Tecnologia e literatura: as narrativas transmediáticas

Palavras-chave: narrativas transmediáticas, média digitais, tecnologia e literatura, cultura tecnológica, circum-navegação tecnológica

Resumo

Foi o regime literário que produziu o Ocidente. No nosso tempo, todavia, o regime literário perdeu centralidade. Hoje, a cultura tem uma predominância  tecnológica, sendo através deste processo de mediação que se exprime, cada vez mais, a vida contemporânea. Com efeito, os novos territórios, paisagens, atmosferas e ambientes tecnológicos levaram as comunidades humanas a circum-navegar sites, portais, blogues, videojogos, aplicações, repositórios digitais, museus virtuais, e também realidades virtuais implantadas em ambientes imersivos. Um tal processo teve como consequência a multiplicação dos conteúdos e a convergência de formatos, plataformas informáticas e linguagens. O movimento de aparelhamento tecnológico da cultura expandiu a experiência humana. Podemos falar, nestas circunstâncias, de uma galáxia de novos fluxos, ressonâncias, ritmos, cadências, sonoridades, durações, vibrações, que permitem a abertura das comunidades humanas à configuração de novas possibilidades de futuro. Entretanto, a expansão da experiência humana abriu também a possibilidade de novas narrativas sobre o humano. A essas narrativas damos-lhe o nome de narrativas transmediáticas, por se apoiarem na convergência dos média digitais. Este estudo interroga as narrativas transmediáticas, que se desdobram através de múltiplas plataformas. Procuramos saber em que medida estas narrativas constituem uma escrita criativa e literária, uma escrita que não responda apenas a necessidades de gestão e de comunicação política, nem se esgote na repetição, adaptação e propagação da mesma história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, G. Moyens sans fin. Notes sur la politique. Paris: Payot & Rivages, 1995.

ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner. Procelária. In: ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner. Geografia. Lisboa: Assírio & Alvim, 2014. p. 35-43. https://doi.org/10.11606/d.8.2006.tde-24082007-152926

ARISTÓTELES. Éthique de Nicomaque. Tradução, Prefácio e Notas de Jean Voilquin. Paris: Garnier – Flammarion, 1965.

BAKHTIN, M. L’oeuvre de François Rabelais et la culture populaire au Moyen Age et sous la Renaissance. Paris: Gallimard, 1970.

BARTHES, R. Culture et tragédie. Essais sur la culture. Le Monde, Paris, p. 19, 4 abr. 1986. Disponível em: http://www.analitica.com/bitblio/barthes/culture. asp. Acesso em: 20 out. 2019.

BAUDRILLARD, J. Simulacres et Simulation. Paris: Galilée, 1981.

BORGES, J. L. The Unending Gift. In: BORGES, J. L. Elogio da sombra. Lisboa: Teorema, 1998. p. 386.(Obras Completas, v. 2 - 1952-1972).

CARVALHO, C. A. Moisés de Lemos Martins [entrevista]. Matrizes, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 93-106, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i1p93-106.Acesso em: 28 out. 2019.

DERRIDA, J. La structure, Ie signe et Ie jeu dans Ie discours des sciences humaines. In: DERRIDA, J. L‘écriture de la différence. Paris: Seuil, 1967. p. 409-428. https://doi.org/10.1017/s0012217300030778

D’ORS, E. Du baroque. Paris: Gallimard, 1968.

DURAND, G. Les Structures anthropologiques de l’imaginaire. Paris: Bordas, 1969.

DURAND, G. L’imagination symbolique. Paris: Presses Universitaires de France, 1964.

HEIDEGGER, M. La question de la technique. In: HEIDEGGER, M. Essais et conférences. Paris: Gallimard, 1988. p. 9-48).

HUGON, ST. Circumnavigations. L’imaginaire du voyage dans l’expérience Internet. Paris: CNRS Éditions, 2010.

JENKINS, H. Transmedia Storytelling: Moving characters from books to films to video games canmake them stronger and more compelling. Technology Review, [S. l.], p. [1-3], 2003 Disponível em: http://www.technologyreview.com/biomedicine/13052/page1/. Acesso em: 28 out. 2019.

