Comparando discursos sobre educação continuada de professores entre Brasil e Argentina

Palavras-chave: educação continuada, análise de termos, comparação entre Brasil e Argentina

Resumo

Este trabalho é parte de projeto coletivo de pesquisa mais ampla sobre novos modelos de formação de professores com alguns objetivos abrangendo comparações do Brasil e países da América Latina. No decorrer da pesquisa surgiu uma questão intrigante, qual seja, as semelhanças e as diferenças no que se refere a discursos e práticas de formação continuada de professores. Neste artigo, portanto, focalizam-se intervenções que compuseram agendas políticas nessa área. Os dados foram obtidos por meio de entrevistas e de documentos representados por leis, normativas e projetos de formação. Destacam-se, nessas intervenções, os discursos, mas também algumas práticas decorrentes. Foram tomados como base de análise os termos utilizados no Brasil e na Argentina, tais como: formação em serviço e fora do serviço; aperfeiçoamento; capacitação; formação contínua; e educação continuada. Esses termos e suas variações são analisados nas relações com as agendas políticas das últimas décadas com suporte da concepção de que a comparação permite a compreensão de como são propostas tais ações em cada país. As análises decorrem do uso da concepção relacional com políticas internacionais e com perspectiva da sociologia da cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaine Gomes Matheus Furlan, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Araras, SP, Brasil.

Doutora em Educação pelo Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em São Paulo, SP, Brasil; professora e pesquisadora do Departamento de Ciências da Natureza, Educação e Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Araras, SP, Brasil.

Alda Junqueira Marin, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo, SP, Brasil.

Livre Docente em Didática pela Universidade Estadual Paulista (Unesp); professora e pesquisadora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Aguerrondo, I. (2004). Os desafios da política educacional relativos às reformas da formação docente. In Ofício de professor na América Latina e Caribe. Trabalhos apresentados na Conferência Regional O desempenho dos professores na América Latina e no Caribe: novas prioridades – Brasília, julho de 2002. Fundação Victor Civita.

Birgin, A. (2012). Introducción: La formación, ¿una varita mágica? In Birgin, A., Más allá de la capacitación: debates acerca de la formación docente en ejercicio (1ª ed.). Buenos Aires: Paidós.

Bourdieu, P. & Passeron, J. C. A. (1979). Comparabilidade dos sistemas de ensino. In Durand, J. C. G. (Org.), Educação e hegemonia de classe as funções ideológicas da escola (pp. 69-104). Rio de Janeiro: Zahar.

Boynard, A. P., Garcia, E. C., & Robert, M. I. (1972). A reforma do ensino - Lei 5692/1971. São Paulo: Livros Irradiantes.

Lei n. 4026 de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html

Lei n. 9394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Ley Federal de Educación n. 24.195 (1993). Ministerio de Cultura y Educación de la Nación. Consejo Federal de Cultura y Educación. Buenos Aires.

Ley Nacional de Educación n. 26 (2006). Ministerio de Cultura y Educación. Buenos Aires.

Decreto nº 6755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior-CAPES no fomento a programas de formação inicial e continuada, e dá outras providências. Brasília: Casa Civil da Presidência da República Federativa do Brasil/Subsecretaria para Assuntos Jurídicos. Diário Oficial da União. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6755.htm

Coraggio, J. L. (1996). Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In De Tommasi, L., Warde, M. J., & Haddad, S., O Banco Mundial e as políticas educacionais (pp. 75-123). São Paulo: Cortez Editora; Ação Educativa.

Davini, M. C. (1998). El curriculum de formación del magisterio. Planes de estudio y programas de enseñanza. Buenos Aires: Miño y Dávila Editores.

De Tommasi, L., Warde, M. J. & Haddad, S. (Orgs.). (1996). O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. São Paulo: Cortez.

Ferrer, F. (2002). La educación comparada actual. Barcelona: Ariel.

Gatti, B. A. & Barretto, E. S. S. (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2003). Estatísticas dos professores no Brasil. Brasília: Inep.

Marcelo, C. (1998, setembro/dezembro). Pesquisa sobre a formação de professores: o conhecimento sobre aprender a ensinar. Revista Brasileira de Educação, 9, 51-75. Recuperado de http://anped.tempsite.ws/novo_portal/rbe/rbedigital/rbde09/rbde09_06_carlos_marcelo.pdf

Marin, A. J. (1995). Educação continuada: introdução a uma análise de termos e concepções. Cadernos Cedes, 36, 13-20.

Marin, A. J. & Guarnieri, M. R. (1990). Educação continuada dos profissionais de ensino: estudo da participação da UNESP no convênio com a Secretaria da Educação. Anais do Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores, 1, 73-73.

Miranda, E. M. M. et al. (2006). Políticas de reforma del sistema educativo en los noventa: nuevas configuraciones emergentes a partir de la Ley Federal de Educación y su implementación en Córdoba. Cordoba: Ed. Brujas.

Resolución n. 09 (1990). Ministerio de Cultura y Educación de la Nación. Consejo Federal de Cultura y Educación. Buenos Aires.

Recomendación n. 21 (1992). Ministerio de Cultura y Educación de la Nación. Consejo Federal de Cultura y Educación. Buenos Aires.

Riquelme, G. et al. (1998). Políticas y sistemas de formación – Universidad Nacional de Buenos Aires. Formación de formadores – serie Los documentos n° 8. Buenos Aires.

Romanelli, O. O. (1995). História da Educação no Brasil (1930-1973). Petrópolis: Vozes.

São Paulo. (1975). Guias Curriculares Propostos para as Matérias do Núcleo Comum do Ensino de 1º Grau. São Paulo: Secretaria da Educação/SP.

Saviani, D. (1997). A nova lei da educação. Campinas: Autores Associados.

Shiroma, E. O., Moraes, M. C. M., & Evangelista, O. (2011). Política educacional (4ª ed.) Rio de Janeiro: Lamparina.

Serra, J. C. (2004). El campo de capacitación docente. Políticas y tensiones en el desarrollo profesional. Buenos Aires: Miño y Dávila Editores.

Torres, R. M. (1996). Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In De Tommasi, L., Warde, M. J., & Haddad, S. (Orgs.), O Banco Mundial e as Políticas Educacionais (pp. 125-193). São Paulo: Cortez.

Universidade de São Paulo. (2017). Declaração de Dakar. Educação para todos. 2000. In USP - Biblioteca Virtual de Direitos Humanos. Recuperado em outubro de 2017 de www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Direito-a-Educacao/declaracao-de-dakar.html

Viñao, A. (2000, julho/dezembro). Culturas escolares y reformas. Sobre la naturaleza histórica de los sistemas e instituciones educativas. Teias, Rio de Janeiro, 1(2), 99-133.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Furlan, E. G. M., & Marin, A. J. (2021). Comparando discursos sobre educação continuada de professores entre Brasil e Argentina. Educação, 44(1), e31445. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2021.1.31445
Seção
Outros Temas