O poder das ideias

A teoria construtivista como um paradigma alternativo nas Relações Internacionais

Palavras-chave: Construtivismo, Relações Internacionais, Anarquia, Identidade

Resumo

O objetivo principal deste artigo é discutir as principais contribuições da Teoria Construtivista enquanto uma abordagem teórica alternativa às escolas clássicas de Relações Internacionais. Primeiramente, é realizada uma breve contextualização histórica e acadêmica do surgimento da teoria, ocorrido em um contexto de mudança da ordem bipolar no Sistema Internacional. Em seguida, é feita uma revisão teórica sobre as definições construtivistas de alguns dos principais conceitos das Relações Internacionais, tais como anarquia, identidade e interesses. Finalmente, argumenta-se que o Construtivismo consiste em uma opção viável não apenas para a análise de acontecimentos no final da Guerra Fria, mas também acerca de fenômenos contemporâneos como a crise do modelo clássico de democracia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Rocha de Carvalho, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutorando em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Bolsista Capes.

Referências

Adler, Emanuel. 1999. “O Construtivismo no Estudo das Relações Internacionais”. Lua Nova – Revista de Cultura e Política, 47: 201-246.. https://doi.org/10.1590/S010264451999000200011

Barnett, Michael. 2008. “Social Constructivism”. In The Globalization of World Politics: an Introduction to International Relations. John Baylis, Steve Smith, 251-269. Oxford: Oxford University Press.

Barros, Mariana de Oliveira. 2006. “Constructivism in international relations, the politics of reality”. Revista Contexto Internacional 28, 01: 259-267. https://doi.org/10.1590/S0102-85292006000100005

Berger, Peter. 1966. “Identity as a Problem in the Sociology of Knowledge”. European Journal of Sociology 07, 01: 105-115. https://doi.org/10.1017/S0003975600001351

Gecas, Viktor. 1982. “The Self-Concept”. Annual Review of Sociology 8: 1-33. https://doi.org/10.1146/annurev.so.08.080182.000245

Jackson, Robert; Sorensen, Georg. 2006. Introduction to International Relations Theories and Approaches. Oxford: Oxford University Press.

Levitsky, Steven; Ziblatt, Daniel. 2018. Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Zahar. Nye, Joseph S. 1987. “Nuclear learning and U.S.-Soviet security regimes”. International Organization 41, 3: 371-402. https://doi.org/10.1017/S0020818300027521

Onuf, Nicholas. 1998. “Constructivism: A User’s Manual”. In International Relations in a Constructed World. Kubálková, Vendulka; Onuf, Nicholas; Kowert, Paul.

Armonk: M. E. Sharpe. Waltz, Kenneth N. 1979. Theory of International Politics. Reading: Addison-Wesley Publishing Company.

Wendt, Alexander. 1992. “Anarchy is what States Make of It”. International Organization. Cambridge 46, 2: 391 425. https://doi.org/10.1017/S0020818300027764

Wendt, Alexander. 1995. “Constructing International Politics”. International Security 20, 01: 71-81. https://doi.org/10.2307/2539217

Wendt, Alexander. 1999. Social Theory of International Politics. Cambridge: Cambridge University Press.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Rocha de Carvalho, F. (2020). O poder das ideias: A teoria construtivista como um paradigma alternativo nas Relações Internacionais. Conversas & Controvérsias, 7(2), e39115. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2020.2.39115
Seção
Artigos Livres