JENKINS, H. Convergence Culture: Where old and new media collide. New York: New York University Press, 2006.

JOST, F. Novos comportamentos para antigas mídias ou antigos comportamentos para novas mídias? Matrizes, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 93-109, 2011.

JÜNGER, E. La mobilisation totale, in L’Etat Universel: suivi de La mobilisation totale. Paris: Gallimard, 1990.

KERCKHOVE, D. de A Pele da Cultura: Uma investigação sobre a nova realidade electrónica. Lisboa: Relógio D’Água, 1997.

KITTLER, Fr. Técnicas artísticas. In: CRUZ, M. T., Novos Média. Novas Práticas. Lisboa: Vega, 2011. p. 10-19.

KUHN, Th. The Structure of Scientific Revolutions. Chicago: University of Chicago Press, 1962.

LYOTARD, Fr. La Condition Post-moderne. Paris, Ed de Minuit, 1979.

MAFFESOLI, M. Le temps des tribus. Le déclin de l’individualismes dans les sociétés de masse. Paris: Méridiens, Klincksieck, 1988. https://doi.org/10.2307/40183349

MAFFESOLI, M. Au creux des apparences. Pour une éthique de l’esthétique. Paris: La Table Ronde, 1990.

MAFFESOLI, M. L’instant éternnel. Le retour du tragique dans les sociétés postmodernes. Paris: Denoël, 2000.

MAFFESOLI, M.; MARTINS, M. À propos de l’imaginaire des médias. Sociétés, Paris, v. 111, p. 5-9, 2011. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/23797. Acesso em: 30 out. 2019.

MANOVICH, L. The language of new media. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 2001.

MARINETTI, F. T. Manifesti Futuristi. In Luciano De Maria (ed.). Tommaso Marinetti e il Futurismo, classici moderni, collezione Oscar, Mondadori spa Milano, 1973. Ed. original: Figaro, 20 de fevereiro de 1909. Disponível em: http://www.classicitaliani.it/futurismo/manifesti/marinetti_fondazione.htm. Acesso em: 10 out. 2015. https://doi.org/10.3726/b15151

MARTINS, M. L. A biblioteca de Babel e a árvore do conhecimento. O Escritor, 11/12, 235-240, 1998. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/30068. Acesso em: 30 out. 2019.

MARTINS, M. L. O trágico na modernidade, Interact , Braga, POR, n. 5, p. 1-10, 2002a. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/1087. Acesso em: 24 out. 2019.

MARTINS, M. L. O trágico como imaginário da era mediática. Comunicação e Sociedade, Paris, v. 4, p. 73-79, 2002b. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/25340. Acesso em: 24 out. 2019. https://doi.org/10.17231/comsoc.4(2002).1265

MARTINS, M. L. De animais da promessa a animais em sofrimento de finalidade. O Escritor, Braga, POR, n. 18/20, p. 351-354, 2002c. Disponível em: http://hdl. handle.net/1822/1676. Acesso em: 28 out. 2019.

MARTINS, M. L. O quotidiano e os média. Todas As Letras, São Paulo, v. 5, n. 5, p. 97-105, 2003. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/23792. Acesso em: 28 out. 2019

MARTINS, M. L. Espaço público e vida privada. Revista Filosófica de Coimbra, Coimbra, n. 27, p. 157-172, 2005. Disponível em: http://hdl.handle. net/1822/23799. Acesso em: 30 set. 2019. https://doi.org/10.17231/comsoc.12(2007).1092

MARTINS, M. L. Nota introdutória. A época e as suas ideias. Comunicação e Sociedade, Paris, v. 12, p. 5-7, 2007a. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/24115. I:. Acesso em: 30 set. 2019.

MARTINS, M. L. La nouvelle érotique interactive. Sociétés, Paris, v. 96, n. 2, p. 21-27, 2007b. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/23767. https://doi.org/10.3917/soc.096.0021. Acesso em: 15 set. 2019.

