Nobreza, igualdade e democracia

Visões sobre as hierarquias sociais no jornal Nova Luz Brasileira (1828-1831)

Palavras-chave: Nobreza, Igualdade, Democracia, Liberalismo Radical, Exaltados

Resumo

Após a independência do Brasil, com a adoção das idéias liberais, os modelos hierárquicos do Antigo Regime passaram a ser repensados. Embora a nobreza tenha sido incorporada ao novo Império que se estabelecia, isso não ocorreu de forma pacífica e sem contestação. Alguns grupos políticos questionaram a existência da nobreza a contrapondo a um outro modelo hierárquico proveniente do liberalismo, onde haveria a primazia dos méritos, capacidades e virtudes. Na busca de uma profunda incorporação dos critérios liberais, determinados atores políticos, chamados de “exaltados” e entendidos como portadores de um liberalismo radical, incorporaram a seu vocabulário termos como igualdade e democracia. O objetivo do artigo é analisar o discurso sobre estes termos presente no jornal Nova Luz Brasileira, atribuído a essa corrente liberal radical e exaltada, para que se possa estabelecer as visões sobre as hierarquias sociais presentes no mesmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Borges da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutora em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

ANDRADE, Marcos F. de; SILVA, Janaína de C. Moderados, exaltados e caramurus no prelo carioca: os embates e as representações de Evaristo Ferreira da Veiga (1831-1835). Almanack, São Paulo, n. 4, p. 130-148, 2012.

ARAÚJO, Inesita. A reconversão do olhar. Prática discursiva e produção de sentidos na interação social. São Leopoldo: Unisinos, 2000.

ARMITAGE, John. História do Brazil desde a chegada da real família de Bragança, em 1808, até a abdicação do imperador D. Pedro I, em 1831. Rio de Janeiro: Tip. Imp. e Const. de J. Villeneuve e Comp, 1837.

BASILE, Marcello. Ezequiel Corrêa dos Santos: um jacobino na Corte Imperial. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

BASILE, Marcello. Linguagens, pedagogia política e cidadania: Rio de Janeiro, cerca de 1830. In: RIBEIRO, Gladys Sabina. Brasileiros e cidadãos: modernidade política (1822-1930). São Paulo: Alameda, 2008. p. 207-224.

BASILE, Marcello. O Império em construção: projetos de Brasil e a ação política na Corte Regencial. 2004. Tese (Doutorado em História) – UFRJ, Rio de Janeiro, 2004.

BASILE, Marcello. O radicalismo exaltado: definições e controvérsias. In: NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das;

BESSONE, Tânia Maria (org.). Dimensões Políticas do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Contracapa, 2012, p. 19-50.

BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Diccionario Bibliographico Brazileiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1895. v.3.

BOBBIO, Noberto. As teorias das formas de governo. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1992.

BOBBIO, Noberto. Democracia. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco (org.). Dicionário de Política. Brasília: Editora Universidade de Brasília; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000. v. 1, p. 319-329.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo: Publifolha, 2000. v.1.

FURET, François e OZOUF, Mona (org.). Dictionnaire critique de La Revólution Française: idées. Paris: Flammarion, 2007.

GUIMARÃES, Lucia Maria Paschoal; PRADO, Maria Emília (org.). O liberalismo no Brasil Imperial: origens, conceitos e prática. Rio de Janeiro: Revan, 2001.

JAUME, Lucien. Le discours jacobin et la démocratie. Paris: Fayard, 1989.

ISRAEL, Jonathan. A revolução das luzes: o Iluminismo radical e as origens intelectuais da Democracia Moderna. São Paulo: Edipro, 2013.

KIRSCHNER, Tereza Cristina. José da Silva Lisboa, Visconde de Cairú: itinerários de um ilustrado luso-brasileiro. São Paulo: Alameda; Belo Horizonte: PUC Minas, 2009.

LUSTOSA, Isabel. Insultos impressos: a guerra dos jornalistas na independência (1821-1823). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LYNCH, Christian. Da monarquia à oligarquia: história institucional do pensamento político brasileiro (1822-1930). São Paulo: Alameda, 2014.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema. São Paulo: Hucitec, 2004.

MONTESQUIEU, Charles-Louis de Secondat, Barão de. Do Espírito das leis. São Paulo: Editora Nova Cultural, 2000. 2 v.

MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades na cidade imperial (1820-1840). São Paulo: Editora HUCITEC, 2005.

MOREL, Marco. Da gazeta tradicional aos jornais de opinião: metamorfoses da imprensa periódica no Brasil. In: NEVES, L. M. B. P. (org.). Livros e impressos: retratos do setecentos e do oitocentos. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2009. p. 153-184.

NABUCO, Joaquim. Um estadista do império: Nabuco de Araújo. Sua vida, suas opiniões, sua época. Rio de Janeiro: H. Garnier Livreiro-Editor, 1899. t.1.

NEVES, Lúcia B. P. das. Corcundas e constitucionais: a cultura política da independência (1820-1822). Rio de Janeiro: Revan, 2003.

RIBEIRO, Gladys Sabina. A radicalidade dos exaltados em questão: jornais e panfletos no período de 1831 a 1834. In: RIBEIRO, Gladys Sabina; FERREIRA, Tânia Maria Tavares Bessone da Cruz (org.) Linguagens e práticas da cidadania no século XIX. São Paulo: Alameda, 2010. p. 75-106.

RIBEIRO, Gladys Sabina. Causa nacional e cidadania: a participação popular e a autonomia na imprensa carioca do início dos anos 1830. In: MOREL, Marco; NEVES, Lúcia M. B. P. das; FERREIRA, Tânia M. B. da C. (org.). História e imprensa: representações culturais e práticas de poder. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. p. 113-141.

ROSANVALLON, Pierre. La démocratie inachevée. Paris: Gallimard, 2012.

ROUSSEAU, Jean Jacques. Do contrato social. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

SILVA, Camila Borges da. O liberalismo exaltado e a crítica às ordens honoríficas: as visões de Estado e sociedade de Cipriano Barata e Frei Caneca. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, n. 10, p. 120-139, jan./dez 2014.

SILVA, Camila Borges da. As ordens honoríficas e a Independência do Brasil: o papel das condecorações na construção do Estado Imperial brasileiro (1822-1831). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2018.

SODRÉ, Nelson W. História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

SOUSA, Otávio Tarquínio de. História dos Fundadores do Império do Brasil: a vida de D. Pedro I. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2015. v. 2, t. 3.

Publicado
2021-11-04
Como Citar
Silva, C. B. da. (2021). Nobreza, igualdade e democracia: Visões sobre as hierarquias sociais no jornal Nova Luz Brasileira (1828-1831). Estudos Ibero-Americanos, 47(3), e39054. https://doi.org/10.15448/1980-864x.2021.3.39054
Seção
Seção Livre