Deafspace no Ciberespaço

O uso das tecnologias digitais como ciberativismo por artistas surdos

Palavras-chave: Ciberativismo, Deafspace, Cultura visual, Culturas surdas, Ciberacontecimentos

Resumo

Atualmente cerca de 152 milhões de brasileiros usam a internet, sendo considerado o quinto país mais conectado à rede no mundo. Nesse mundo virtual, os surdos vêm se tornando um grupo cada vez mais usuário dessa ferramenta comunicacional. Aqueles que dominam somente a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como meio de comunicação – grande maioria – contam suas histórias e relatam suas visões de mundo a partir de uma modalidade linguística gesto- -visual, cuja principal forma de apreensão é a produção do texto imagético. Em geral, as línguas de sinais de cada país ainda são ágrafas, ou seja, não possuem uma forma de grafia consagrada, em parte por conta de sua tridimensionalidade. Desse modo, as redes sociais possibilitaram aos surdos o uso da língua de sinais não só na comunicação com seus pares, mas também na difusão do próprio movimento social em meio às pessoas não surdas. Assim, o presente artigo pretende traçar um debate entre o estudo das tecnologias digitais e o recente uso das redes sociais pelos artistas surdos na visibilidade do movimento social desse grupo através de suas produções artísticas. Para tal, utilizaremos o conceito do “espaço surdo” (deafspace) em diálogo com o ciberespaço e as possibilidades de se produzir ciberativismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Izabel dos Santos Garcia, Instituo Nacional de Educação de Surdos (INES), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutora em Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil, com pós-doutorado em Psicologia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), em Seropédica, RJ, Brasil. Chefe da Divisão de Estudos e Pesquisas e professora do Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Rebeca Garcia Cabral, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, Brasil.

Bacharel em Museologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Mestranda em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em Campinas, SP, Brasil. Membro-fundador da REDSurdos (Rede Latino Americana de Surdos) e membro-colaborador do Movimento De’VIA (Deaf View/Image Art).

Referências

Barbosa, Gilvia. 2012. Caracterização da Interação Social de Usuários Surdos em Redes Sociais Online: um Estudo de Caso no Orkut. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação do Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal de Minas Gerais.

Basso, Idavania. 2003. “Mídia e educação de surdos: transformações reais ou uma nova utopia?” Ponto de Vista 5: 113-28. https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/ article/view/1247/4246.

Bauman, Hansel. 2017. “DeafSpace: visão para uma arquitetura mais centrada no humano”. In Letramento visual e surdez, organizado por Tatiana Lebedeff, 48-67. Rio de Janeiro: Wak Editora.

Bataglin, Mayara. 2017. “As diferentes formas de constituição de subjetividades surdas: a arte e a experiência visual em questão”. In Letramento visual e surdez organizado por Tatiana Lebedeff, 200-25. Rio de Janeiro: Wak Editora.

Bataglin, Mayara. 2012. “Experiência visual e arte: elementos constituidores de subjetividades surdas”. Comunicação apresentada no IX ANPED SUL – Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, Caxias do Sul, 29 de julho a 01 de agosto. http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/919/757.

Canevacci, Massimo. 2001. Antropologia da Comunicação Visual. Rio de Janeiro: DP&A Editora.

Carvalho, Guilherme. 2018. “Redes sociais e influenciadores digitais: uma descrição das influências no comportamento de consumo digital”. Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, 11 (3): 288-99. http://www.revistapmkt.com.br/pt-br/anteriores/anteriores_v11n3.html.

Cassiano, Jefferson. 2016. “Fazer produzir e deixar consumar: as tecnologias de poder em Michel”. Ipseitas 2 (2): 154-77. http://www.revistaipseitas.ufscar.br/index.php/ ipseitas/article/view/95.

Costa, Mario. 1995. O sublime tecnológico. São Paulo: Experimento.

Deleuze, Gilles; Guattari, Félix. 2007. Mil Platôs – Capitalismo e Esquizofrenia (Volume 3). 3. reimp. São Paulo: Editora 34.

Deleuze, Gilles; Guattari, Félix. 2005. Mil Platôs – Capitalismo e Esquizofrenia (Volume 2). 3. reimp. São Paulo: Editora 34.

Foucault, Michel. 1988. “Technologies of the Self”. In Technologies of the self: a seminar with Michel Foucault, organizado por Luther Martin, 17-49. Amherst: University of Massachusetts Press.

Garcia, Maria Izabel. 2011. Movimento Social dos Surdos: interseções, atravessamentos e implicações. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Jenkins, Henry. 2009. Cultura da Convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph.

Jungblut, Airton. 2015. “Práticas ciberativistas, agência social e ciberacontecimentos”. Vivências – Revista de Antropologia 45: 13-22. https://periodicos.ufrn.br/vivencia/ article/view/8246.

Jungblut, Airton. 2011. “Ciberacontecimentos: reflexões etnográficas sobre o extraordinário no mundo on-line”. Civitas 11 (2): 361-72. https://revistaseletronicas. pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/9651/6623.

Lévy, Pierre. 2003. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34.

Lévy, Pierre. 2000. A Inteligência Coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Edições Loyola.

Lévy, Pierre. 1999. Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Meneses, Soraya. 2013. Educação inclusiva, tecnológica assistiva: as redes sociais promovendo a comunicação de pessoas com surdez. Até que ponto exclui ou inclui? Aracaju: Criação Editora.

Mirzoeff, Nicholas. 2003. Una introducción a la cultura visual. Buenos Aires: Paidós.

Recuero, Raquel. 2009. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina.

Santos, Natielly de Jesus. 2018. “O Slam do Corpo e a Representação da Poesia Surda”. Revista de Ciências Humanas 18 (2): 1-10. https://periodicos.ufv.br/RCH/article/view/8688.

Sodré, Muniz. 2002. Antropológica do Espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Editora Vozes.

Strobel, Karin. 2008. As imagens do outro sobre a “cultura surda”. Florianópolis: Editora da UFSC.

Sutton-Spence, Rachel; Carvalho Junior, Daltro; Felicio, Márcia; Machado, Fernanda; Leite, Tarcisio; Andrade, Betty; Boldo, Jaqueline. 2016. “Os Craques da Libras: a importância de um festival de folclore sinalizado”. Revista Sinalizar 1 (1): 78-92. https://doi.org/10.5216/rs.v1i1.35847.

Veraszto, Estéfano; Silva, Dirceu; Miranda, Nonato; Simon, Fernanda. 2008. “Tecnologia: buscando uma definição para o conceito”. Prisma.com – Revista de Ciência e Tecnologias de Informação e Comunicação 7: 60-85. https://ojs.letras.up.pt/index .php/prismacom/article/view/2065.

Yokote, Guilherme. 2014. O mundo dos nerds: imagens, consumo e interação. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Publicado
2022-03-08
Como Citar
Garcia, M. I. dos S., & Cabral, R. G. (2022). Deafspace no Ciberespaço: O uso das tecnologias digitais como ciberativismo por artistas surdos. Conversas & Controvérsias, 9(1), e42097. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2022.1.42097
Seção
Dossiê - Ação, Identidade e Redes no Ciberespaço