MARTINS, M. L. Da utopia da comunicação à comunicação sem utopia. Metamorfoses no sistema e nas relações de comunicação nos últimos trinta anos em Portugal. In: TORRES, A.; BAPTISTA, A. (org.). Sociedades Contemporâneas: Reflexividade e Acção. Porto: Afrontamento, 2008. p. 153-161. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/1082. Acesso em: 22 set. 2019. https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v30n50p51-79

MARTINS, M. L. A mobilização infinita numa sociedade de meios sem fins. In: ÁLVARES, C; DAMÁSIO, M. (org.). Teorias e Práticas dos Media: Situando o Local no Global. Lisboa: Edições Lusófonas, 2010. p. 267-275. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/24250. Acesso em: 26 set. 2019.

MARTINS, M. L. Crise no castelo da cultura. Das estrelas para as telas. São Paulo: Annablume., 2011a. Disponível em: em http://hdl.handle.net/1822/29167. Acesso em: 24 set. 2019.

MARTINS, M. L. Médias et mélancolie: Le tragique, le baroque et le grotesque. Sociétés, Paris, v. 111, p. 17-25, 2011b. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/23866. https://doi.org/10.3917/soc.111.0017. Acesso em: 8 set. 2019.

MARTINS, M. L. Technologie et rêve d’humanité. Les Cahiers Européens de l’Imaginaire, [S. l.], v. 3, p. 56-61, 2011c. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/24245 Acesso em: 8 set. 2019.

MARTINS, M. L. O que podem as imagens. Trajecto do uno ao múltiplo. In: MARTINS, M. L.; MIRANDA, J. B.; OLIVEIRA, M.; GODINHO, J. (ed.). Imagem e pensamento. Coimbra: Grácio Editor/CECS, 2011d. p. 129-135. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/25345. Acesso em: 18 set. 2019.

MARTINS, M. L. Média digitais: hibridez, interactividade, multimodalidade. Revista de Comunicação e Linguagens, Lisboa, 43/44: 49-60, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/25606. Acesso em: 27 out. 2019. https://doi.org/10.3917/soc.111.0017

MARTINS, M. L. O corpo morto: mitos, ritos, superstições. Revista Lusófona de Estudos Culturais, Braga, POR, v. 1, n. 1, p. 109-134, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/29225. http://dx.doi.org/10.21814/rlec.11. Acesso em: 27 out. 2019.

MARTINS, M. L. Mélancolies de la mode. Le baroque, le grotesque et le tragique. Les Cahiers Européens de L’Imaginaire, [S. l.], v. 7, p. 114-119, 2015a. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/35333. Acesso em: 27 out. 2019.

MARTINS, M. L. Média digitais e lusofonia. In: M. L. Martins (ed.). Lusofonia e Multiculturalismo. Promessa e Travessia. Vila Nova de Famalicão: Húmus, 2015b. p. 27- 56. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/39698. Acesso em: 20 out. 2019.

MARTINS, M. L. Declinações trágicas, barrocas e grotescas na moda contemporânea. In: MARTINS, M. L.; Correia, M. L.; Vaz, P. B.; Antunes, E. (ed.). Figurações da morte nos média e na cultura: entre o estranho e o familiar. Braga: CECS, 2016. p. 187-205. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/43358. Acesso em: 18 out. 2019. https://doi.org/10.22533/at.ed.7841924041

MARTINS, M. L. Comunicação da ciência, acesso aberto do conhecimento e repositórios digitais. O futuro das comunidades lusófonas e ibero-americanas de Ciências Sociais e Humanas. In: M. L. MARTINS (ed.). A internacionalização das comunidades lusófonas e ibero-americanas de Ciências Sociais e Humanas: O caso das Ciências da Comunicação. Vila Nova de Famalicão: Húmus/CECS, 2017. p. 19-58. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/51039. Acesso em: 18 out. 2019. https://doi.org/10.17231/comsoc.34(2018).2937

MARTINS, M. L. Os países lusófonos e o desafio de uma circum-navegação tecnológica. Comunicação e Sociedade, Braga, POR, 34: 87-101, 2018.. Disponível em: http://hdl.handle.net/ 1822/57437. Acesso em: 18 set. 2019.

