A construção de indicadores de qualidade social da educação superior

O caso dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia

Palavras-chave: educação superior, qualidade social da educação, indicadores de qualidade

Resumo

O objetivo desta investigação está na proposição de indicadores da qualidade social da educação superior no arranjo do contexto emergente dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Como estratégia metodológica, utilizamos da abordagem qualitativa apoiada pela pesquisa documental na investigação dos documentos institucionais e bibliográfica no reconhecimento do acúmulo teórico do campo das avaliações institucionais pelo viés dos estudos críticos. Os resultados da investigação indicam a forma complexa como o fenômeno da qualidade social da educação se apresenta no contexto emergente dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. A construção dos indicadores levou em consideração níveis internos e externos de dimensões estruturais próprias da instituição, a saber: Dimensão Política, Dimensão Social, Dimensão Institucional e Dimensão Pedagógica. A proposição colocada nesta investigação se mostra como uma possibilidade de entendimento da realidade institucional a partir de um olhar dos seus processos para além das métricas e dos índices estandardizados, considerando ainda a qualidade social da educação como um elemento imbricado a própria política educativa dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julian Silveira Diogo de Ávila Fontoura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), em São Leopoldo, RS, Brasil; mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professor do Departamento de Estudos Especializados na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Berenice Corsetti, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, RS, Brasil..
Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em Campinas, SP, Brasil; mestra em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISNOS), em São Leopoldo, RS, Brasil.

Referências

Azanha, J. M. (2004). Democratização do ensino: vicissitudes da ideia no ensino paulista. Educação e Pesquisa, 30(2), 335-344.

Ball, S. J. (2018). Política Educacional Global: reforma e lucro. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, 3, 1-15.

Beisiegel, C. R. (2006). A qualidade do ensino na escola pública. Líber Livro.

Brasil. (2010). Concepções e Diretrizes dos Institutos Federais: Um novo modelo de Educação Profissional e Tecnológica. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica.

Brasil. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras Providências. Diário Oficial da União. Recuperado em 25 maio, 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm

Brasil. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 26 maio, 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm

Brasil. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Diário Oficial da União. Recuperado em 22 maio, 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Campos, M. M. (2000). A qualidade da educação em debate. Cadernos do observatório: a educação brasileira na década de 90. Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Cavalcante, J. F. (2000). Educação Superior: conceitos, definições e classificações. INEP.

Cellard, A. (2008). A análise documental. In Poupart, J. et al., A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos (pp. 295-316). Vozes.

Cervo, A. L., & Bervian, P. A. (2002). Metodologia científica. Prentice Hall.

Chaves, O. P. (2009). La cuestión de la calidad de la educación. Boletín del Foro Latinoamericano de Políticas Educativas, (26), 1-11.

Corsetti, B. (2006). A análise documental no contexto da metodologia qualitativa: uma abordagem a partir da experiência de pesquisa do Programa de Pós- Graduação em Educação da UNISINOS. UNIrevista, 1(1), 32-46.

Dourado, L. D., Oliveira, J. F., & Santos, C. A. (2007). A Qualidade da Educação: conceitos e definições. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Série Documental Textos para Discussões.

Fávero, A. A., & Centenaro, J. B. (2019). A Pesquisa Documental nas Investigações de Políticas Educacionais: Potencialidades e Limites. Revista Contrapontos, 19(1), 170-184.

Figueiredo, A. de. M. (2014). O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RS: A construção de uma nova identidade [Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos]. Repositório Digital da Biblioteca da UNISINOS. http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/4178

Flach, S. de. F. (2012). Contribuições Para o Debate Sobre a Qualidade Social da Educação na Realidade Brasileira. Contexto & Educação, 27(87), 4-25.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. UEC.

Fontoura, J. (2018). A Gestão da Educação Superior em Contextos Emergentes: A Perspectiva dos Coordenadores dos Cursos Superiores de Tecnologia do IFRS – Campus Porto Alegre [Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul]. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da PUCRS. http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7967.

Fontoura, J. (2021). A Qualidade Social da Educação Superior no Contexto Emergente dos Institutos Federais: Uma Abordagem na Perspectiva da Política Pública [Tese de Doutorado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos]. Repositório Digital da Biblioteca da UNISINOS. http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/9788.

Franco, M. E. D. P. (2006). Políticas Educacionais (verbete). In Enciclopédia de Pedagogia Universitária: Glossário. INEP/Rede Sul Brasileira de Investigadores de Educação Superior.

Frigotto, G. (2001). O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In Fazenda, I. (Org.), Metodologia da pesquisa educacional (pp. 71-90). Cortez.

