História Pública, História em Quarentena e Ditadura

Palavras-chave: História pública, Ditadura, Historiografia, História em Quarentena

Resumo

Este artigo explora o acervo do Projeto História em Quarentena – iniciativa de história pública divulgada através da internet. Praticada durante a pandemia da Covid-19 como parte do repertório da História Pública, a experiência deixou um legado de aproximadamente 150 horas de material gravado disponibilizado no Facebook e Youtube. O conteúdo produzido evidencia o potencial do projeto para o ensino e a pesquisa histórica a respeito de questões socialmente vivas. Com base nesta lógica, selecionamos a série de vídeos “Mitos da Ditadura” no Brasil. Nossa abordagem consistiu na sistematização dos principais “mitos” que aparecem no debate e como a historiografia tem contribuído na sua problematização. Além disso, refletimos sobre as agendas de pesquisa suscitadas pelas discussões. O Projeto História em Quarentena é um laboratório para reflexão sobre possibilidades e dilemas da divulgação científica e sua conexão com a história pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Mauricio Freitas Brito, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil

Doutor em História pela Universidade Federal da Bahia, (UFBA), em Salvador, BA, Brasil; professor do Departamento de História/Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal da Bahia,
(UFBA), em Salvador, BA, Brasil.

Iracélli da Cruz Alves, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), Ilhéus, BA, Brasil.

Doutora em História Social pela Universidade Federal Fluminense, (UFF), em Niterói, RJ, Brasil; professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia, (IFBA), em Ilhéus, BA, Brasil.

Rafael Rosa da Rocha, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano), Catu, BA, Brasil.

Doutor em História Social pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador, BA, Brasil; Técnico em Assuntos Educacionais do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, (IF Baiano), em Catu, BA, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Juniele Rabêlo de. Práticas de história pública: O movimento social e o trabalho de história oral. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabelo de; SANTHIAGO, Ricardo (org.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p. 47-55.

ALVES, Iracélli da Cruz. Feminismo entre ondas: mulheres, PCB e política no Brasil. 2020. Tese (Doutorado em História) – Instituto de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2020.

ANPUH EM PROSA: Divulgação científica e direito à História. Debatedores: Cristina Meneguello; Bruno Leal. Mediação: Márcia Motta; Benito Schmidt. [S. I.]: Anpuh-Brasil, 16/07/2020. (1h 40min 59 s), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?-v=1B8X7oAdTXM&t=4279s. Acesso em: 30 ago. 2020.

BATISTA, Vera Malaguti. Difíceis ganhos fáceis: drogas e juventude pobre no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Pactos narcísicos no racismo: Branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. 2002. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

BORGES, Vavy Pacheco. O que é História. São Paulo: Brasiliense, 2003.

BRITO, Antonio Mauricio Freitas. “Um verdadeiro bacanal, uma coisa estúpida”: anticomunismo, sexualidade e juventude no tempo da ditadura. Anos 90, Porto Alegre, v. 26, p. 1-22, 2019.

BRITO, Antonio Mauricio Freitas. A droga da subversão: anticomunismo e juventude no tempo da ditadura. Revista Brasileira de História, São Paulo, n. 41, v. 86, p. 39-65, mar. 2021. https://doi.org/10.1590/1806-93472021v41n86-02.

BRITO, Antonio Mauricio Freitas. A subversão pelo sexo: Representações anticomunistas durante a ditadura no Brasil. Varia Historia, n. 36, v. 72, p. 859-888, out. 2020. https://doi.org/10.1590/010487752020000300010

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 11. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do Outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CERTEAU, Michel. A Escrita da História. Tradução de Maria Lourdes Menezes. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1982.

CHAUVEAU, Agnès; TÉTART, Philippe. Questões para a história do presente. Bauru: EDUSC, 1999.

CIRO Barcelos Revela “Fiz Sexo Com Caetano Veloso e ex-mulher do cantor” Live Maria Zilda Bethlem. [S. I.]: Resumo da Tv, 22/06/2020. (1h 02 min 24 s.), P&B. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?

v=PsXZG6iELk8&t=2s. Acesso em: 30 ago. 2020.

CONVERSAS histórias 3: História & Música Negra – Parte 1. Convidado: Fabrício Mota; Mediação: Iracélli Alves. 28/08/2020. (55 min 58 s), color. Legendado. Disponível em: https://www.instagram.com/tv/CEchDgkpg0L/?utm_source=ig_web_copy_link. Acesso em: 30 ago. 2020.

CORDEIRO, Janaína Martins. Direitas em Movimento. A Campanha da Mulher pela Democracia e a ditadura no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

COSTA, Gilberto. Cresce total de negros nas universidades, mas acesso é desigual. In: Agência Brasil. Brasília, 20 nov. 2021. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-11/cresce-total-de-negros-em-universidades-mas-acesso-e-desigual. Acesso em: 7 mar. 2021.

