Currículo para a educação de primeira infância

Indicativos de internacionalização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.37021

Palavras-chave:

políticas curriculares, currículo, educação de infância, internacionalização

Resumo

O texto interroga as indicações das políticas educativas globais, protagonizadas pelos organismos internacionais, de formalização de currículos nacionais para crianças cada vez mais jovens. Aborda alguns dispositivos pelos quais essas indicações têm sido incorporadas nos textos curriculares e em demais ações na educação de primeira infância no Brasil. Tem como objetivo analisar se as reformas curriculares em curso no país estão mais inclinadas ao acolhimento da racionalidade neoliberal centrada em mudanças no campo da economia e no mercado global (internacionalização) ou nas especificidades sociais e culturais da primeira infância. Caracterizado como estudo exploratório, envolve pesquisa de documentos coletados em ambientes e repositórios digitais nacionais e internacionais diversos. O tratamento analítico considera a permeabilidade das políticas curriculares do sistema educacional brasileiro ao movimento global de internacionalização do currículo com forte inclinação à escolarização precoce na educação de primeira infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juares da Silva Thiesen, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutor em Ciências Pedagógicas pelo Instituto Central de Ciências Pedagógicas (ICCP), em Havana, Cuba (Revalidação no Brasil pela Universidade Federal de Santa Catarina [UFSC]); doutor em Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil. Pós-doutoramento na Universidade do Minho, em Braga, Portugal. Professor do Centro de Ciências da Educação da UFSC; professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) no mesmo Centro. Líder do grupo de pesquisa ITINERA e do Grupo de Estudos em Educação Integral de SC (GEEI.SC). Participa da Rede Brasileira Cidades que educam e Escolas socialmente justas, do Observatório do Ensino Médio de Santa Catarina e do Observatório Nacional de Educação Integral.

Zenilde Durli, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil. pós-doutoramento na Universidade do Minho, em Braga, Portugal. Professora Associada do Centro de Ciências da Educação (CED) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil. Professora aposentada do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/CED/UFSC). Integrante do Grupo de Pesquisa ITINERA na mesma instituição.

Referências

Aguiar, A. M. S. (2009). Estratégias educativas de internacionalização: uma revisão da literatura sociológica. Educação e Pesquisa, 35(1), 67-79. https://doi.org/10.1590/S1517-97022009000100005

Amorim, M. A. (2012). Educação dos brasileiros e o estrangeiro: breve histórico da internacionalização dos estudos no Brasil. Brasiliana Journal for Brazilian Studies, 1(1), 44-65. http://repositorio.fjp.mg.gov.br/handle/123456789/3459

Ball, S. J. (1994). Educational reform: a critical and post-structural approach. Open University Press.

Beech, J. (2012) Quem está passeando pelo jardim Global? Agências educacionais e transferência educacional. In R. Cowen, A. Kazamias, E. Unterhalter (Orgs.), Educação comparada: panorama internacional e perspectivas (pp. 413-435). UNESCO; CAPES. http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002177/217707por.pdf

Bloom, B. S. (1956). Taxonomy of educational objectives. David Mckay.

Brasil, Mec, Consed, & Undime. (2015). Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar: primeira versão. MEC; Consed; Undime.

Brasil, Mec, Consed, & Undime. (2016). Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar: segunda versão revista. MEC; Consed; Undime. http://historiadabncc.mec.gov.br/documentos/bncc-2versao.revista.pdf

Brasil, Mec, Consed, Undime, & Mpb. (2017). Base Nacional Comum Curricular: terceira versão. MEC; Consed; Undime; MPB.

Brasil. (2017). Portaria n° 1.570/2017. Homologa o Parecer CNE/CP nº 15/2017, do Conselho Pleno do Conselho Nacional de Educação e o Projeto de Resolução a ele anexo, instituem e orientam a implantação da Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Diário Oficial da União de 21/12/2017, Seção 1, p. 146.

Caetano, M. R. (2019). Discutindo o público e o privado nas políticas educacionais brasileiras: a BNCC em foco. In A. R. Santos, L. A. Coelho, J. M. S. Oliveira. Educação e movimentos sociais: análises e desafios (pp. 233-258, Série Movimentos Sociais e Educação, vol. 4). Paco Editorial.

Campos, R. F., Durli, Z., & Campos, R. (2019). BNCC e privatização da Educação Infantil: impactos na formação de professores. Retratos de Escola, 13(25). https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.962

Carvalho, R. S. (2016). O investimento na formação do cidadão do futuro: a aliança entre economia e educação infantil como estratégia de governamentabilidade contemporânea. Educação em Revista, 32(2), 229-253. https://doi.org/10.1590/0102-4698144920

Cheeseman, S., Press, F., & Sumsion, J. (2015). An encounter with ‘sayings’ of curriculum: Levinas and the formalisation of infants’ learning. Educational Philosophy and Theory, 47(8). 822-832. https://doi.org/10.1080/00131857.2014.940825

Cheeseman, S., & Sumsion, J. (2014). Infants of the knowledge economy: the ambition of the Australian Government’s Early Years Learning Framework. https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84904388259&doi=10.1080%2f14681366.2014.914967&partnerID=40&md5=12a47b1ec01c44b268abde6569d3b377

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal (M. Echalar, Trad.). Boitempo.

