O cultivo da singularidade como desafio para a formação humana

Palavras-chave: Formação humana. Cultura. Singularidade.

Resumo

Todo processo de formação humana está ancorado em pressupostos metafísicos que envolvem uma certa concepção de “humano” e de “subjetividade” as quais, em geral, inquestionadas, perpassam as diretrizes, parâmetros, currículos, métodos e “correntes” pedagógicas. Nosso objetivo neste artigo será colocar em questão algumas concepções cristalizadas de “humano”, “subjetividade” e “identidade”, a fim de recolocar o processo de formação humana como problema e como desafio – e um desafio que não mais se resuma à aplicação de um método pré-definido cuja finalidade seja a realização de um ideal de humanidade e subjetividade previamente estabelecido. Para isso, recorreremos aos conceitos de “cultura” e “singularidade” na obra de Nietzsche, bem como à concepção de “subjetividade” que implicam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Bogéa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ

Doutor e Mestre em Filosofia (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ, Brasil). Professor de Filosofia e Psicanálise na Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ.

Referências

Bieri, A. (2000). Os estilos em Nietzsche. O que nos faz pensar, n. 14, 121-144.

Britto, F. L. (2010). Sobre o conceito de Educação (Bildung) na Filosofia Moderna alemã. Educação on-Line (PUCRJ), 6, 1-14.

Descartes, R. (2001). Meditações Metafísicas. São Paulo: Abril.

Dias, R. (2012). Nietzsche: educador da humanidade. Revista Lampejo, n. 2, 10/2012, 10-16.

Do Valle, L. (2003). Teoria, determinação, complexidade: desafios da reflexão sobre educação. Trabalho, Educação e Saúde, 1(2), 185-201. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462003000200002

Do Valle, L. (2014). Para além do sujeito isolado. Revista Brasileira de Educação, 19(57), 495-512. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782014000200012

Duque-Estrada, P. C. (2010). Jamais se renuncia ao arquivo: notas sobre ‘Mal de Arquivo’ de Jacques Derrida. Natureza Humana, 12(2), 1-16.

Elias, N. (1994). O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Foucault, M. (2006). A Hermenêutica do Sujeito. São Paulo: Martins Fontes.

Marcondes, D. (2007). Iniciação à História da Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar

Muricy, K. (2000). Nietzsche, crítico da cultura. Revista Tempo Brasileiro, n. 143, 55-72.

Muricy, K. (2017) Ecce Homo: a autobiografia como gênero filosófico. Rio de Janeiro: Zazie Edições.

Nietzsche, F. (2005) Aurora. São Paulo: Cia das Letras.

Nietzsche, F. (2008) Da Utilidade e do Inconveniente da História para a Vida. São Paulo: Escala.

Nietzsche, F.(2008a). David Strauss: sectário e escritor. São Paulo: Escala

Nietzsche, F. (2003). Schopenhauer educador. In Escritos sobre Educação. (pp. 138-223). São Paulo: Loyola

Sanchez, L. (2008). Desconstruindo as concepções dominantes instituídas sobre o aluno. Travessias, 02(01), 1-12.

Santos, J. L. (2006). O que é cultura?. São Paulo: Brasiliense.

Suarez, R. (2005). Notas sobre o conceito de Bildung (Formação cultural). Kriterion, 46(112), 191-198. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-512X2005000200005

Publicado
2020-05-25
Como Citar
Bogéa, D. (2020). O cultivo da singularidade como desafio para a formação humana. Educação, 43(1), e29629. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.1.29629
Seção
Outros Temas