Gêneros discursivos e Crítica Genética

Pontos de contato

Palavras-chave: Gêneros discursivos, Crítica Genética, dados processuais, resenha

Resumo

Neste trabalho, propomos uma aproximação entre o conceito de gênero e a Crítica Genética, a partir da análise de dados do processo de construção de uma resenha escrita por uma dupla de estudantes universitários. A noção de gênero que adotamos é a de Bakhtin (2011), para quem gêneros são “tipos relativamente estáveis de enunciados” produzidos pelas esferas de utilização da língua. Para tratarmos da Crítica Genética, área da Literatura que dá ao texto a perspectiva do processo, recorremos, entre outros, a Salles (2000) e Biasi (2006). Assim como fazem os geneticistas, lançamos um olhar para o processo: o que nos interessa é o vir a ser e não apenas o produto. Nossas análises mostraram que dados processuais nos permitem chegar a detalhes muito específicos da construção do texto, os quais não teríamos acesso apenas com o texto pronto, como os motivos que levaram os estudantes a fazerem determinadas escolhas genéricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Helena de Melo Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Doutora em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora titular do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (DELL/UESB), campus de Vitória da Conquista. Docente do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Linguística da mesma instituição (PPGLIN/UESB).

Anne Carolline Dias Rocha Prado, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutoranda em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGLIN/UESB), campus de Vitória da Conquista. Bolsista do Programa Interno de Bolsas de Pós-Graduação da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Introdução e tradução de Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011a, p. 261-306.

BELLEMIN-NOËL, Jean. Reproduzir o manuscrito, apresentar os rascunhos, estabelecer um prototexto. Manuscrítica – Revista de Crítica Genética, São Paulo, APML, n. 4, p. 127-161, 1993.

BEZERRA, Lidiane de Morais Diógenes. O uso de operações linguístico-discursivas da crítica genética na reescritura de textos. 2013. 198f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.

BIASI, Pierre-Marc. A crítica genética. In: BERGEZ, Daniel et al. Métodos críticos para análise literária. Tradução de Olinda Maria Rodrigues Prata. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006, p. 1-43.

BRANDÃO, Roberto de Oliveira. Apresentação. In: ZULAR, Roberto (org.). Criação em processo: ensaios de crítica genética. São Paulo: Iluminuras, 2002, p. 9-12.

FIORIN, José Luiz. Linguagem e interdisciplinaridade. Alea, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 29-53, Jun. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517106X2008000100003&lng=en&nrm=-iso. Acesso em: 20 dez. 2020. https://doi.org/10.1590/S1517-106X2008000100003

KOCH, Ingedore G. Villaça. O texto e a construção dos sentidos. 10. ed. São Paulo: Contexto, 2013.

LIMA-SILVA, Ana Virgínia. A produção de resenha acadêmica no ensino superior. ReVeLe, n. 2, jan. 2011. https://doi.org/10.17851/2317-4242.2.0.1-13

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MOTTA-ROTH, Désirée; HENDGES, Graciela H. Resenha. In: MOTTA-ROTH, Désirée; HENDGES, Graciela H. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

PEREIRA, Márcia Helena de Melo. Tinha um gênero no meio do caminho. A relevância do gênero para a constituição do estilo em textos de escolares. 2005. 276f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem – Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2005.

PRADO, Anne Carolline Dias Rocha. Participação, negociação e escolhas: como acontece a escrita conjunta no processo de construção de uma resenha? 2019. 154f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, 2019.

ROMANELLI, Sergio. Uma gênese da crítica genética no Brasil: 1984-2014. Lo que los archivos cuentam, v. 2, p. 69-87, 2014.

SALLES, Cecília Almeida. Crítica genética: uma (nova) introdução. 2. ed. São Paulo: EDUC, 2000.

SALLES, Cecília Almeida. Crítica genética: fundamentos dos estudos genéticos sobre o processo de criação artística. 3. ed. revista. São Paulo: EDUC, 2008.

Publicado
2020-12-11
Como Citar
Pereira, M. H. de M., & Prado, A. C. D. R. (2020). Gêneros discursivos e Crítica Genética: Pontos de contato. Letras De Hoje, 55(3), e37213. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2020.3.37213
Seção
Seção Livre