Civique de Gastine (1793-1822) no Correio do Rio de Janeiro: Pacto Colonial¸ Economia Política e as Independências da América

Palavras-chave: Independência do Brasil. Liberalismo. Imprensa. Exílio.

Resumo

O artigo trata da disseminação, tradução e recriação da obra De la Liberté des Peuples et des Droits des Monarques Appelés à les Gouverner (1818) do autor Civique de Gastine (1793-1822) nas publicações do Correio do Rio de Janeiro de 1822. Seu redator João Soares Lisboa é considerado um dos redatores mais radicais da província a atuar no processo de independência do Brasil e foi o primeiro e único a ser condenado por “conluio republicano” na história do Império. Graças à divulgação e participação na redação da Representação do Povo do Rio de Janeiro, que pedia a convocação de Cortes do Brasil ao príncipe regente D. Pedro em maio de 1822, sua trajetória se tornou menção obrigatória nas narrativas sobre a história do processo de independência do Brasil, tanto para valorizar sua iniciativa, quanto para explicar seu radicalismo. Não obstante, é possível analisar o seu engajamento e desenvolvimento das ideias de cidadania, de participação e soberania popular em uma monarquia constitucional pela disseminação, circulação, troca cultural e recriação de publicações ibero-americanas, sobretudo, da obra de Civique de Gastine. Autor pouco divulgado nos periódicos da época, ele é lembrado como “abolicionista” por conta de suas obras escritas nos anos de 1819, 1821 e 1822, que defendiam a abolição da escravidão e a independência de São Domingos. Diante desse cenário, João Soares Lisboa é responsável por sua tradução e releitura, de modo a disseminar as suas ideias como sua principal referência teórica e, ao mesmo tempo, torná-las possíveis em uma monarquia constitucional para o Brasil aos olhos de um redator e negociante pertencente a um grupo de liberais formado pela prática mercantil e impressos em circulação, especialmente no final do século XVIII.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Botafogo Caricchio Ferreira, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP.

Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), pesquisadora de pós-doutorado com bolsa FAPESP no Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP) em São Paulo, SP.

Referências

ALEXANDRE, Valentim. Os sentidos do império. Questão nacional e questão colonial na crise do Antigo Regime português. Porto: Afrontamento, 1993.

ALMEIDA, Gabriela Berthou. Jogos de poder: disputas em torno da administração do Seminário de Mariana, 1829-1835. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA: CONHECIMENTO HISTÓRICO E DIÁLOGO SOCIAL, 27., 2013, Natal. Anais [...]. Natal: [s. n.], 2013. Disponível em: http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1371332851_ARQUIVO_textoanpuh-revisado-final.pdf. Acesso em: 20 fev. 2015.

BHERING, Antonio Ribeiro. O Novo Argos, Minas Gerais, n. 6, 18 dez. 1829. Disponível em: https://books.google.com.br/. Acesso em: 9 maio 2015.

BLANCHARD, Pedro. Tesouro de Meninos obra dividida em três partes: moral, virtude e civilidade. Lisboa: Tip. de José da Rocha, 1851.

BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo: Brasiliense, 1994.

DARNTON, Robert; ROCHE, Daniel (org.). Revolução Impressa: a imprensa na França 1775-1800. São Paulo: Edusp, 1996.

DONGHI, Tulio Halperín. Historia contemporánea de América Latina. Madrid: Alianza Editorial, 2005.

Fernández SEBASTIÁN, J. Liberalismo nacientes em el atlântico iberocamericano: “liberal” como concepto y como identidad política, 1750-1850. In: Fernández SEBASTIÁN, J. (org.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano. La era de las revoluciones, 1750-1850. Madrid: Fundación Carolina: Sociedad Estatal de Conmemoraciones Culturales: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2009. p. 695-731. https://doi.org/10.7767/jbla.2008.45.1.149.

FISKE, John; WILSON, James Grant. Cyclopaedia of American Biography. New York: D. Appleton and Company, 1887.

GASTINE, Civique de. De la liberté des peuples et des droits des monarques appelés a les gouverner. Paris: Chez les Marchands de Nouveautés, 1818.

GUERRA, François Xavier. «Voces del pueblo». Redes de comunicación y orígenes de la opinión en el mundo hispánico (1808-1814). Revista de Indias, [s. l.], v. 62, n. 225, p. 357-384, 2002.

HOEFER, M. le (dir.). Nouvelle biographie générale: depuis les temps les plus reculés jusqu’à nos jours. Paris: MM. Firmin-Didot Frères, 1852.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do Tempo: Estudos sobre o Tempo. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC Rio, 2014.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC Rio, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. UERJ, 1999.