MARTINS, M. L.; CORREIA, M. L. (org.). Do Post ao Postal. Famalicão, Húmus., 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/35295. Acesso em: 18 set. 2019. https://doi.org/10.3917/soc.111.0163

MARTINS, M. L., OLIVEIRA, M.; CORREIA, M. L. Les images numériques s’imaginent l’archaïque: mettre en perspective les cartes postales. Sociétés, Paris, v. 111, p. 163- 177, 2011. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/23808. Acesso em: 18 set. 2019.

PERNIOLA, M. O Sex Appeal do Inorgânico. Ariadne: Lisboa, 2004.

ROSA, J. G. O Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

ROUSSET, J. La littérature de l’âge baroque en France: Circé et le Paon. Paris: Corti, 1953.

SALMON, Ch. Storytelling. La Machine à fabriquer des histories et à formater les esprits. Paris: La Découverte, 2007.

SCOLARI, C. A. Transmedia Storytelling. Implicit consumers, narrative worlds, and branding in contemporary media production.” International Journal of Communication, Los Angeles, CA, v. 3, p. 586-606, 2009.

SCOLARI, C. A. A construção de mundos possíveis se tornou um processo coletivo (entrevista). Matrizes, São Paulo, v.4, n. 2, p. 127-136, 2011.

SCOLARI, C. A. Narrativas Transmedia: Cuando todos los medios cuentan. Barcelona: Deusto, 2013. https://doi.org/10.26422/aucom.2013.0202.alba

SLOTERDIJK, P. La mobilisation infinie. Paris: Christian Bourgois Ed., 2000.

SODRÉ, M.; PAIVA, R. O império do grotesco. Rio de Janeiro: Ed. Mauad, 2002.

SOUSA, M. N. A Propagação de histórias através de múltiplos média: por um modelo conceptual de transmediação, adaptação e outros exercícios derivativos. 2018. 567 f. Tese (Doutoramento em Ciências da Comunicação da Comunicação) - Universidade do Minho, Braga, Portugal, 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/56395. Acesso em: 8 set. 2019. https://doi.org/10.18225/9788570131485.cap13

SOUSA, M. N.; ZAGALO, N.; MARTINS, M. L. “‘Eu também posso propagar histórias’. A adaptação e as narrativas transmediáticas na era da participação”. Comunicação e Sociedade, Braga, POR, v. 22, p.167-183, 2012. Disponível em: http://revistacomsoc.pt/index.php/comsoc/article/view/1280. Acesso em: 30 out. 2019. https://doi.org/10.17231/comsoc.22(2012).1280

SOUSA, M. N.; Martins, M. L.; ZAGALO, N. Transmedia storytelling: The roles and stakes of the different participants in the process of a convergent story, in divergent media and artefacts. In: LUGMAYR, A.; DAL Zotto, C. (ed.). Media convergence handbook. Berlin/ Heidelberg: Springer-Verlag, 2016. v. 2, p. 117-135. https://doi.org/10.1007/978-3-642-54487-3_7

STEINER, G. No Castelo do Barba Azul. Notas para a redefinição da cultura. Lisboa: Relógio d’Água, 1992.

VIRILIO, P. Entretien avec Paul Virilio. Le Monde del’Education, [S. l.], v. 294, n. 135-138, juil./août. 2001.

WASKO, J. Hollywood in the Information Age. Oxford: Polity Press, 1994.

WÖLFFLIN, H. Renacimiento y barroco. Barcelona: Paidós, 1991.

ZAGALO, N.; BRANCO, P. Nota introdutória. A nova revolução criativa. Comunicação e Sociedade, Braga, POR, v. 12, n. 2, p. 5-6, 2012. Acesso em: 18 set. 2019. http://dx.doi.org/10.17231/comsoc.22(2012).1270 .

Publicado
2020-04-28
Como Citar
Martins, M. de L. (2020). Tecnologia e literatura: as narrativas transmediáticas. Letras De Hoje, 55(1), e34786. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2020.1.34786
Seção
Qual é a amplitude da literatura quando a palavra literária se espalha pelas artes?