Lygia Santos

A trajetória de uma intelectual negra no Rio de Janeiro (1934-1980)

Palavras-chave: Intelectual negra, Identidade negra no Rio de Janeiro, História do samba e da negritude

Resumo

O artigo analisa a trajetória e os projetos de identidade afro-brasileira agenciados por Lygia Santos. Mulher e intelectual negra, filha dos músicos Donga e Zaira de Oliveira, investiga-se a sua relação com a produção cultural no Rio de Janeiro no período entre 1934 a 1980, a partir da análise de sua posição social contextualizada em três configurações sócio-políticas: na sua família, no Renascença Clube e na “Casa de Lygia Santos”. Através desses espaços compreende-se a formação das identidades construídas pela personagem, bem como ela se tornou mediadora de projetos culturais associados às memórias e identidades negras no Rio de Janeiro. O artigo faz uso de testemunhos orais, pesquisas em jornais e arquivos para construir um perfil da trajetória e dos projetos da intelectual negra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Jorge de Melo, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA, Brasil.

Doutor em Museologia e Patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil e em Ensino e História da Ciência da Terra pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em Campinas, SP, Brasil; professor da Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém, PA, Brasil.

Samuel Silva Rodrigues de Oliveira, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET-RJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em História, Política e Bens Culturais pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC-FGV), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professor do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET-RJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

ALBERTI, Verena; PEREIRA, Amilcar Araújo. Histórias do movimento negro no Brasil: depoimentos ao CPDOC. Rio de janeiro: Pallas: CPDOC-FGV, 2007.

ATHAYDE, Antônio Carlos. Clube do Samba começa a receber novos sócios com baile no Flamengo. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 9, 23 jul. 1979b.

ATHAYDE, Antônio Carlos. Clube do Samba começa a se reunir depois do carnaval. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 9, 10 jan. 1979a.

BARROS, Maurício. Gilberto Gil – Refavela. Rio de Janeiro: Cobogo, 2017.

BASTOS, Rafael José de Menezes. Les Batuts – uma antropologia da noite parisiense. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 20, n. 58, p. 177-198, jun. 2005.

BENZECRY, Lena. Das Rodas de Samba às Redes do Samba – mediações e parcerias que promoveram o g0ênero musical à sociedade de consumo. 2008.

Dissertação. 150 f. (Mestrado em Memória Social) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

BOBBIO, Noberto. Intelectuais e política. São Paulo: Unesp, 1990.

BOJUNGA, Claudio, COUTINHO, Wilson. Tem grana no samba. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14 fev. 1988. Caderno B, p. 4.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (org.) Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV, 2005. p.181-191.

BRAGA, Amanda. História da beleza negra no Brasil – discursos, corpos e práticas. São Carlos: Edufscar, 2015.

BRASIL. Câmara dos Deputados Federais. Projeto de Lei nº 3152/80, 13 de junho de 1980. Declara de utilidade pública o “Renascença Clube”, com sede no município do Rio de Janeiro. Brasília, 1980.

CANCELI, Elizabeth; MESQUITA, Gustavo; CHAVES, Wanderson. Guerra Fria e Brasil – para a agenda de integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Alameda, 2019.

CHARLE, Christophe. Nascimento dos intelectuais contemporâneos (1860-1898). História e educação, Pelotas, n. 14, p. 141-156, set. 2003.

CHARTIER, Roger. Intelectual. In: BURGIE, A. Dicionário de Ciências Históricas. Rio de Janeiro: Imago, 1993, p. 446-551.

DIPLOMA de Lygia Santos no curso de magistério primário do Instituto de Educação, 1953. Arquivo Da Faculdade De Direito UFRJ. Pedido de diploma nº 23079.017801/03-30, 27 maio 2003.

DIPLOMA de Lygia Santos no ensino básico do Instituto de Educação, 1950. Arquivo Da Faculdade De Direito Da UFRJ. Pedido de diploma nº 23079.017801/03-30, 27 maio 2003.

DOMINGUES, Petrônio. Uma história não contada: negro, racismo e branqueamento em São Paulo no pós-abolição. São Paulo: Editora SENAC, 2019.

FONSECA, Victor Manuel Marques. No Gozo dos Direitos Civis: Associativismo no Rio de Janeiro, 1903-1916. Rio de Janeiro Arquivo Nacional, 2008.

GIACOMINI, Sonia Maria. A alma da festa: família, etnicidade e projetos num clube social da Zona Norte do Rio de Janeiro: o Renascença Clube. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de janeiro: IUPERJ, 2006.

GOMES, Angela de Castro; HANSEN, Patrícia Santos. Intelectuais, mediação cultural e projetos políticos: uma introdução para a delimitação do objeto de estudo. In:

GOMES, Angela de Castro; HANSEN, Patrícia Santos (org.). Intelectuais mediadores – práticas culturais e ação política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. p. 7-41.

GUIMARÃES, Antônio. Racismo e Anti-racismo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2005.

HOOKS, bell. Intelectuais Negras. Estudos feministas, Campinas, ano 3, n. 2, p. 464-478, 1995.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação – episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2020.

MAIO, Marcos Chor. Costa Pinto e a crítica ao “negro como espetáculo”. In: COSTA PINTO, Luís A. O negro no Rio de Janeiro – relações de raça numa sociedade em mudança. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998. p. 17-51.

