A emergência do feminismo para uma releitura da teoria política

Os direitos humanos das mulheres e o caso da mutilação genital feminina

Palavras-chave: Relações internacionais, Filosofia, Liberalismo, Realismo, Feminismo

Resumo

Abordam-se as contribuições da filosofia nas teorias de Relações Internacionais (RI). Qual o papel da filosofia nas teorias tradicionais e nas vozes dissidentes, como a teoria feminista? Quais as contribuições da filosofia para as mudanças que essas vozes buscam alcançar? Objetiva-se pesquisar as RI como disciplina acadêmica, a importância do estudo das teorias clássicas da filosofia e a necessidade de utilizar novas abordagens para lidar com a atualidade. A pesquisa é qualitativa e exploratória, por meio de material bibliográfico. O estudo da teoria feminista dentro das RI faz-se pela análise do caso da mutilação feminina por meio de Martha Nussbaum, dialogando com a proteção dos direitos humanos. Realiza-se um percurso pelas teorias das RI, chegando à nova abordagem feminista que, também, utiliza a filosofia para embasar seus estudos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Bruna de Oliveira Simões, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Mestre em Direitos Humanos pelo Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter), em Porto Alegre, RS, Brasil; advogada; doutoranda e bolsista Capes do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil

Rafaela Weber Mallmann, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Graduada em Direito pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), em Ijuí, RS, Brasil; mestranda e bolsista Capes/Proex do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil

Referências

Colling, Ana Maria. 2014. Tempos diferentes, discursos iguais: a construção do corpo feminino na história. Dourados: Ed. UFGD.

Diniz, Debora. 2001. “Antropologia e os limites dos direitos humanos: o dilema moral de Tashi”. In Antropologia e direitos humanos, organizado por Regina Reyes Novaes e Roberto Kant de Lima, 17-46. Rio de Janeiro: EdUFF.

Hobbes, Thomas. O Leviatã. Traduzido por João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. [s. l.]. http://www.dhnet.org.br/direitos/anthist/marcos/hdh_thomas_hobbes_leviatan.pdf

Jackson, Robert e Georg Sorensen. 2007. Introdução às relações internacionais: teorias e abordagens. Rio de Janeiro: Zahar.

Kant, Immanuel. 2008. A paz perpétua: um projeto filosófico. Traduzido por Artur Morão. Covilhã: LusoFia Press.

Kant, Immanuel. 2012. Observações sobre o sentimento do belo e do sublime. Edições 70, LDA, Lisboa: Edições 70.

Kubissa, Luisa Posada. 1992. “Cuando la razón práctica no es tan pura: Aportaciones e implicaciones de la hermenéutica feminista alemana actual: a propósito de Kant”. Isegoría 6: 17-36. https://doi.org/10.3989/isegoria.1992.i6.322.

Lafer, Celso. 2015. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras.

Locke, John. s.d. Segundo Tratado sobre o governo civil. [s. l.]: Clube do Libro Liberal. http://www.xr.pro.br/IF/LOCKE-Segundo_tratado_Sobre_O_Governo.pdf.

Mallmann, Maria Izabel. 2003. “Desafios ao estudo das relações internacionais”. In Paz e guerra em tempos de desordem, organizado por Maria Izabel Mallmann, 85-105. Porto Alegre: Edipucrs.

Maquiavel, Nicolau. s.d. O Príncipe. São Paulo: Escala.

Nussbaum, Martha. 2013. “Julgando outras culturas: o caso da mutilação genital”. In Teoria Política Feminista: textos centrais, organizado por Luis Felipe Miguel e Flavia Biroli. EDUFF.

Nussbaum, Martha. 2012. Las mujeres y el desarrollo humano. Barcelona: Herder Editorial.

Pecequilo, Cristina Soreanu. 2004. Introdução às relações internacionais: temas, atores e visões. Petrópolis: Vozes.

Silva, Andréia Rosenir da. 2016. A construção de gênero no âmbito das relações internacionais: direitos humanos das mulheres e a necessidade de instrumentos eficazes a sua consolidação. Ijuí: Ed. Unijuí.

UNFPA. Situação da população mundial 2020. Contra minha vontade: desafiando as práticas que prejudicam mulheres e meninas, e impedem a igualdade. Acessado em 20 dez. 2020, https://brazil.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/situacao_da_populacao_mundial_2020-unfpa.pdf.

Villarmea, Stella. 2004. “En el corazón de la libertad: el universalismo kantiano desde una aproximación de género”. Éndoxa: Series Filosóficas 18: 321-336.

Publicado
2021-08-06
Como Citar
Simões, B. B. de O., & Mallmann, R. W. (2021). A emergência do feminismo para uma releitura da teoria política: Os direitos humanos das mulheres e o caso da mutilação genital feminina. Conversas & Controvérsias, 8(1), e40092. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2021.1.40092
Seção
Dossiê - Filosofia Política e Relações Internacionais