O legado da Educação Popular na formação da individualidade para si nas classes da Educação de Jovens e Adultos

Palavras-chave: Educação Popular, individualidade para si, Educação de Jovens e Adultos

Resumo

Este artigo delineia uma discussão teórica sobre a formação da individualidade para si na Educação de Jovens e Adultos, por meio de contribuições emanadas da Educação Popular. Entendendo a individualidade em si como a síntese espontânea das relações sociais e a individualidade para si como a síntese consciente de tais relações, apresentamos a individualidade para si como relevante possibilidade da formação do indivíduo da Educação de Jovens e Adultos, a partir da apropriação das produções humanas. Para tanto, lança-se mão de um retrospecto histórico, no sentido de melhor compreender os sentidos das iniciativas de Educação Popular e suas contribuições para a formação da individualidade para si nos educandos da Educação de Jovens e Adultos. Espera-se, com base nas construções deste texto, que os percursos já percorridos pela Educação de Jovens e Adultos, desde as iniciativas de Educação Popular até o momento atual de institucionalização da modalidade, contribuam com a promoção de uma Educação de Jovens e Adultos que possibilite, aos sujeitos sociais, o desenvolvimento de uma relação educativa consciente e não alienada consigo mesmos e com o mundo circundante, o que enseja a transição da individualidade em si para a individualidade para si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Luiza Luiza Ferreira Duques, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Candeias, BA, Brasil.

Doutoranda em Memória: Linguagem e Sociedade pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Mestra em Educação pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB — Campus I). Especialista em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela Faculdade de Guanambi (FG); Especialista em Educação a Distância pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB — Polo Brumado); Especialista em Gestão Educacional pela Faculdade Hélio Rocha e em Práticas Docentes Interdisciplinares pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB — Campus VI). Graduada em Pedagogia Docência e Gestão de Processos Educativos pela Universidade do Estado da Bahia (2009). Faz parte do Grupo de Pesquisa em Gestão, Organização e Políticas Públicas em Educação e do Grupo de Pesquisa em Educação, Religião, Cultura e Saúde (GEPERCS).

Cláudio Eduardo Félix dos Santos, niversidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Candeias, BA, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Professor adjunto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Docente do Programa de Pós-graduação em Memória: Linguagem e Sociedade pela UESB.

Referências

Arroyo, M. (2001). A educação de jovens e adultos em tempo de exclusão. Revista Alfabetização e Cidadania (11), 9-20. Recuperado de: https://aedmoodle.ufpa.br/pluginfile.php/178642/mod_resource/content/1/11.%20A%20EJA%20em%20tempos%20de%20exclus%C3%A3o.pdf

Brandão, C. R. (2002). A educação popular na escola cidadã. Petrópolis, RJ: Vozes.

Di Pierro, M. C. (2000). As políticas públicas de educação básica de jovens e adultos no Brasil do período 1985/1999 (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Duarte, N. (1999). A individualidade para-si: contribuição a uma teoria histórico-social da formação do indivíduo (2ª ed.). Campinas: Autores Associados.

Duarte, N. (2012). Crítica ao fetichismo da individualidade (2ª ed.). Campinas, SP: Autores Associados.

Duarte, N. (2013). A Pedagogia Histórico-crítica e a formação da individualidade para si. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, 5(2), 59-72. http://doi.org/10.9771/gmed.v5i2.9699

Duarte, N. (2013). A individualidade para si. Campinas, SP: Autores associados.

Fávero, O. (2003). Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos no Brasil de 1947 a 1966. Revista Cultural/SINPRO-Rio, 4(5), 04-19.

Freire, P. (1977). Educação como prática de liberdade. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2006). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa (34ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Gramsci, A. (1995). Concepção dialética da história (10ª ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Haddad, S; Di Pierro, M.C. (2000). Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, (14), 108-130. https://doi.org/10.1590/S1413-24782000000200007

Heller, A. (1991). Sociología de la vida cotidiana. Barcelona: Ediciones Península.

Heller, A. (2004). O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e terra.

Lukács, G. (1966). Estética: la peculiaridad de lo estético: cuestiones preliminares e de principio (2ª ed.). Barcelona: Grijalbo.

Paiva, V. P. (1983). Educação popular e educação de adultos. São Paulo: Loyola.

Saviani, D. (1982). Educação: do senso comum à consciência filosófica. São Paulo: Autores Associados.

Saviani, D. (2008). Escola e democracia. Edição comemorativa. Campinas: Autores Associados.

Saviani, D. (2011). Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações (11ª ed.). Campinas, SP: Autores Associados.

Saviani, D; Duarte, N. (2012). Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados.

Publicado
2021-09-16
Como Citar
Duques, M. L. L. F. ., & dos Santos, C. E. F. (2021). O legado da Educação Popular na formação da individualidade para si nas classes da Educação de Jovens e Adultos. Educação, 44(2), e33111. https://doi.org/10.15448/1987-2582.2021.2.33111
Seção
Outros Temas