COWAN, Benjamin. “Why hasn’t this teacher been shot?” Moral-sexual panic, the repressive right, and Brazil’s National Security State. Hispanic American Historical Review, Durham, NC, v. 92, n. 3, p. 403-436, 2012.

COWAN, Benjamin. Securing sex: morality and repression in the making of cold war Brazil. North Carolina: The University of North Carolina Press, 2016.

CUNHA, Maria de Fátima da. A face feminina da militância clandestina de esquerda: Brasil anos 1960/70. 2002. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

DUARTE, Ana Rita Fonteles. Homens e mulheres contra o inimigo: a mobilização do gênero pela ditadura militar brasileira (1964-1985). In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 26., 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPUH, 2011. p. 1-14. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300279518_ARQUIVO_ textocompletoanpuh.pdf. Acesso em: 1 mar. 2019. EP. 31 - Como fazer a História Pública, por Icles Rodrigues. Expositor: Icles Rogrigues. 17/04/2020. (12min 46 s), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=UbjGQQPH4_U&t=78s. Acesso em: 30 ago. 2020.

FARIA, Daniel. Sob o signo da suspeita: as loucuras do poder ditatorial. Antíteses, Londrina, v. 8, n. 15, p. 221-240, nov. 2015.

FIGUEIRÊDO, Andersen Kubnhavn. Ativismo negro em Salvador no período da ditadura militar (1970-1980). Dissertação (Mestrado Profissional) – Programa de Pós-Graduação em História da África, da Diáspora e dos Povos Indígenas, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cachoeira, BA, 2016.

FRISCH, Michael. A história pública não é uma via de mão única ou De A Shared Authority à cozinha digital, e vice-versa. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabelo de; SANTHIAGO, Ricardo (org.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p. 57-69.

GINZBURG, Carlos; PONI, Carlo. O nome e o como: troca desigual e mercado historiográfico. In: GINZBURG, Carlos; CASTELNUOVO, Enrico; PONI, Carlo.A micro-história e outros Ensaios. Rio de Janeiro, Bertrand, 1989, p. 169-178

GREEN, James. “Who is the macho who wants to kill me?”: male homosexuality, revolutionary masculinity, and the Brazilian armed struggle of the 1960s and 70s. Hispanic American Historical Review, Burham, NC, v. 92, n. 3, p. 437-469, ago. 2012.

GREEN, James; QUINALHA, Renan. Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos: UFSCAR, 2015.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014. HELMS, Janet E. Black and white racial indentity: theory, research and practice. New York, Greedood Press: 1990.

HESSMANN, Dayane Rúbila Lobo. Cartilha da repressão: Os ensinamentos de um delegado sobre a Subversão e a Segurança Nacional (1974-1977). 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

JOFFILY, Mariana. A diferença na igualdade: gênero e repressão política nas ditaduras militares do Brasil e da Argentina. Espaço Cultural, Cascavel, n. 21, p. 78-88, 2009.

KELLEY, Robert. Public History: Its Origins, Nature, and Prospects. The Public Historian, Califórnia, v. 1, n. 1, p. 16-28, Autumn 1978.

KOSSLING, Karin Sant’Anna. As lutas anti-racistas de afro-descendentes sob vigilância do DEOPS-SP (1965-1983). 2007. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

LACOUTURE, Jean. A história imediata. In: LE GOFF, Jacques, CHARTIER, Roger; REVEL, Jaques (org.). A nova história. Coimbra: Almeida, 1978. p. 215-240.

LANGLAND, Victoria. Birth control pills and molotov cocktails. In: JOSEPH, Gilbert; SPENSER, Daniela. From the Cold: Latin America’s new encounter with the Cold War. Durham, NC: Duke University Press, 2008. p. 308-349.

LIMA, Alexandre Siqueira. Primavera nos dentes: desbunde, anticomunismo e repressão na cidade em quadrinhos (1972-1973). 2017. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. Tradução de Juan Ricardo Aparicio e Mario Blaser. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set./dez. 2014.

MARCELINO, Douglas Attila. Subversivos e pornográficos: censura de livros e diversões públicas nos anos 1970. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional do Ministério da Justiça, 2011.

MATTOS, Ilmar Rohloff. “Mas não somente assim!” Leitores, autores, aulas como texto e o ensino-aprendizagem de História. Tempo, Niterói, v. 11, n. 21, p. 5-16, 2006. https://doi.org/10.1590/S141377042006000200002

MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo; SANTHIAGO, Ricardo. Introdução. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo; SANTHIAGO, Ricardo (org.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p. 11-20.

MORAES, Luis Edmundo de Souza. O negacionismo e o problema da legitimidade da escrita sobre o passado. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 26., São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPUH, jul. 2011.

