O Índice de Desenvolvimento Humano no Norte gaúcho

Os desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/2178-5694.2022.1.42888

Palavras-chave:

Norte Gaúcho, IDH, Políticas públicas, Gasto público, Partidos políticos

Resumo

O artigo analisa o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da região do Norte gaúcho entre 1991 e 2010. Baseado na literatura da Ciência Política, explora-se a possibilidade de que o gasto público e o bloco ideológico que comanda a prefeitura tenham papel importante no Índice de Desenvolvimento Humano das cidades estudadas. A pesquisa utiliza dados quantitativos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Os resultados indicam que houve uma melhora no IDH do Norte gaúcho no período estudado, além de maiores despesas nas áreas de educação, cultura, saneamento e saúde. Além disso, o aumento no gasto público é uma variável importante quando combinada com outros fatores no tocante ao desenvolvimento humano. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Michel Rebello, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Erechim, RS, Brasil.

Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professor Adjunto III da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS -Campus Erechim), em Erechim, RS, Brasil. 

Matheus Henrique Gomes Pereira, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Erechim, RS, Brasil.

Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS – Campus Erechim), em Erechim, RS, Brasil. 

Referências

Acemoglu, Daron, e James Robinson. 2012. Por Que as Nações Fracassam: As origens do poder, prosperidade e da pobreza. Rio de Janeiro: Elsevier

Alcantra, Manuel. 2004. Instituciones o máquinas Ideológicas? Origem, Programa e Organización de los partidos políticos latinoamericanos. Barcelona: ICPS.

Arvate, Paulo Roberto, George Avelino, e Claudio R. Lucinda. 2008. Existe Influência da Ideologia sobre o Resultado Fiscal dos Estados Brasileiros. Estudos Econômicos. Instituto de Pesquisas Econômicas 38: 789-814.

Avelar, Lúcia, e Maria Inez Walter. 2008. “Lentas mudanças: o voto e a política tradicional”. Opinião Pública 14 (1): 96-122.

Bresser-Pereira, Luís. 2014. “Desenvolvimento, progresso e crescimento econômico”. Lua Nova: Revista de Cultura e Politica 93: 33-60.

Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul. 2020. 5. ed. Porto Alegre: Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão. Acessado em 20 out. 2020. https://atlassocioeconomico.rs.gov.br/conselhos-regionais-de-desenvolvimento-coredes.

Coppedge, Michael. 1997. A Classification of Latin America Political Parties. Indiana: Kellogg Institute, University of Notre Dame. (Working Paper 244).

Draibe, Sonia Miriam. 2003. “A política social do governo FHC e o sistema de proteção social”. Tempo Social - Revista de Sociologia da USP 15 (2): 63-101.

Fabre, Valkirie, Fernando Scheffer, e Leonardo Flach. Ideologias políticas e gastos municipais em gestão ambiental: um estudo nas capitais brasileiras. I Congresso Internacional de Desempenho do Setor Público, 2017.

Giora, Gustavo. 2009. “Social Democracia Sem Keynes?!”, Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

GrzibowskI, Diego. 2019. “A influência da ideologia política na alocação nas despesas públicas por função governamental em municípios do RS”. Dissertação de mestrado, UFFS.

IBGE. 2020. IBGE Cidades. Acessado em 11 out. 2020. https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.html.

Kerstenetzky, Celia L. 2012. O estado de bem estar-social na idade da razão. Rio de Janeiro: Campus.

Klein, Fabio. 2012. “Elections and Fiscal Policy at Municipal Level in Brazil”. Tese de doutorado, FGV.

Krause, Silvana, Pedro Godoi. “Coligações eleitorais para os executivos estaduais (1986-2006): padrões e tendências”. In Politcs, Who Gets What, When, How, 41-98. Chicago: LLC, 1936.

MARENCO, André. 2017. “Burocracias Profissionais Ampliam Capacidade Estatal para Implementar Políticas? Governos, Burocratas e Legislação em Municípios Brasileiros”. Dados 60 (4): 1025-1058.

Marenco, André, e Maria Strohschoen. 2018. “¿Cada uno en su lugar? Un análisis de la producción científica sobre políticas públicas en el Brasil (1996-2016)”. Revista Estado abierto 3 (1): 47-76.

Miguel, Luis Felipe, org. 2010. Coligações partidárias na nova democracia brasileira: Perfis e tendências. Rio de Janeiro/São Paulo: Fundação Konrad Adenauer/UNESP.

Moreira, Maíra. 2015. “Partidos Políticos e políticas de assistência social nos municípios brasileiros”. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais.

Oliveira, Augusto. 2014. “Representação Programática em 16 Democracias Presidencialistas: América Latina, 2000-2010”. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). 2019. Acessado em 13 out. 2020. https://www.oecd.org/brazil.

Rebello, Maurício. 2012. “Ideologias partidárias no governo Lula: a percepção do eleitor”. Civitas 12 (2): 298-320.

Resende, Fernando. 2015. A política e a economia da despesa pública. Rio de Janeiro: FGV.

Rodrigues, Gilmar. 2010. “Partidos políticos e gastos públicos em Santa Catarina”. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina.

Samuelson, Paul, e, William Nordhaus. 2002. Economía. Madrid: McGaw-Hill, Santos, Fabiano, Cristiane Batista, e Steven Dutt-Ross. 2018. “Ideologia versus Sociologia na Política Estadual Brasileira”. Brazilian Journal of Political Economy 38: 670-689.

Sátyro, Natália. 2008. “Política e instituições e a dinâmica das políticas sociais nos estados brasileiros: uma análise após a redemocratização”. Tese de doutorado, IUPERJ.

Sátyro, Natália. 2013. “Política estadual e desigualdade: por que alguns estados brasileiros redistribuem mais do que outros?” Dados 56 (3): 497-530.

Secchi, Leonardo. 2013. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning,

Sen, Amartya. 2010. Desenvolvimento como liberdade. 1. ed. Companhia de bolso. São Paulo: Companhia das Letras.

Scheeffer, Fernando. 2018. “Ideologia e comportamento parlamentar na Câmara dos Deputados: faz sentido ainda falar em esquerda e direita?”. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina.

Souza, Celina. 2006. “Políticas públicas: uma revisão da literatura”. Sociologias (16): 20-45.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 2010. Atlas do Desenvolvimento Humano. Acessado em 13 out. 2020. http://www.atlasbrasil.org.br/ranking.

STN (Secretaria do Tesouro Nacional). 2020. Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro – Siconfi. Histórico das Declarações. Acessado em 13 out. 2020. https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/index.jsf;jsessionid=+me296aY-gubccMnRRuaRPOt.node3.

TSE (Tribunal Superior Eleitoral). 2020. Resultados eleitorais. Acessado em 13 out. 2020. https://resultados.tse.jus.br/oficial/#/eleicao;e=e427;uf=rs;mu=88013/resultados.

Downloads

Publicado

2022-11-21

Como Citar

Rebello, M. M., & Pereira, M. H. G. (2022). O Índice de Desenvolvimento Humano no Norte gaúcho: Os desafios. Conversas & Controvérsias, 9(1), e42888. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2022.1.42888