Iluminescências blanchotianas: o grotesco, o grito

  • Ricardo Jacobsen Gloeckner PUCRS
Palavras-chave: Blanchot, Escrita, Grotesco

Resumo

O texto pretende trazer a crítica do pensamento de Blanchot à ontologia fundamental de Heidegger e sua escrita da luminosidade. Para isso, recorre-se à escrita de Blanchot e sua incapacidade para ser medida a partir de uma métrica conceitual. A partir do que Blanchot denomina de grito tenta-se de superar a ontologia fundamental e a dialética, construindo uma escrita que rompa o que há de mais humano no homem, a linguagem. Também se procura traçar uma analogia desta descrita desafiadora com o que se convencionou chamar de grotesco na teoria estética, verificando como esta categoria permite, nas artes, a exemplo da escrita de Blanchot, escapar de uma estética da luminosidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Jacobsen Gloeckner, PUCRS
direito penal, direito
Publicado
2013-05-20
Como Citar
Gloeckner, R. J. (2013). Iluminescências blanchotianas: o grotesco, o grito. Letras De Hoje, 48(2), 215-222. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/fale/article/view/13066
Seção
Dez anos sem Maurice Blanchot