MORANT, Isabel. El sexo de la historia. In: MORANT, Isabel. Las Relaciones de Genero. Madri: Marcial Pons, 1995. p. 29-66.

MOREIRA, Bruno de Oliveira. Milton Santos e a ditadura civil-militar (1964-1985): prisão, exílio e memória. Exame de Qualificação de Doutorado – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade federal da Bahia, 2020. Não publicado.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. Combate ao negacionismo historiográfico confronta o obscurantismo que ameaça à democracia, diz historiador [Entrevista concedida a Jacqueline Boechat], Casa de Oswaldo Cruz, 9 mar. 2020. Disponível em: http://www.coc.fiocruz.br/index.php/en/todas-as-noticias/1753-combate-ao-negacionismo-historiografico-visa-confrontar-o-obscurantismo-que-ameaca-a-democracia-diz-historiador.html#.YFaYm1VKi1s. Acesso em: 25 mar. 2021.

NAPOLITANO, Marcos; JUNQUEIRA, Mary Anne. Negacionismos e Revisionismos: o conhecimento histórico sob ameaça. Síntese dos debates e posicionamentos surgidos no evento promovido pelo Departamento de História da FFLCH /USP – Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, [ca. 2019] Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5207773/mod_folder/content/0/NAPOLITANO%2C%20Marcos%3B%20JUNQUEIRA%2C%20Mary%20Anne.%20Como%20historiadores%20e%20professores%20devem%20lidar%20com%20negacionismos%20e%20revisionismos.pdf?-forcedownload=1. Acesso em: 20 mar. 2021.

NICOLAZZI, Fernando. Os historiadores e seus públicos: regimes historiográficos, recepção da história e história pública. História Hoje, [S. I], v. 8, n. 15, p. 203-222, 2019.

PENNA, Fernando de Araújo; SILVA, Renata da Conceição Aquino da. As operações que tornam a história pública: a responsabilidade pelo mundo e o ensino de história. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabelo de; SANTHIAGO, Ricardo. (org.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. 1. ed. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p. 195-205.

SEMANA 18: Mitos da ditadura - usos políticos do passado | Entrevista com Carlos Fico. Entrevistado: Carlos Fico. Entrevistadores: Carlos Trinidad, Lucas Pedretti, Mélanie Toulhoat, Natália Guerellus e Paulo Cesar Gomes. [S. I.]: História em Quarentena, 20/09/2020. (58min 37s.), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=4ID_iOZB1KM. Acesso em: 28 ago. 2020.

SEMANA 19: Mitos da ditadura - usos políticos do passado II | Marcos Napolitano e Rodrigo Patto. Entrevistados: Marcos Napolitano (Usp) e Rodrigo Patto (Ufmg). Mediação: Mélanie Toulhoat. [S. I.]: História em Quarentena, 30/09/2020. (2h 20min 04s), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7_aXGlnsTAk&t=2643s. Acesso em: 28 ago. 2020.

SEMANA 18: “Mitos da ditadura: trabalhadores, LGBTs, luta armada, religiosos e negros” | Debate. Participantes: Alejandra Estevez (Uff); Caroline Cubas (Udesc); Flavia Rios (Uff); Kleber Simões (Ufba); Marcelo Ridenti (Unicamp). Mediação: Paulo César Gomes e Pedro Russo. [S. I.]: História em Quarentena, 25/07/2020. (2h 51 min 56 s), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=WCuwpmMlotc. Acesso em: 26 ago. 2020.

SEMANA 18: “Mitos da ditadura: esquerdas, militares e corrupção” | Debate. Participação: João Roberto Martins Filho (Ufscar), Maria Paula Araújo (Ufrj) e Pedro Campos (Ufrrj). Mediação: Lucas Pedretti. [S. I.]: História em Quarentena, 23/07/2020. (1h 26min 47 s), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=wHImEn3VcQI&t=38s. Acesso em: 20 ago. 2020.

SEMANA 18: “Mitos da ditadura: A ditadura para além do eixo Rio-São Paulo” | Debate. Participantes: Alessandra Gasparotto (Ufpel), Airton de Farias (Ifce), Pedro Fagundes (Ufes), Thiago Broni (Eap/Ufpa). Mediação: Paulo César Gomes. [S. I.]: História em Quarentena, 24/07/2020. (1h 59min 24 s.), son., color. Disponível em:https://www.youtube.com/watch?v=C_mM5eO6ESU. Acesso em: 26 ago. 2020.

SEMANA 18: “Mitos da ditadura: estudantes, imprensa e mulheres”. Produção de Participação de Angélica Muller (Uff), Ana Rita Fonteles (Ufc) e Sônia Meneses (Urca). Realização de Mediação Paulo César Gomes. [S. I.]: História em Quarentena, 26/07/2020. (1h 15min 35 s), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Nn7W7-LRN34&t=6s. Acesso em: 20 ago. 2020.

