“Gestor-auditor”

A retórica da peritagem na política de cultura do governo Bolsonaro

Palavras-chave: Políticas culturais, Repertórios discursivos, Intelectuais, Sistemas-perito

Resumo

O artigo pretende contribuir para a análise da gestão pública do setor da cultura no Brasil, investigando a produção discursiva sobre as políticas culturais no governo Bolsonaro. Examinamos posicionamentos públicos de dirigentes da Secretaria Especial de Cultura vocalizados entre maio de 2020 e junho de 2021, como via de acesso às lógicas de gestão que passam a pautar a pasta. O texto põe sob análise a constituição dos públicos dessa plataforma política e sua relação com as táticas de governança do chamado populismo digital. Como resultado, aventamos a ascensão retórica de um novo perfil de competências para o gestor público da cultura, que desafia os termos pelos quais essa tarefa foi historicamente assumida como responsabilidade do Estado brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Cid, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em Sociologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Bolsista FAPERJ, realiza pesquisa de pós-doutoramento na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

João Domingues, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Doutor em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil.

Leandro de Paula, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador, BA, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Amanda; ALBERNAZ, Maria Beatriz; SIQUEIRA, Maurício (org.). Cultura pela palavra: coletânea de artigos, discursos e entrevistas dos ministros da cultura 2003-2010/Gilberto Gil & Juca Ferreira. Rio de Janeiro: Versal, 2013.

BARBALHO, Alexandre. Relações entre Estado e cultura no Brasil. Ijuí: Unijuí, 1998.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BAUERLEIN, Mark, GRANTHAM, Ellen (org.). National Endowment for the Arts: A history 1965-2008. Washington: National Endowment for the Arts, 2009.

BENNETT, W. Lance; LIVINGSTON, Steven. The disinformation order: Disruptive communication and the decline of democratic institutions. European Journal of Communication, Thousand Oaks, v. 33, n. 2, p. 122-139, 2018. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0267323118760317. Acesso em: 13 set. 2021.

BOTELHO, Isaura. A política cultural & o plano das ideias. In: BARBALHO, Alexandre; RUBIM, Albino (org.). Políticas culturais no Brasil. Salvador: Edufba, 2007.

BRASIL. Ministério Do Turismo. Portaria nº 24, de 22 de dezembro de 2020. Institui metas de análise de propostas culturais para o controle do passivo de prestação de contas no âmbito de toda a Secretaria Especial de Cultura. Poder Executivo, Brasília, DF, 2020. Disponível em: https://www.alertadiario.com.br/publication_pages/2a068-diario-oficial-da-uniao-secao-1-atos-normativos-2020-12-23-pg-149. Acesso em: 13 set. 2021.

BRASIL. Ministério Do Turismo. Portaria nº 32, de 23 de julho de 2021. Poder Executivo, Brasília, DF, 2021. Disponível em: https://in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-32-de-23-de-julho-de-2021-334105991. Acesso em: 2 set. 2021.

BRASIL. Planalto. Lei n.º 8.313 de 23 de dezembro de 1991, restabelece princípios da Lei n° 7.505, de 2 de julho de 1986, institui o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) e dá outras providências. Brasília: Planalto, 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8313cons.htm. Acesso em: 13 set. 2021.

BRASIL. Medida Provisória nº 870, de 1º de janeiro de 2019. Estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 2019. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/57510830. Acesso em: 13 set. 2021.

BRITO, Simone Magalhães. “Menos política, mais eficiência”: uma análise sociológica das práticas de auditoria e produção de sentidos morais no campo burocrático. Revista Brasileira de Sociologia, Porto Alegre, v. 7, n. 15, p. 215-234, 2019. p. 215-234. Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/5957/595765841010/595765841010.pdf. Acesso em: 10 dez. 2021.

BRUNNER, José Joaquín. Políticas culturales y democracia: hacia una teoría de las oportunidades. In: GARCIA CANCLINI, Néstor (org.). Políticas Culturales en América Latina. Buenos Aires: Grijalbo, 1987. p. 13-59.

CALABRE, Lia. Estudos acadêmicos contemporâneos sobre políticas culturais no Brasil: análises e tendências. PragMATIZES, Niterói, ano 4, n. 7, p. 109-129, set. 2014. Disponível em: https://periodicos.uff.br/pragmatizes/article/view/10392. Acesso em: 5 ago. 2021.

CESARINO, Letícia. Identidade e representação no bolsonarismo: corpo digital do rei, bivalência conservadorismo-neoliberalismo e pessoa fractal. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 62 n. 3, p. 530-557, 2019. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/165232. Acesso em: 10 ago. 2021.

CESARINO, Letícia. Como vencer uma eleição sem sair de casa: a ascensão do populismo no Brasil. Internet e Sociedade, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 91-120, 2020. Disponível em: https://revista.internetlab.org.br/wp-content/uploads/2020/02/Como-vencer-uma-eleic%CC%A7a%CC%83o-sem-sair-de-casa.pdf. Acesso em: 22 jun. 2021.

