Elites jurídicas no Brasil

O caso do Tribunal de Segurança Nacional (1936-1945)

Palavras-chave: Estado Novo, Autoritarismo, Elites, Tribunal de Segurança Nacional

Resumo

Este trabalho pretende entender o perfil social dos juízes que compuseram o Tribunal de Segurança Nacional (1936-1945), buscando captar os recursos valorizados, adquiridos e mobilizados pelos agentes sociais; as estratégias; e os princípios de legitimação. A partir de dados recolhidos no Dicionário histórico-biográfico brasileiro (DHBB), estabeleço bases para comparação entre o perfil encontrado nesses juízes e os estudos notáveis acerca da elite da magistratura brasileira, a saber: Junqueira et al. (1997), Werneck Vianna et al. (1997), Bonelli (2001), Sadek (2006), Santos e da Ros (2008) e Oliveira (2012). 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Albuquerque Araujo, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Mestre em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil. 

Referências

Araujo, Ivan Albuquerque. 2019. “Pela ordem política e social”: discussão sobre a segurança nacional no primeiro governo Vargas (1930-1945). Rio de Janeiro: Dissertação de Mestrado, Departamento de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Arquivo nacional (Brasil). 1935. Fundo: Tribunal de Segurança Nacional. Rio de Janeiro: BR RJANRIO C8.

Barreto, Álvaro Augusto de Borba. 2004. “Representação das associações profissionais no Brasil: o debate dos anos 1930”. Revista Social e Política 22: 119-133. https://www.scielo.br/j/rsocp/a/PbWcfbQKt9X86NgFBswntSq/?format=pdf&lang=pt.

Bonelli, Maria da Glória. 2001. “Os desembargadores do TJSP, 1873-1997: Perfil social e construção da identidade profissional”. Revista Dados 44 (2). https://www.scielo.br/j/dados/a/h4MWTF3yTVMfp9dYrrR7j9h/?lang=pt#.

Bourdieu, Pierre. 2020. “Estratégias de reprodução e modos de dominação”. Revista Pós Ciências Sociais 17 (33): 21-36.

Brasil. 1934. Constituição Federal de 1934. Acessado em 24 jan. 2020, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm.

Brasil. 1937. Constituição Federal de 1937. Acessado em 24 jan. 2020, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. 1935. Lei nº 38/1935. Define crimes contra a ordem política e social. Acessado em 24 jan. 2020. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1930-1939/lei-38-4-abril-1935-397878-republicacao-77367-pl.html.

Brasil. 1935. Lei nº 136/1935. Modifica vários dispositivos da Lei n.º 38, de 4 de abril de 1935 e define novos crimes contra a ordem político social. Acessado em 24 jan. 2020. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1930-1939/lei-136-14-dezembro-1935-398009-publicacaooriginal-1-pl.html.

Brasil. 1936. Lei nº 244/1936. Institui, como orgão da Justiça Militar, o Tribunal de Segurança Nacional, que funccionará no Districto Federal sempre que for decretado o estado de guerra e dá outras providencias. Acessado em 24 jan. 2020, https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1930-1939/lei-244-11-setembro-1936-503407-publicacaooriginal-1-pl.html.

Brasil. 1938. Lei nº 431/1938. Define crimes contra a personalidade internacional, a estrutura e a segurança do Estado e contra a ordem social. Acessado em 24 jan. 2020, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/del0431.htm#:~:text=decreto%2dlei%20n%c2%ba%20431%2c%20de%2018%20de%20maio%20de%201938.&text=define%20crimes%20contra%20a%20personalidade,e%20contra%20a%20ordem%20social.

Britto, Ângela. 2011. “A Sala dos Detidos: atuação e ascensão da Polícia Política da Capital Federal Do Brasil,1920-1937”. Tese de Doutorado em História, PPHPBC, CPDOC/FGV.

Campos, Reynaldo Pompeu de. 1982. Repressão judicial no Estado Novo: esquerda e direita no banco dos réus. Rio de Janeiro: Achiamé.

Carneiro, Maria Luiza Tucci. 2014. “Os arquivos da Polícia Política brasileira: Intolerância, Repressão e Resistência”. In Presos Políticos e Perseguidos Estrangeiros na Era Vargas, organizado por Gonçalves, Leandro Pereira e Sarmiento, Érica, 13-32. Rio de Janeiro: Mauad Editora.

Carvalho, José Murilo de. 1996. A Construção da Ordem/Teatro de Sombras. Rio de Janeiro: Relume Dumara.

Comblin, Joseph. 1978. A ideologia da segurança nacional: o poder militar na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

D’Araujo, Maria Celina. 2010. Militares, democracia e desenvolvimento: Brasil e América do Sul. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Dal Ri Junior, Arno. 2013. “O Conceito de Segurança Nacional na Doutrina Jurídica brasileira: Usos e representações do Estado Novo à Ditadura Militar Brasileira (1935-85)”. Revista de Direitos fundamentais e democracia 14 (14): 525-543. https://revistaeletronicardfd.unibrasil.com.br/index.php/rdfd/article/view/466/357.

Junqueira, Elaine B, Vieira, José Ribas, Fonseca, e Maria Guadalupe P. 1997. Juízes: Retratos em preto e branco. São Paulo: letra capital editora, 1997.

Mourelle, Thiago Cavaliere. 2015. Guerra pelo poder. A Câmara dos Deputados confronta Vargas (1934-35). Rio de Janeiro: Dissertação de Mestrado, Programa de pós-graduação em história da Universidade Federal Fluminense.

Oliveira, Fabiana Luci de. 2012. STF: do autoritarismo à democracia. Rio de Janeiro: Elsevier.

Policzer, Pablo. 1998. “A polícia e a política de informações no Chile durante o governo Pinochet”. Revista Estudos Históricos 12 (22): 325-356.

Sadek, Maria Tereza. 2006. Magistrados: uma imagem em movimento. Rio de Janeiro: FGV.

Santos, André Marenco. dos; Da Ros, Luciano. 2008 “Caminhos que levam à Corte: carreiras e padrões de recrutamento dos ministros dos órgãos de cúpula do Poder Judiciário brasileiro (1829-2006)”. Revista de Sociologia e Política 16: 131-149.

Schinke, Vanessa Dornelles. 2016. Judiciário e autoritarismo: regime autoritário (1964-1985), democracia e permanências. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Silva Neto, Casimiro Pedro da. 2006. Década de 1930: os anos de incertezas: a origem da primeira Lei de Segurança Nacional. Brasília: Monografia, Câmara dos Deputados, Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento.

Stone, Lawrence. 1971. “Prosopography”. Revista Dædalus 100 (1): 46-79.

Werneck Vianna, Luiz, Carvalho, Maria Alice Rezende, Melo, Manuel Palacios Cunha, e Burgos, Marcelo Baumann. 1997. Corpo e Alma da Magistratura Brasileira. Rio de Janeiro: Editora Revan.

Publicado
2022-07-01
Como Citar
Araujo, I. A. (2022). Elites jurídicas no Brasil: O caso do Tribunal de Segurança Nacional (1936-1945). Conversas & Controvérsias, 9(1), e41589. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2022.1.41589
Seção
Dossiê – Sociologia das elites políticas