SEMANA 18: “Mitos da ditadura: milagre econômico, futebol e propaganda”. Participantes: Paulo Robilloti (Unicamp), Livia Magalhães (Uff), David Netto (Uem). Mediação: Lucas Pedretti. [S. I.]: História em Quarentena, 26/07/2020. (1h 37min 36 s), son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=RycTBZVvi2o. Acesso em: 28 ago. 2020.

SEMANA 20: “E a pandemia não acabou: encerramento do projeto História em Quarentena” | Debate. Participantes: Carlos Benítez Trinidad (Usc/Cham-Unl), Lucas Pedretti (Iesp/Uerj), Mariana Meneses Muñoz (Cham-Unl), Mélanie Toulhoat (Iheal), Natália de Santanna Guerellus (Université Jean Moulin) e Paulo César Gomes (Nec/Uff). Mediação: Odilon Caldeira Neto. [S. I.]: História em Quarentena, 8/08/2020. Son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=M5C3FsCxvH4&t=20s. Acesso em: 30 ago. 2020.

PENNA, Fernando de Araújo. Ensino de história: operação historiográfica escolar. Rio de Janeiro. 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

PEREIRA, Amilcar Araújo. O mundo negro: relações raciais e a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil. Rio de Janeiro: FAPERJ/PALLAS, 2013

PIRES, Thula Rafaela de Oliveira. Colorindo memórias e redefinindo olhares: ditadura militar e racismo no rio de Janeiro. In: Portal Geledés. São Paulo, 17 dez. 2015. Disponível em: https://www.geledes.org.br/colorindo-memorias-e-redefinindo-olhares-ditadura-militar-e-racismo-no-rio-de-janeiro. Acesso em: 23 mar. 2021.

PIRES, Thula Rafaela de Oliveira. Estruturas intocadas: racismo e ditadura no Rio de Janeiro. Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 1054-1079, 2018.

QUINALHA, Renan. Contra a moral e os bons costumes: a política sexual da ditadura brasileira (1964-1988). 2017. Tese (Doutorado em Relações Internacionais) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2017.

REIS, Débora Ataíde. Memória(s) militante(s): Narrativas Autobiográficas e Imagens de Resistência em Derlei Catarina De Luca (1966-1973). 2015. Dissertação (Mestrado em História Social) – Programa de Pós Graduação em História Social, UFBA, Salvador, 2015.

RIDENTI, Marcelo Siqueira. As mulheres na política brasileira: os anos de chumbo. Tempo Social, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 113-128, jun./dez. 1990.

RISÉRIO, Antônio. Carnaval Ijexá: notas sobre afoxés e blocos do novo carnaval afrobaiano. Salvador: Corrupio, 1981. RODEGHERO, Carla. O comunismo e outros perigos: memórias sobre o medo entre católicos. História Oral, [S. I.], v. 10, n. 2, p. 91-112, jul./dez. 2007

ROUSSO, Henry. O arquivo ou o indício de uma falta. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 9, n. 17, 1996.

SANTHIAGO, Ricardo. Duas palavras, muitos significados: alguns comentários sobre a história pública no Brasil. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabelo de; SANTHIAGO, Ricardo (org.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p. 23-35.

SANTHIAGO, Ricardo. Servir bem para servir sempre? Técnica, mercado e o ensino de história pública. História Hoje, [S. I.], v. 8, n. 15, p. 135-157, 2019.

SCHITTINO, Renata. O conceito de público e o compartilhamento da história. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabelo de; SANTHIAGO, Ricardo (org.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p. 37-45.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: Branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. São Paulo, SP: Annablume, 2014.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SOARES, Orson. A bondade do branco: olhar da branquitude sobre a questão racial no filme Também somos irmãos. 2020. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

TILLY, Louise A. Gênero, História das Mulheres e História Social. Cadernos Pagu, Campinas, n. 3, p. 29-62, 1994.

VARIKAS, Gênero, experiência e subjetividade: a propósito do desacordo Tilly-Scott. Cadernos Pagu, Campinas, n. 3, p. 63-84, 1994.

VERAS, Elias Ferreira; PEDRO, Joana Maria. Os silêncios de Clio: escrita da história e (in)visibilidade das homossexualidades no Brasil. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 6, n. 13, p. 90-109, set./dez. 2014.

Publicado
2021-06-02
Como Citar
Brito, A. M. F., da Cruz Alves, I., & Rosa da Rocha, R. (2021). História Pública, História em Quarentena e Ditadura. Estudos Ibero-Americanos, 47(2), e39013. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2021.2.39013
Seção
História Pública na América Latina: mediações do passado, demandas sociais e tempo presente