Arquivando a Pandemia

Projetos de historiador e “dever de memória”

Palavras-chave: COVID-19, Memória, Testemunho, Pandemia, História

Resumo

Os anos de 2020 e 2021 trouxeram transformações significativas em nossas vidas. Novos hábitos foram inseridos no cotidiano a partir da necessidade de isolamento social e a forma como encaramos a morte também foi radicalmente afetada. O artigo procura refletir sobre o papel fundamental do historiador no registro da pandemia a partir da apresentação de quatro trabalhos produzidos ao longo deste período que diretamente relacionaram o arquivo, a memória e a pandemia por Covid-19. O debate gira em torno da possibilidade de reflexão sobre o “dever de memória” e produção de documentos que poderão, no futuro, informar sobre, inclusive, como o Brasil chegou ao patamar de mais de meio milhão de mortes pela doença em tão pouco tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Casa Nova Maia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil; professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

BOSI, Alfredo. O tempo e os tempos. In: ABENSUOR, Miguel at al. Tempo e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CANDAU, Joël. Memória e Identidade. São Paulo: Contexto, 2019.

CASA NOVA, Vera. Versos oblíquos ou A obliquidade do tempo. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2021.

DIDI-HUBERMAN, G. Imagens apesar de tudo. Lisboa: KKYM, 2012.

GUATTARI, Felix. As três ecologias. 20. ed. Tradução de Maria Cristina F. Bittencourt. Campinas: Papirus, 2009.

HEYMANN, Luciana Quillet. O devoir de mémoire na França contemporânea: entre memória, história, legislação e direitos. In: GOMES, Angela de Castro (coord.). Direitos e cidadania: memória, política e cultura. Rio de Janeiro: FGV, 2007. p. 15-43.

HUYSSEN, A. Seduzidos pela memória. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

HUYSSEN, A. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto; Museu de Arte do Rio, 2014.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Unicamp, 1990.

MACIEL, Ana Carolina de Moura Delfim; FERREIRA, João Felipe Rufatto. Cápsula do tempo presente. Comunicação e Memória, Rio de Janeiro, n. 1, p. x, mar. 2021. Disponível em: https://revistacm.memoriadaeletricidade.com.br/uploads/Revista_Comunicacao_e_Memoria_ano_01_mar_01_pdf_2898419278.pdf.

MAIA, Andréa Casa Nova. Uma intelectual na pandemia – Vera na casa entre poemas, plantas e afetos. In: RABELO, Juniele; LIMA, Livia; PIMENTA, Denise. (orgs). História Oral na Pandemia: Mulheres e Envelhecimento. São Paulo: Ed. Letra &Voz, 2021. No prelo.

MAIA, Andréa Casa Nova; CASA NOVA, Vera (org.). Arquivo pandemia: volume 1 e 2. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2020.

MAIA, Andréa Casa Nova. A malária na ferrovia do diabo: outra peste provoca morte de índios e de trabalhadores no Brasil da Primeira República. In: CERQUEIRA, Fábio Vergara; AXT, Gunter; FERREIRA, Renata Brauner (org.). Epidemia na História. Coleção Viver e Morrer na Peste. Pelotas: Ed. UFPel, 2021. p. 291–306. v. 1.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, n. 32, dez. 2016.

PERROTTA, Isabella; CRUZ, Lucia Santa. Objetos da quarentena: urgência de memória. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 34, n. 73, p. 320-342, maio/ago. 2021.

TODOROV, Tzvetan. Los abusos de la memoria. Barcelona: Paidós, 2000.

Publicado
2021-11-04
Como Citar
Maia, A. C. N. (2021). Arquivando a Pandemia : Projetos de historiador e “dever de memória”. Estudos Ibero-Americanos, 47(3), e41291. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2021.3.41291
Seção
Tribuna