“Uma trilha para libertação de outros”

O (não) pertencimento em contos de Conceição Evaristo

Palavras-chave: vulnerabilidade, Narrador, Conto, Conceição Evaristo, Literatura afro-brasileira

Resumo

Este artigo se propõe a cartografar a ideia de (não-) pertencimento de personagens negros retratados no livro de contos Olhos d’água (2014), da escritora mineira Conceição Evaristo. Em nossas análises, privilegiaremos três contos da obra, “Duzu-Querença”, “O cooper de Cida” e “Ei, Ardoca”, nos quais se descortinam os matizes da obra, tais como o racismo, o silenciamento, o sofrimento, as dores, o anonimato, a violência e o suicídio. Intenciona-se fomentar o debate a respeito de como os caminhos são negados (ou, ao menos, dificultados) para sujeitos negros no seio da sociedade e, por outro lado, busca-se ressaltar o viés literário como espaço de visibilidade para seres anônimos reiteradamente cantonados.  De maneira mais detalhada, pretende-se observar aspectos da tessitura textual de Conceição Evaristo, notadamente no que diz respeito à constituição das vozes narrativas. Para isso, adotamos a perspectiva decolonial (Almeida, Césaire, Kilomba, Salgueiro), ressaltamos as reflexões em torno do feminismo negro (Akotirene, Kilomba, Ribeiro), da necropolítica (Mbembe), da presença dos negros na literatura feminina contemporânea (Dalcastagnè), além de percorrer obras literárias e entrevistas de Evaristo, além de críticas teóricas sobre sua obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Massoni da Rocha, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Doutora de língua francesa e de literaturas francófonas pela Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil; Mestre em Literaturas francófonas pela Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil. Professora no Instituto de Letras da UFF, com atuação na graduação e nas pós-graduações Lato Sensu e Stricto Sensu (Mestrado em Literaturas francófonas).

Luciely da Silva, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Graduanda em Letras (Português-francês) no Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil; bolsista de Iniciação Científica da CAPES.

Referências

ADICHIE, Chimamanda. O perigo da história única. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2019.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro: Pólen, 2019.

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro: Pólen, 2019.

ARRUDA, Aline. Corpo e erotismo nos contos de Olhos d’água. In: DUARTE, Constância et alii. Escrevivências: Identidades, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Editora Idea, 2016. p. 239-246.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1993. v. 1. (Obras escolhidas).

CONSTRUÇÃO. [Compositor e intérprete]: Chico Buarque. In: CONSTRUÇÃO. [Compositor e intérprete]: Chico Buarque. Brasil: Philips Records, 1971. Lado A, faixa 4.

CARMO, Michel Soares do. Subjetivação autônoma, independente e letrada: concepções contra-hegemônicas sobre linguagem em produções escritas de mulheres negras. Revista Estudos de sociologia, Araraquara, v. 23, n. 44, p. 255-269, 2018.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. São Paulo: Veneta, 2020.

DALCASTAGNÈ, Regina. Entre silêncios e estereótipos: relações raciais na literatura brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 31, p. 87-110, jan./jun. 2008 Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4846142. Acesso em: 10 nov. 2020.

LITERAFRO. Conceição Evaristo por Conceição Evaristo. Belo Horizonte, maio 2009. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/autoras/188-conceicao-evaristo. Acesso em: 6 mar. 2020.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2016.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. 3. ed. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

GOMES, Heloísa Toller. Prefácio – “Minha mãe sempre costurou a vida com fios de ferro”. In: EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2016a. p. 9-11.

GOMES, Heloísa Toller. Algumas palavras sobre a tessitura poética em Olhos d’água. In: DUARTE, Constância et alii. Escrevivências: Identidades, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Idea, 2016b. p. 235-238.

HUSTON, Nancy. A espécie fabuladora: um breve estudo sobre a humanidade. Tradução de Ilana Heineberg. Porto Alegre: L&PM, 2010.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação – episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LEAL, Marcelle Ferreira. Maria: entre pretas ações na Literatura brasileira. In: SANTOS, Ana Cristina dos (org.). Deslocamento, identidade e gênero na literatura latino-americana contemporânea. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2018. p. 77-98.

MBEMBE, Achile. Necropolítica. Revista Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, n. 32, p. 123-151, 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993/7169. Acesso em: 25 fev. 2021.

MOREIRA, Carlos André. Conceição Evaristo: Para dizer que temos democracia racial, a pessoa tem de ser alienada ou cínica. In: GZH. Porto Alegre, 18 maio 2018. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/livros/noticia/2018/05/conceicao-evaristo-para-dizer-que-temos-democracia-racial-a-pessoa-tem-de-ser-alienada-ou-cinica-cjhagfe8005rj01pa44crildm.html. Acesso em: 9 mar. 2020.

PEREIRA, Maria do Rosário. Representações femininas em ‘Duzu-Querença’ e ‘Olhos d’água’. In: DUARTE, Constância et alii. Escrevivências: Identidades, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Editora Idea, 2016. p. 247-256.

PIEDADE, Vilma. Dororidade. São Paulo: Editora Nós, 2017.

REBINSKI JUNIOR, Luiz. Radiografia da literatura brasileira – Entrevista com Regina Dalcastagnè. Cândido: Jornal da Biblioteca Pública do Paraná, Curitiba, 10 jan. 2020. Disponível em https://www.bpp.pr.gov.br/Candido/Pagina/Entrevista-Regina-Dalcastagne#. Acesso em: 25 fev. 2021.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ROCHA, Vanessa Massoni da. “‘Escrever é uma maneira de sangrar’: identidade pós-colonial no feminino em Conceição Evaristo e Simone Schwartz-Bart” In: SANTOS, Ana Cristina dos (org.). Deslocamento, identidade e gênero na literatura latino-americana contemporânea. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2018. p. 382-411.

SALGUEIRO, Maria Aparecida. Literatura negra feminina: diálogos transdisciplinares. In: BATALHA, Maria Cristina; ROCHA, Vanessa Massoni da (org.). Literatura, história e pós-colonialidade: vozes em diálogo. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2019. p. 115-127.

SANTANA, Tayrine; ZAPPAROLI, Alecsandra. Dez perguntas para Conceição Evaristo – “A escrevivência serve também para as pessoas pensarem”. In: ITAÚ Social. São Paulo, 9 nov. 2020. Disponível em: https://www.itausocial.org.br/noticias/conceicao-evaristo-a-escrevivencia-serve-tambem-para-as-pessoas-pensarem. Acesso em: 25 fev. 2021.

SARAMIN, Alessandra. Olhos d’água de Conceição Evaristo: a voz da mulher negra na corda bamba da tradução. 2019. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Espírito Santo; Dissertação (Mestrado em Língua e Literatura estrangeira do Curso LLEAP) – Veneza, Itália, 2019. Disponível em https://repositorio.ufes.br/bitstream/10/10996/1/tese_13143_Vers%C3%A3o%20Final%20-%20ALESSANDRA%20SARAMIN.pdf. Acesso em: 15 jan. 2021.

SCHWARCZ, Lilia. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2014.

TENÓRIO, Jeferson. O avesso da pele. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

VIEIRA JÚNIOR, Itamar. A oração do carrasco. Itabuna: Mondrongo, 2017.

WERNECK, Jurema. Introdução. In: EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2016. p. 13-14.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Rocha, V. M. da, & Silva, L. da. (2021). “Uma trilha para libertação de outros”: O (não) pertencimento em contos de Conceição Evaristo. Letras De Hoje, 56(2), 369-384. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2021.2.40484
Seção
O Conto Brasileiro Contemporâneo de Autoria Feminina