MELO, Diogo Jorge de Melo. Na casa de Lygia Santos, a dama da sabedoria: Museologia, cultura e etnicidade em um projeto de vida. 2018. Monografia (Especialização em Relações Étnico-Raciais e Educação) – Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, 2018.

MOTA, Jackeline. Pro samba correr o mundo. Samba em Revista, Rio de Janeiro, n. 2, p. 4-11, 2009.

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a Pequena África no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1995.

MUNANGA, Kabenguele. Reconstruíndo a mestiçagem. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

NETO, Agenor Brito dos Santos; PEREIRA, Amilcar Araújo. “Legítimos propagadores do racismo negro”? o movimento negro contemporâneo e a luta contra o racismo durante a ditadura civil militar no Brasil. In: DELLAMORE, Carolina; AMATO, Gabriel; BATISTA, Natália (org.). A ditadura aconteceu aqui. São Paulo: Letra e Voz, 2017. p. 107-129.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito Racial de marca e preconceito racial de origem. Tempo Social, revista de sociologia da USP, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 267-298, nov. 2006.

O’DONNELL, Julia. A invenção de Copacabana – cultura urbana e estilos de vida no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

OLIVEIRA, Samuel Silva Rodrigues de. Zósimo Bulbul: a prática de história oral no Centenário da Abolição (1988) e a história de vida de um artista negro (1937-1959). História Oral, Rio de Janeiro, v. 24, p. 239-257, 2021.

PEREIRA, Amilcar Araújo. “O Mundo Negro”: a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil (1970-1995). 2010. 268 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

PINTO, Luís A. Costa. O negro no Rio de Janeiro – Relações de raça numa sociedade em mudança. 2. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998.

RATTS, Alex. Eu sou atlântica – sobre a trajetória e vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial, 2001.

REGISTRO social. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 15, 16 jul. 1957.

SANSONE, Lívio. Negritude sem etnicidade: o local e o global nas relações raciais e na produção cultural negra do Brasil. Salvador: Edufba, 2004.

SANTOS, Joel Rufino dos. O movimento negro e a crise brasileira. Política e Administração, Rio de Janeiro, v. 2, p. 287-307, jul./set. 1985.

SANTOS, Lygia. Lygia Santos. In: COSTA, Haroldo. Fala, Crioulo. Rio de Janeiro: Record, 1982. p. 159-169.

SANTOS, Lygia; SILVA, Marília Trindade Barboza. Paulo Portela: traço de união entre duas culturas. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1980.

SANTOS, Márcia. [Entrevista concedida à Diogo Melo no Museu da Imagem e do Som]. Rio de Janeiro, RJ, set. 2017.

SILVA, Joselina da. Jornal SINBA: a África na construção identitária brasileira dos anos setenta. In: MENDES, Amauri, SILVA, Joselina da (org.). O Movimento Negro Brasileiro – escritos sobre os sentidos de democracia e justiça social no Brasil. Belo Horizonte: Nandyala, 2009. p.184-206.

SILVA, Lúcia. A Paris dos trópicos e a Pequena África na época do Haussmann tropical. In: SANGLARD, Gisele; ARAÚJO, Carlos Eduardo Moreira; SIQUEIRA, José Jorge (org.). História Urbana – memória, cultura e sociedade. Rio de Janeiro: FGV, 2013. p. 201-225.

SILVA, Lúcia. Freguesia de Santana na cidade do Rio de Janeiro – territórios e etnia no último quartel do século XIX. Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Rio de Janeiro, v. 7, n. 10, p. 262-281, jan./ago. 2015.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais franceses: um objeto para história do tempo presente? In: DUTRA, E. (org.). O Brasil em dois tempos. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. p.129-141.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: REMOND, Rene. Por uma história política. Rio de Janeiro: FGV, 1996. p. 231-271.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Valongo, cais dos escravos: memória da diáspora e modernização portuária na cidade do Rio de Janeiro, 1668-1911. 2013. 127 f. Relatório de Estágio pós doutoral. Programa de Pós-graduação em Arqueologia, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Valongo. In: GOMES, Flávio; SCHWARCZ, Lilia M. Dicionário da Escravidão e Liberdade. São Paulo: Cia. das Letras, 2018. p. 419-426.

VELHO, Gilberto. Memória, identidade e projeto. In: Projeto e metamorfoses – antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Zahar, 2003. p. 97-106.

VIANNA, Hermano. O mistério do samba. Rio de Janeiro: Zahar: Ed. UFRJ, 2002.

XAVIER, Giovanna. Intelecutais [email protected] no pós-abolição: ativismo científico e curadoria no ensino de História. In: “A gente só sabe o final quando se encerra”: novas formas de ensinar e apreender histórias do Brasil Repúblicano. Niterói: Eduff, 2021. p. 17-49.

XAVIER, Giovanna. Maria de Lourdes Vale Nascimento: uma intelectual negra do pós-abolição. Niterói: Eduff, 2020.

ZAÍRA, Márcia. [Entrevista concedida à Diogo Melo na residência de Lygia Santos]. Rio de Janeiro, RJ, set. 2017.

Publicado
2021-11-08
Como Citar
Melo, D. J. de ., & Oliveira, S. S. R. de. (2021). Lygia Santos: A trajetória de uma intelectual negra no Rio de Janeiro (1934-1980). Estudos Ibero-Americanos, 47(3), e40369. https://doi.org/10.15448/1980864x.2021.3.40396
Seção
Dossiê: Mulheres intelectuais: práticas culturais de mediação