European Comission. (2014). Proposal for key principles of a quality framework for early childhood education and care. European Comission. http://ec.europa.eu/assets/eac/education/policy/strategicframework/archive/documents/ecec-quality-framework_en.pdf

European Commission. (2016). Structural indicators on early childhood education and care in Europe. Eurydice Report. Office of the European Union.

https://www.researchgate.net/publication/328611445_Structural_indicators_on_early_childhood_education_and_care_in_Europe_-_2016

Ferreira, M., & Tomás, C. (2018). O pré-escolar faz a diferença? Políticas educativas na educação de infância e práticas pedagógicas. Revista Portuguesa de Educação, 31(2), 68-84. https://doi.org/10.21814/rpe.14142

Freitas, L. C. (2018). A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. Expressão Popular.

Freitas, L. C. (2014). Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação e Sociedade, 35(129), 1085-1114. scielo.br/j/es/a/xm7bSyCfyKm64zWGNbdy4Gx/?lang=pt&format=pdf

Kuhlmann J. M. (2001). O jardim de infância e a educação das crianças pobres: final do século XIX, início do século XX. In C. Monarcha (Org.), Educação da infância brasileira: 1875-1983 (pp. 3-30, Coleção Educação Contemporânea). Autores Associados.

Libâneo, J. C. (2014). Internacionalização das políticas educacionais: elementos para uma análise pedagógica de orientações curriculares para o ensino fundamental e de propostas para a escola pública. In M. A. Silva, & C. Cunha (Org.), Educação Básica: políticas, avanços, pendências (pp. 13-56). Autores Associados.

Moss, P. (2015). Childhood, education and society at a time of deepening multiple crises. Investigar em Educação, 2(4), .9-24. http://pages.ie.uminho.pt/inved/index.php/ie/article/view/95/94

Oberhuemer, P. (2004). Bildungskonzepte für die frühen Jahre in internationaler Perspektive. In W. E. Fthenakis, & P. Oberhuemer, Frühpädagogik international (pp. 359-383). Springer VS.

Oberhuemer, P. (2005). International perspectives on early childhood curricula. https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-28444444651&doi=10.1007%2fBF03165830&partnerID=40&md5=2dacc4a1dacefd0d47b8f1ac35a61d19

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2017). Starting Strong 2017: Key OECD Indicators on Early Childhood Education and Care. OECD Publishing. http://dx.doi.org/10.1787/9789264276116-en

Organização Das Nações Unidas. (1989). Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança. ONU. https://www.ohchr.org/en/ professionalinterest/pages/crc.aspx

Organização Das Nações Unidas. (2015). Transformando Nosso Mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Traduzido pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio). https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf

Organização Das Nações Unidas. (2017). Conheça os novos 17 objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. https://nacoesunidas.org/conheca-os-novos17-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel-daonu

Organização Das Nações Unidas. (2018). ODS4. Educação de qualidade. https://nacoesunidas.org/pos2015/ods4

Plank, D., Daro, P., & Carmichael, S. B. (2016). Implementação da BNC: Lições do Common Core. Lemann Center at Stanford University. https://lemanncenter.stanford.edu/paper/base-nacional-comum-curricular-common-core-curriculum

Sahlberg, P. (2010). Rethinking accountability in a knowledge society. Journal of Educational Change, 11(1), 45-61. https://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.308.7621&rep=rep1&type=pdf

Samuelsson, I. P., Sheridan, S., & Williams, P. (2006). Five preschool curricula - comparative perspective. https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-65449172267&doi=10.1007%2fBF03165975&partnerID=40&md5=1db6287969e109d0c3791eaa52923a01

Sevilha, G. B. (2014). A internacionalização do ensino básico, suas motivações. [Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo]. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8131/tde-28112014-125104/pt-br.php

Silva, J. J. R., Lucena, C., & Ferreira, L. R. (2011). As relações entre o ensino médio e a educação superior no Brasil: profissionalização e privatização. Educação e Sociedade, 32(116), 839-856. https://doi.org/10.1590/S0101-73302011000300012

Silva, M. A. (2010). Organismos internacionais e a educação. In D. Oliveira, & A. C. Duarte, & L. F. Vieira (Org.), Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. UFMG. https://gestrado.net.br/dicionario-de-verbetes/

Souza, M. G. (2016). O Processo de Internacionalização Promovido pela Capes na Formação de Professores da Educação Básica [Dissertação de mestrado, URGS]. https://lume.ufrgs.br/handle/10183/151304

Thiesen, J. S. (2019a). Currículos da educação básica brasileira: convergências com o discurso educacional global em contextos de internacionalização. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 14(2), 420-36. https://doi.org/10.21723/riaee.v14i2.11306

Thiesen, J. S. (2019b).. Educação e Pesquisa, 45, 1-16. https://doi.org/10.1590/S1678-4634201945190038

Unesco. (2016). Educação 2030: Declaração de Incheon – rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Unesco. http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/education_2030_incheon_declaration_and_and_framework_for_ac/

Unesco. (2015a). Educação para a cidadania global: preparando alunos para os desafios do século XXI. Unesco. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000234311

Unesco. (2015b). Investing against evidence. The global state of early childhood care and education. Unesco. http://www.ibe.unesco.org/sites/default/files/resources/investing_against_evidence_pdf.jpg_.pdf

Wood, E. (2004). A new paradigm war? The impact of national curriculum policies on early childhood teachers’ thinking and classroom practice. https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s 2.0-2342424968&doi= 10.1016%2fj.tate.2004.02.014&partnerID=40&md5=1ead11af715f9bc4ad57065160e798ce.

Downloads

Publicado

2022-11-03

Como Citar

Thiesen, J. da S., & Durli, Z. (2022). Currículo para a educação de primeira infância: Indicativos de internacionalização. Educação, 45(1), e37021. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.37021