A “nova” escrita contemporânea de/para mulheres:

Relações de gênero, capitalismos afetivos e a literatura “Chick-lit/Soft Porn”

Palavras-chave: Literatura “chick-lit/soft porn”, relações de gênero, cultura amorosa, sexo

Resumo

Esse trabalho se interessa em investigar e identificar as lógicas de sensibilidades e identificações que, em certa medida, explicam o sucesso dos romances “chick-lit/soft porn”, que invadiram o mercado editorial brasileiro a partir do final do século XX até os dias atuais.  Essa literatura, feita por mulheres e voltada para o público-alvo de leitoras, inundam as prateleiras físicas/virtuais das livrarias com histórias repletas de relacionamentos sexuais e amorosos, muitas vezes descritos em profusos detalhes cênicos. Essa pesquisa usa a categoria mercantil best-seller para pensar no critério de vendagens acima das médias de leitura regulares da sociedade. O foco de análise centrou-se na ideia de que tal literatura best-seller “chick-lit/soft porn” é produtora e reprodutora de alguns discursos sobre as relações dos poderes entre os gêneros algumas formas de vivências de sexualidades possíveis. Dessa maneira, as representações textuais e simbólicas naturalizadas dessa literatura incorporam, nos dias atuais, uma fonte autorizada de consumo de narrativas sobre erotismo, prazer e amor para as mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Eiras Coelho Soares, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil.

Doutora em História Política pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professora da Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, GO, Brasil.

Referências

ADORNO, Theodor. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

BRASIL. Lei n.º 3071, de 1º de janeiro de 2016. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro (RJ): Presidência da República, 1916. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L3071.htm. Acesso em: 23 jan. 2020.

CHARTIER, Roger; CAVALLO, Guglielmo (org.). História da Leitura no Mundo Ocidental. São Paulo: Ática, 1999. v. 2.

DUNKER, Christian. Reinvenção da intimidade: políticas do sofrimento cotidiano. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

ERTZOGUE, Marina H; PARENTE, Temis Gomes. História e Sensibilidade. Brasília: Paralelo 15, 2006.

EWALD, Ariane Patrícia. Estranhamentos emocionais, Modernidade e Literatura: “Campo de Agramante”. In:

EWALD, Ariane Patrícia (org.). Subjetividade e literatura: harmonias e contrastes na interpretação da vida. Rio de Janeiro: Nau, 2011. p. 31-72.

WILLIAM SKIDELSK. Cinquenta Tons de Cinza”: “Meus filhos querem se matar”, diz E. L. James, autora do best-seller pornô, sobre o fenômeno mundial que criou. Marie Claire, São Paulo, 1 ago. 2012. Disponível em: http://revistamarieclaire.globo.com/Revista/Common/0,,EMI314272-17596,00-CINQUENTA+TONS+-

DE+CINZA+MEUS+FILHOS+QUEREM+SE+MATAR+DIZ+E+L+JAMES+AUTORA+DO.html. Acesso em: 7 jun. 2019.

HERRERA, Coral. Mujeres que ya no sufren por amor: Transformando el mito romántico. Madrid: Catarata, 2018.

ILLOUZ, Eva. O Amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

ILLOUZ, Eva. Erotismo de autoayuda: cincuenta sombras de Grey y el nuevo orden romântico. Buenos Aires: Katz editores, 2014.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia. Feminismo e Política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

MADALENA, Emanuel; BAPTISTA, Maria Manuel; MATOS, Fátima Ney. Estagiárias e Milionários: as ocupações profissionais das personagens da literatura erótica. In:

CONGRESSO INTERNACIONAL EM ESTUDOS CULTURAIS, 5., 2016, Coimbra. Atas [...]. Coimbra: Grácio Editor, 2016. v. 2. Disponível em: http://mariamanuelbaptista.com/pdf/18_VCIEC_port_vol2.pdf#page=50. Acesso em: 7 jun. 2019.

MORAES, Eliane Robert; LAPEIZ, Sandra Maria. O que é pornografia? São Paulo: Círculo do Livro: Editora Brasiliense, 1984. (Coleção Primeiros Passos).

MUZART, Zahidé Lupicinacci. Literatura de Mulherzinha. Revista Labrys: estudos feministas, jan./jun. 2007. Disponível em: https://www.labrys.net.br/labrys11/ecrivaines/zahide.htm. Acesso em: 6 jun. 2019.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, Franca, v. 24, n. 1, p. 77-98, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742005000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 jan. 2020.

REZENDE, Claudia Barcellos; COELHO, Maria Claudia. Antropologia das emoções. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

SANT’ANA, Jaqueline Martins dos Santos. Literatura de Mulherzinha: Gênero e individualismo em Romances Chick-Lit. 2016. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia, Univeresidade Federal do Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://www.academia.edu/27688720/

SANTOS_Jaqueline_Literatura_de_Mulherzinha_Genero_e_Individualismo_em_Romances_Chick_Lit. Acesso em: 2 jun. 2019.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1990. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667. Acesso em: 5 mar. 2019.

SOARES, Ana Carolina Eiras Coelho. Magali, de M. Delly e a trilogia Cinquenta Tons de Cinza: uma análise da literatura de massa para mulheres. OPSIS, Goiânia, v. 17, n. 1, p. 99-120, 3 abr. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.5216/o.v17i1.39429. Acesso em: 13 fev. 2020.

SOARES, Laura Cristina Eiras Coelho. Fragmentos de relações amorosas na contemporaneidade: Literatura “de mulherzinha” e sociedade de consumo. In: EWALD, Ariane Patrícia (org.). Subjetividade e literatura: harmonias e contrastes na interpretação da vida. Rio de Janeiro: Nau, 2011. p. 301-330.

STEFFENS, Julianna. Você sabe o que é Chick Lit? In: STEFFENS, Julianna. Lost in chick-lit, Florianópolis, 11 nov. 2009. Disponível em: http://www.lostinchicklit. com.br/2009/11/voce-sabe-o-que-e-chick-lit.html. Acesso em: 6 jun. 2019.

TODOROV, Tzvetan. A Literatura em Perigo. Rio de Janeiro: Difel, 2014.

Publicado
2021-04-26
Como Citar
Soares, A. C. E. C. (2021). A “nova” escrita contemporânea de/para mulheres:: Relações de gênero, capitalismos afetivos e a literatura “Chick-lit/Soft Porn”. Estudos Ibero-Americanos, 47(1), e37808. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2021.1.37808
Seção
Dossiê: História das Mulheres, das relações de gênero e das sexualidades dissidentes - Vol. 47, n. 1