JANCSÓ, István; PIMENTA, João Paulo G. Peças de um mosaico (ou apontamentos para o estudo da emergência da identidade nacional brasileira). In: MOTA, Carlos Guilherme (org.). Viagem incompleta: a experiência brasileira (1500-2000). São Paulo: Senac, 2000. p. 127-175.

LEITE, Renato Lopes. Republicanos e libertários: pensadores radicais no Rio de Janeiro, 1822. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

LISBOA, João Soares. Correio do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1822. Disponível em: bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 22 maio 2020.

LUSTOSA, Isabel. Insultos impressos: a guerra dos jornalistas na Independência, 1821-1823. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

MAHUL, A. Annuaire nécrologique ou complément annuel et continuation de toutes les biographies ou dictionnaires historiques. Paris: Ponthieu: Libraire: Palais-Royal, 1823.

MENDONÇA, Manuel Teixeira Cabral de. O Guarda-livros moderno, ou curso completo de instruções elementares sobre as operações do comercio. Lisboa: Impressão Régia, 1823.

MOREL, Marco. A Revolução do Haiti e o Brasil escravista: o que não deve ser dito. Jundiaí: Paco, 2017.

MOREL, Marco. Nação e revolução: o rubro veio historiográfico no Brasil na primeira metade do século XIX. In: CHAVES, C. M. DAS G.; SILVEIRA, M. A. (org.). Território, conflito e identidade. Belo Horizonte: Argumentum, 2007. p. 181-204.

MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades na cidade imperial, 1820-1840. São Paulo: Hucitec, 2005.

NEVES, Lucia Maria Bastos Pereira das. Corcundas e constitucionais: a cultura política da independência, 1820-1822. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2003.

PEDREIRA, Jorge Miguel de Melo Viana. Os homens de negócio da praça de Lisboa de Pombal ao vintismo (1755-1822). Diferenciação, reprodução e identificação de um grupo social. 1995. Tese (Doutorado) – Curso de Sociologia e Economia Históricas, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 1995.

PIMENTA, João Paulo G. A independência do Brasil e a experiência hispano-americana (1808-1822). São Paulo: Hucitec/FAPESP, 2015.

PIMENTA, João Paulo G. Una América Latina por sus espacios y tiempos. Prismas: Revista de Historia Intelectual, [s. l.], v. 15, n. 2, p. 229-231, 2011.

PIMENTA, João Paulo G. História dos conceitos e história comparada: elementos para um debate. Almanack Braziliense, [s. l.], n. 07, p. 56-60, 2008. https://doi.org/10.11606/issn.1808-8139.v0i7p56-60.

PITTS, Jennifer. Republicanism, liberalism and empire in post-revolutionary France. Empire and Modern Political Thought. Cambridge: Sankar Muthu. Cambridge UP, 2012.

QUIJADA, Mônica. Modelos de interpretación sobre las independencias hispano-americanas. México: Consejo Nacional de Ciencia y Tecnología, Universidad Autónoma de Zacatecas, 2005.

RABGE, Alphonse; BOISJOLIN, Claude-Augustin Vieilh de; SAINT-PREUVE, François de. Biographie Universelle Et Portative Des Contemporains Ou Dictionnaire Historique Des Hommes Vivants Et Des Hommes Morts Depuis 1788 Jusqu’A Nos Jours, Qui Se Sont Fait Remarquer Par Leur Ecrits, Leurs Actions, Leurs Talents, Leurs. Paris: Chez l’Éditeur, 1836.

SCHIAVINATTO, Iara Lis. Educação Sensível. Memória, imagem e política no mundo luso-brasileiro. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2017. Tese de livre docência, cedida pela autora.

TOMICH, Dale, O Atlântico como espaço histórico. Estudos Afro-asiáticos, [s. l.], n. 2, p. 221-240, 2004.

VAZ, Francisco António Lourenço. Instrução e economia: as ideias económicas no discurso da ilustração portuguesa (1746-1820). Lisboa: Edições Colibri, 2002.

Publicado
2020-08-11
Como Citar
Ferreira, P. B. C. (2020). Civique de Gastine (1793-1822) no Correio do Rio de Janeiro: Pacto Colonial¸ Economia Política e as Independências da América. Estudos Ibero-Americanos, 46(2), e35177. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2020.2.35177
Seção
Imprensa, cultura e circulação de ideias