A relação escola-família nos documentos da política para a educação básica

que relação se induz?

Palavras-chave: Educação, Políticas Públicas, Relação escola-família

Resumo

A presente pesquisa analisou os tipos de relações escolas-famílias delineadas pelos documentos da política para a Educação Básica a partir da LDB No 9.394/96. O caminho metodológico teve como referência a análise arqueológica de Foucault, que busca profundidade, reconhece as posições e as funções que os sujeitos ocupam e procura definir as unidades, os conjuntos, as séries e os jogos de relações em um tecido documental. Os resultados apontam o movimento empresarial como um dos atores que estão influenciando a elaboração dos documentos e, dessa forma, trazem os valores de uma perspectiva de mercantilização para os processos da educação e das relações escolas-famílias. Uma relação que mobiliza as famílias a participarem da melhoria da qualidade da educação. Contudo, a qualidade é medida pela performance nos testes padronizados e, assim, cabe às famílias fiscalizarem o gerenciamento das performances mensuráveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Veiga Casanova, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC, Brasil.

Doutora em Educação e pesquisadora do Grupo de Pesquisa Contextos da Educação da Criança da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Professora do Colégio de Aplicação UNIVALI e da Rede Municipal de Ensino de Itajaí, SC, Brasil.

Valéria Silva Ferreira, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC, Brasil.

Professora da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Graduada em Pedagogia pela UNIVALI, mestrado em
Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e doutorado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP). Membro do Conselho Superior, coordenadora do Programa de Pós-Graduação e professora titular de Pedagogia da UNIVALI.

 

Referências

ABRUCIO, Fernando Luiz. O impacto do modelo gerencial na administração pública: Um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Cadernos ENAP, n. 10, 1997. Disponível em: <http://antigo.enap.gov.br/downloads/ec43ea4fAbrciocad%2010.pdf>.

ADRIÃO, Theresa; CAMARGO, Rubens Barbosa de. A gestão democrática na Constituição Federal de 1988. In: OLIVEIRA, Romualdo Portela de; ADRIÃO, Theresa. (Orgs.). Gestão, financiamento e direito à educação: análise da LDB e da Constituição Federal. São Paulo: Xamã, 2002. p. 69-78.

BALL, Stephen. Educação Global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Tradução Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BALL, Stephen. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 37-55, maio/ago. 2010.

BALL, Stephen. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa [online], v. 35, n. 126, p. 539-564, 2005.

BALL, Stephen. Novos Estados, nova governança e nova política educacional. In: APPLE, Michael W.; BALL, Stephen; GANDIN, Luís Armando. Sociologia da Educação: análise internacional. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 177-189.

BELL, Judith. Como realizar um projecto de investigação: um guia para a pesquisa em Ciências Sociais e da Educação. Lisboa: Gradiva, 1997.

BONDIOLI, Anna; SAVIO, Donatella. Participação e qualidade em educação da infância: percursos de compartilhamento reflexivo em contextos educativos. Tradução Luiz Ernani Fritoli. Curitiba: UFPR, 2013.

BRASIL. Decreto No 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 abr. 2007. Seção 1, n. 79, p. 5-6.

BRASIL. Lei Nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 26 jun. 2014a. Seção 1, n. 120-A, edição extra, p. 1-7.

BRASIL. Ministério da Administração e da Reforma de Estado. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília, DF: MARE, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Mobilização Social pela Educação: Acompanhem a vida escolar de seus filhos. 2014b. Disponível em: <http://mse.mec.gov.br/index.php/70-destaque-principal/cartilha/163-cartilha>. Acesso em 28 jan. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. Conselhos Escolares: Uma estratégia de gestão democrática da educação pública. Novembro de 2004b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Consescol/ce_gen.pdf>. Acesso em: 24 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Materiais de mobilização. 2015a. Disponível em: <http://mse.mec.gov.br/index.php/materiais-de-mobilizacao>. Acesso em: 28 jan. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Materiais de mobilização: Plano de mobilização social pela Educação. 2015b. Disponível em: <http://mse.mec.gov.br/images/stories/doc/plano%20de%20mobilizao%20social%20pela%20educao.doc>. Acesso em: 26 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Secretaria Executiva Adjunta. Plano de mobilização social pela educação relatório de atividades. 2008. Disponível em: <http://mse.mec.gov.br/images/stories/pdf/relatorio2008_2011corrigido.pdf>. Acesso em: 28 maio 2018.

BRASIL. Portaria Nº 2.896, de 16 de setembro de 2004. Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. 2004a. Disponível em: <https://www.fnde.gov.br/fndelegis/action/UrlPublicasAction.php>. Acesso em: 4 fev. 2016.

BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos. A reforma do Estado nos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Brasília: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1997.

CASTRO, Jane Margareth; REGATTIERI, Marilza. Interação escola-família: subsídios para práticas escolares. Brasília: UNESCO; MEC, 2009.

FERRAROTTO, Luana; MARAVASI, Maria Marcia Sigrist. A relação família-escola como alvo das atuais políticas educacionais: uma discussão necessária. Educação: Teoria & Prática, Rio Claro, v. 26, n. 52, p. 232-246, maio/ago. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.18675/1981-8106.vol26.n52.p232-246

FORTUNATI, Aldo. A educação infantil como projeto da comunidade. Crianças, educadores e pais nos novos serviços para a infância e a família. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

FOUCAULT, Michel. Não ao sexo rei. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Organização, introdução e Revisão Técnica Roberto Machado. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015. p. 344-362.

MACHADO, Cristiane; ALAVARSE, Ocimar Munhoz. Qualidade das escolas: tensões e potencialidades das avaliações externas. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 2, p. 413-436, abr./jun. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S2175-62362014000200005

MARCILIO, Maria Luiza. História da escola em São Paulo e no Brasil. 2. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Instituto Fernando Braudel de Economia Mundial, 2014.

NOGUEIRA, Maria Alice. A relação família-escola na contemporaneidade: fenômeno social/interrogações sociológicas. Análise Social, Lisboa, v. XL, n. 176, p. 563-578, 2005.

PARO, Vitor Henrique. O conselho de escola na democratização da gestão escolar. In: PARO, Vitor Henrique. Escritos sobre educação. São Paulo: Xamã, 2006. p. 79-90.

PERONI, Vera Maria Vidal. A gestão democrática da educação em tempos de parceria entre o público e o privado. Pro-Posições, Campinas, v. 23, n. 2(68), p. 19-31, maio/ago. 2012.

PERONI, Vera Maria Vidal. Breves considerações sobre a redefinição do papel do Estado. In: PERONI, Vera Maria Vidal. Política Educacional e Papel do Estado: no Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã, 2003. p. 21-134.

PERONI, Vera Maria Vidal. Diálogos sobre as redefinições no papel do Estado e nas fronteiras entre o público e o privado na educação. São Leopoldo: Oikos, 2015.

SHIROMA, Eneida Otto; MORAES, Maria Célia Marcondes de; EVANGELISTA, Olinda. Política Educacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SILVA, Pedro. Escola-família, uma relação armadilhada – Interculturalidade e relações de poder. Porto: Afrontamento, 2003.

Publicado
2021-09-16
Como Citar
Casanova, L. V., & Ferreira, V. S. (2021). A relação escola-família nos documentos da política para a educação básica: que relação se induz?. Educação, 44(2), e33803. https://doi.org/10.15448/1987-2582.2021.2.33803
Seção
Outros Temas