Fuentes, R. C., & Ferreira, L. S. (2017). Trabalho pedagógico: dimensões e possibilidade de práxis pedagógica, Perspectiva, 35(3), 722-737.

Gusmão, J. B. de. (2013). A construção da noção de qualidade da educação. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 21(79), 299-322.

Lück, H. (2009). Dimensões de gestão escolar e suas competências. Positivo.

Luckesi, C. (2018). Avaliação em Educação - Questões Epistemológicas e Práticas. Editora Cortez.

Mainardes, J. (2018). Uma pesquisa no campo da política educacional: perspectivas teórico-epistemológicas e o lugar do pluralismo. Revista Brasileira de Educação, 23, 1-20.

Marx, K. (2003). Contribuição à Crítica da Economia Política. 3. ed. Martins Fontes.

Marx, K. (2013). O Capital - Livro I crítica da economia política: O processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. Boitempo.

Minayo, M. C. de S. (2000). Conceito de Metodologia de Pesquisa. In Minayo, M. C. S. (Org.), Pesquisa social: teoria, método e criatividade (15. ed, pp. 9-31). Vozes.

Moraes, M. A. C. de. et al. (2013). O SINAES nos Institutos Federais: Adequação e Pertinência no Âmbito da Avaliação Institucional. Revista Brasileira da Educação Profissional Tecnológica, 1(6), 30-39.

Moraes, R. & Galiazzi, M. C. (2011). Análise Textual Discursiva. Editora Unijuí, 2011.

Morosini, M. C. (2014). Qualidade da Educação Superior e Contextos Emergentes. Avaliação, 19(2), 385-405.

Oliveira, R. P. (2007). Da universalização do ensino fundamental ao desafio da qualidade: uma análise histórica. Educação e Sociedade, 28(100), 661-690.

Oliveira, S., & Almeida, M. (2012). Educação para o mercado x educação para o mundo do trabalho: impasses e contradições. Revista Espaço Pedagógico, 16(2), 155-167.

Otranto, C. R. & Paiva. L. D. C. (2016). Contextos Identitários dos Institutos Federais no Brasil: Implicações da Expansão da Educação Superior. Educação e Fronteiras On-Line, 6(16), 7-20.

Pacheco, E. M. (2020). Desvendando os Institutos Federais: identidade e objetivos. Educação Profissional e Tecnológica em Revista, 4(1), 4-22.

Passone, E. F. K. (2013). Contribuições atuais sobre o estudo de implementação de políticas educacionais. Cadernos de Pesquisa, 43(149), 1-18.

Pereira, L. A. C. & Cruz, J. L. V. (2019). Os Institutos Federais e o Desempenho Regional: Interface Possível. Revista Holos, 4, 1-18.

Polidori, M. M. (2009). Políticas de avaliação da educação superior brasileira: Provão, SINAES, IDD, CPC, IGC e... outros índices. Avaliação, 14(2), 439-452.

Sander, B. (2007). Administração da Educação no Brasil: Genealogia do Conhecimento. Liber Livro.

Saviani, D. (2008). Escola e Democracia. Autores Associados.

Saviani, D. (2011). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Autores Associados.

Schneider, M. P. & Rostirola, C. R. Estado-Avaliador: reflexões sobre sua evolução no Brasil. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 31(3), 493-510.

Shiroma, E. O., Campos, R. F., & Garcia, R. M. C. (2005). Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos. Perspectiva, 23(2), 427-446.

Sierra, J. M. C. (Org.). (2012). Sistema Básico de Indicadores para la Educación Superior de América Latina. Editorial Universitat Politècnica de Valencia.

Silva, V. G. (2008). Por um sentido público da qualidade da educação [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo]. Digital Library USP. 10.11606/T.48.2008. tde-29012009-164507

Souza, A. R. de. (2016). A política educacional e seus objetos de estudo. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, 1(1), 75-89.

Tavares, M. G. & Matsumoto, F. M. (2012). Panorama geral da Escolas Agrotécnicas Federais após a Reforma da Educação Profissional (1997-2003). Educar em Revista, (43), 189-203.

Verger, A. (2019). A política educacional global: conceitos e marcos teóricos chave. Práxis Educativa, 14(1), 9-33.

Zatti, V. (2016). Institutos federais de educação: um novo paradigma em educação profissional e tecnológica? Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 11(3), 1461-1480.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Fontoura, J. S. D. de Ávila, & Corsetti, B. (2021). A construção de indicadores de qualidade social da educação superior: O caso dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Educação, 44(3), e40993. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2021.3.40993
Seção
Outros Temas