012.

DUARTE, André M. Heidegger e o outro: a questão da alteridade em Ser e Tempo. Revista Natureza Humana, v. 4, n. 1, p. 157-185, 2002.

DUARTE, André M. Heidegger y el outro (Ser y Tiempo: uma ética postmetafísica). ∆αι´µων (Daimon) Revista de Filosofía, n. 37, p. 73-84, 2006

DUARTE, André M. Por uma ética da precariedade: sobre o traço ético de Ser e Tempo. Revista Natureza Humana, v. 2, n. 1, p. 71-101, 2000.

FREUD, Sigmund. O inquietante. In: FREUD. S. Obras completas, vol. 14 (1917-1920). Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Tradução Fausto Castilho. Campinas, SP: Editora da Unicamp; Petrópolis, RJ: Editora Vozes 2012.

SVENAEUS, Fredik. Das unheimlich: Towards a phenomenology of illness. Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 2000. Medicine, Health Care and Philosophy 3, p. 3-16.

WALDENFELS, Bernhard. Fundamentos para una fenomenología de lo extraño. Trad. Olivia C. Díaz Pérez. Sincronía: Revista de Filosofía y Letras, n. 62, ano XVI, 2012. https://doi.org/10.1023/A:1009943524301

WALDENFELS, Bernhard. La pregunta por lo extraño. LOGOS – Anales del Seminario de Metafísica, n. 1, Universidad Complutense, Madrid, 1998. p. 85-98.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Tronco, J. G. (2020). ALTERIDADE E ESTRANHEZA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O RECONHECIMENTO DO OUTRO EM SER E TEMPO. Intuitio, 13(2), e37733. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2020.2.37733
Seção
Varia