A reparação civil no abandono afetivo

  • Kedi Leticia Bagetti Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Responsabilidade Civil, Direito de Família, Princípio da Afetividade, Poder Familiar, Abandono parental.

Resumo

A concepção atual de família não respeita um modelo definido. A família contemporânea tem como pilar o afeto, pois é a partir daí que se formam seres humanos. As obrigações dos genitores pelo cuidado dos filhos e o direito/dever de convivência familiar decorrem do princípio da afetividade. A privação do filho, na condição de ser em desenvolvimento, da convivência com qualquer dos genitores pode ser capaz de gerar danos que nem o tempo é capaz de apagar, e o próprio direito garante que aquele que sofre um dano o por ato comissivo ou omisso de outrem, tem direito à reparação. É nesse contexto que surge a ideia da responsabilidade civil pelo abandono afetivo, matéria polêmica e que já vem sendo enfrentada pelos tribunais do país. Partindo do princípio da afetividade e pressupostos da responsabilidade civil, este artigo busca analisar a questão sob o aspecto teórico e prático, abordando os posicionamentos jurisprudenciais que envolvem o tema, que é de suma importância, objetivando traçar um caminho para que a situação não passe despercebida pelo Poder Judiciário e tampouco seja banalizada pelos operadores do direito.

Biografia do Autor

Kedi Leticia Bagetti, Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul
Direito Civil. Responsabilidade Civil.

Referências

AMARAL, Francisco. Direito civil: introdução. 6. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a constituição do novo modelo. São Paulo: Saraiva, 2009.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Disponível em:

www.stj.jus.br/docs_internet/informativos/RTF/Inf0269.rtf. Acesso em: 08 nov. 2015.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Terceira Turma. Recurso Especial n. 1159242/SP. Relator: Mina. Nancy Andrighi. Julgado em: 24 abr. 2012. Publicado em: 10 maio 2012. Disponível em:

https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/inteiroteor/?num_registro=200901937019&dt_publicacao=

/05/2012. Acesso em: 12 nov. 2015.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Quarta Turma. Recurso Especial n. 1298576/RJ. Relator: Min. Luis Felipe Salomão. Julgado em: 21 ago. 2012. Publicado em: 06 set. 2012. Disponível em:

https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/inteiroteor/?num_registro=201103061740&dt_publicacao=

/09/2012. Acesso em: 12 nov. 2015.

CASARIN, Nelson Elinton Fonseca. Família e a aprendizagem escolar. Porto Alegre, 2007.

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de responsabilidade civil. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

COMEL, Denise Damo. Do poder familiar. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

DANTAS, Heloysa. Do ato motor ao ato mental: a gênese da inteligência segundo Wallon. São Paulo: Summus, 1992.

DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. Porto Alegre: Revista dos Tribunais, 2009.

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: responsabilidade civil. 25. ed. São Paulo: Saraiva, 2011, v. 7.

DUARTE, Lenita Pacheco Lemos. A angústia das crianças diante dos desenlaces parentais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

FACHIN, Luiz Edson. Apreciação crítica do Código Civil de 2002 na perspectiva constitucional do direito civil contemporâneo. Revista Jurídica, n. 304, 2003.

FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Curso de direito civil: parte geral e LINDB. 10. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Juspodivm, 2012, v. 1.

FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Direito das famílias. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2008.

FONSECA, Antonio Cezar Lima da. Direitos da criança e do adolescente. São Paulo: Atlas, 2011.

GAMA, Guilherme Calmon Nogueira da. Princípios constitucionais do direito de família. São Paulo: Atlas, 2008.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: responsabilidade civil. São Paulo: Saraiva, 2012.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: parte geral. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2012, v. 1.

KAMINSKI, André Karst. O conselho tutelar, a criança e o ato infracional: proteção ou punição? Canoas: ULBRA, 2002.

LEITE, Eduardo de Oliveira. Famílias monoparentais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

LEAL, Angélica; ANDRADE, Patrícia. Infância e parlamento: guia para formação de frentes parlamentares da criança e do adolescente. Brasília: Senado Federal, Gabinete da Sen. Patrícia Saboya Gomes, 2005.

LÔBO, Paulo Luiz Netto. Direito civil: famílias. São Paulo: Saraiva, 2008.

MACIEL, Kátia Regina Ferreira Lobo Andrade (Coord.). Curso de direito da criança e do adolescente: aspectos teóricos e práticos. 5. ed. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2011.

MADALENO, Rolf. Curso de direito de família. 4. ed. Rio de Janeiro. Forense. 2011.

MADALENO, Rolf. Síndrome da alienação parental: a importância de sua detecção aspectos legais e processuais. Rio de Janeiro: Forense, 2013.

MADALENO, Rolf. Repensando o direito de família. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

PENA JÚNIOR, Moacir César. Direito das pessoas e das famílias: doutrina e jurisprudência. São Paulo: Saraiva, 2008.

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Princípio da afetividade: diversidade sexual e direito homoafetivo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

RIZZARDO, Arnaldo. Responsabilidade civil. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1998. 9. ed. rev. e atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

SILVA, Evandro Luiz. Guarda de filhos: aspectos psicológicos. Porto Alegre: Equilíbrio, 2005.

STOCO, Rui. Tratado de responsabilidade civil: doutrina e jurisprudência. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

TARTUCE, Flávio. Direito civil: lei de introdução e parte geral. 9. ed. rev. e atual. São Paulo: Método, 2013, v. I.

TARTUCE, Flávio. O princípio da afetividade no direito de família. Disponível em:

http://flaviotartuce.jusbrasil.com.br/artigos/121822540/o-principio-da-afetividade-no-direito-defamilia. Acesso em: 26 abr. 2016.

TAVARES, Adriana. A construção da autoestima: educar para crescer. São Paulo, 2013.

VECCHIATTI, Paulo Roberto Iotti. Manual da homoafetividade: possibilidade jurídica do casamento civil, da união estável e da adoção por casais homoafetivos. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2008.

Publicado
2016-01-03
Seção
Artigos