CESARINO, Letícia. Pós-Verdade e a crise do Sistema Peritos: uma explicação cibernética. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 23, n. 1, p. 73-96, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/75630. Acesso em: 23 jun. 2021.

COSTA, Camila Furlan da; MEDEIROS, Igor Baptista de Oliveira; BUCCO, Guilherme Brandelli. O financiamento da cultura no Brasil no período 2003-15: um caminho para geração de renda monopolista. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro v. 51, n. 4, p. 509-527, jul./ago. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rap/a/Sf3MpMQMk6QhHkLw4C89PVF/?format=pdf & lang=pt. Acesso em: 22 jul. 2019.

DOMINGUES, João. Programa Cultura Viva: políticas culturais para a emancipação das classes populares. 2008. 216 p. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Formação Humana) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

DOMINGUES, João; PAULA, Leandro de. Entre a batalha e a guerra: algumas notas sobre o trabalho cultural. In: DOMINGUES, João; MACHADO, Gustavo Portella Machado. (org.). Realização profissional e precarização: estudos sobre o trabalho cultural a partir da experiência discente. Rio de Janeiro: Letra Capital/FAPERJ, 2019. p. 140-151.

DOMINGUES, João; PAULA, Leandro de. O incentivo à cultura em disputa pública: performances político-discursivas de uma CPI. In: SUZUKI, Júlio César; BORGES, Valterlei; BITELLI, Fábio Molinari (org.). Estudos de políticas públicas: turismo, gestão, cidade. São Paulo: FFLCH/USP, 2021. p. 67-91. Disponível em: http://www.livrosabertos.sibi.usp.br/portaldelivrosUSP/catalog/book/620. Acesso em: 12 jun. 2021.

DOMINGUES, João; SANTOS, Leandro de Paula; SILVA, Mariana. Do ato fóbico ao ato mágico pós-político: o novo mercado discursivo do Ministério da Cultura. Eptic (UFS), Aracaju, v. 20, p. 178-195, 2018. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/eptic/article/view/9638. Acesso em: 12 jun. 2021.

DOMINGUES, José Maurício. As subjetividades coletivas e as províncias prático-hermenêuticas da vida social. Tempo Social, revista de sociologia da USP, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 311-328, 2020. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ts/article/view/163382/165593. Acesso em: 14 set. 2021.

GIDDENS, Anthony. Risco, confiança e reflexividade. In: BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. Modernização Reflexiva. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1997.

GUIMARÃES, Bruno Costa. Concentração cultural: Por que podemos dizer que, no Brasil, o investimento na cultura está mais concentrado que o PIB? Mediações – Revista de Ciências Sociais, Londrina, v.25, n.2, 2020. Disponível em: https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/39490. Acesso em: 5 set. 2021.

LACERDA, Marina Basso. O novo conservadorismo brasileiro: de Reagan a Bolsonaro. Porto Alegre: Zouk, 2019.

MENDONÇA, Ricardo Fabrino; ABREU, Mariana; SARMENTO, Rayza. Repertórios discursivos e as disputas políticas contemporâneas. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 40, p. 33-54, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/nec/a/m5gtKdtQvwqTnBLNgX8ZK9F/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 10 ago. 2021.

MICELI, Sérgio. Os intelectuais brasileiros e o Estado. In: ARROSA SOARES, Maria (org.). Os intelectuais no processo político da América Latina. Porto Alegre: UFRGS, 1985.

MUNIZ JUNIOR, José de Souza; BARBALHO, Alexandre. Entre a diversidade e o antagonismo: práticas articulatórias da discursividade LGBT no Ministério da Cultura. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 35, p. 1-18, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/VCdbmHKLctTJtfjQYvcHfSz/?lang=pt. Acesso em: 12 ago. 2021.

PINTO, Eduardo Costa. Bolsonaro e os Quartéis: a loucura como método. Instituto de Economia - UFRJ, Texto para Discussão 006, 2019. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/index.php/index-publicacoes/textos-para-discussao. Acesso em: 14 set. 2021.

SANTOS, Marcelo Augusto de Paiva dos. Políticas culturais, um campo em formação: explorações a partir de metodologias informacionais e cientométricas. 2017. 150 p. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.São Paulo, SP, Brasil

WARNER, Michael. Publics and conteurpublics. Public Culture, Durham, v. 14, n. 1, p. 49-90, 2002. Disponível em: https://muse.jhu.edu/article/26277. Acesso em: 12 abr. 2020.

ŽIŽEK, Slavoj. Violê ncia: seis reflexõ es laterais. Sã o Paulo: Boitempo, 2012

Publicado
2022-02-22
Como Citar
Cid, G., Domingues, J., & de Paula, L. (2022). “Gestor-auditor”: A retórica da peritagem na política de cultura do governo Bolsonaro. Estudos Ibero-Americanos, 48(1), e41768. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2022.1.41768
Seção
Dossiê: Políticas culturais: projetos, atores e circuitos