Arquivos de experiência: entre encontros narrativos com juventudes e as aventuras do trabalhar nas políticas publicas

Palavras-chave: Juventude, políticas públicas, psicologia, poder, encontro narrativo.

Resumo

Este estudo discute o trabalho em ações de formação e atenção a jovens usuários/as de políticas públicas de educação, saúde e direitos humanos, na cidade de Porto Alegre. Analisa os modos de enunciação da vida juvenil no encontro com os saberes gerados nas práticas profissionais, a partir da problematização das noções de poder, afeto, corpo e encontro. Esta experiência, assim como a atual situação das políticas públicas na sociedade brasileira, colocou importantes reflexões  sobre as relações de poder que governam estas políticas e os modos de intervir no âmbito da psicologia. A partir da cartografia, produzimos narrativas no acompanhamento do percurso de experimentação de nosso trabalho com jovens, enfatizando o que chamamos de encontro narrativo, como forma de   contar a experiência  de disputa  entre a vida e morte,  com afetações  que contagiam, narram e resistem entres saberes, fazeres e modos de ser.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Genesini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS

Mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, Porto Alegre, RS Brasil), psicóloga na rede de atenção à juventude em Porto Alegre, RS.

Gislei Domingas Lazzarotto, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, Porto Alegre, RS Brasil), professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, RS.

Jaqueline Tittoni, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS.

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, Porto Alegre, RS Brasil), professora Adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, RS.

Referências

Barone, Luciana Rodrigues. 2017. “Convidando a clínica a dançar: um ensaio cartográfico da saúde mental na atenção básica.” Dissertação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Battistelli, Bruna Moraes. 2017. “Carta-Grafias: Entre Cuidado, Pesquisa e Acolhimento.” Dissertação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Bento, Maria Aparecida. “Branqueamento e branquitude no Brasil”, In Psicologia social do racismo: Estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil, ed. by I. Carone,I. e M. A. Bento, 2558. Petrópolis, RJ: Vozes.

Brasil. Presidência da República. Secretaria de Governo. 2017. “Índice de vulnerabilidade juvenil à violência 2017: desigualdade racial, municípios com mais de 100 mil habitantes.” São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Caetano, Carla Lavarda Concentino, Andrea Cristina Coelho Scisleski, e Giovana Barbieri Galeno. 2019. “O pesquisador como testemunha da vida da juventude infame.” Atheneia Digital 19 (1):1-22.

De Matos, Maria Izilda Santos e Rachel Sohiet. 2003. O corpo feminino em debate. São Paulo: Unesp.

Deleuze, Gilles e Félix Guattari. 1995. “Introdução: rizoma.”, In Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, 11-37.

Deleuze, Gilles. 1997. “Crítica e Clínica.” Critica-Revista Hispanoamericana de Filosofia.

Dutra, Júlia. 2012. “Mergulhos de uma psicologia no acompanhamento juvenil: uma clínica porvir?” Dissertação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Foucault, Michel. 1987. “Vigiar e punir: história das violências nas prisões”. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. 1997. “A arqueologia do saber”. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel. 2002. Aula de 17 de Março de 1976. Em Defesa Da Sociedade.

Foucault, Michel. 2003. “Arqueologia do saber: vida dos homens infames.”, In Estratégia, poder-saber. Ditos e escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 203-222.

Genesini, Ana Paula. 2018. “Percursos entre afectos e corpos: a criação de arquivos de experiência através de encontros narrativos com a juventude”. Dissertação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Lazzarotto, Gislei Domingas Romanzini. 2014. “Medidas Socioeducativas: Cartas Ao Reinado Do Saber.” Psicologia Em Estudo 19 (3): 503–14. https://doi.org/10.1590/1413-73725000313.

Nogueira, Isildinha Baptista. 1998. “Significações Do Corpo Negro.” Tese. Universidade de São Paulo.

Nonato, Murillo Nascimento. 2013. “A imprensa gay no Brasil: um reforço do comportamento heteronormativo e produção de corpos abjetos.” www.academia.edu/4934602/A_imprensa_gay_no_Brasil_um_refor%C3%A7o_do_comportamento_heteronormativo_e_produ%C3%A7%C3%A3o_de_corpos_abjetos

Passos, Eduardo, Virgínia Kastrup e Liliana Escóssia. 2015. “Pistas do método da Cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade.” Porto Alegre: Sulina.

Passos, Eduardo e Regina Benevides. 2015. “Por uma política da narratividade.” In Pistas do método da Cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade, ed. by Eduardo Passos, Virgínia Kastrup e Liliana Escóssia, 150-171. Porto Alegre: Sulina.

Pesquisa, IPEA - Instituto de. 2018. “Atlas Da Violência 2018.” IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada 126 (1): 21. https://doi.org/.1037//0033-2909.I26.1.78.

Pozzana, Laura. 2013. “A Formação Do Cartógrafo é o Mundo: Corporificação e Afetabilidade.” Fractal : Revista de Psicologia 25 (2): 323–38. https://doi.org/10.1590/s1984-02922013000200007.

Rolnik, Suely. 1993. “Pensamento, corpo e devir: uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico.” Cadernos de Subjetividade. 241-51. São Paulo: PUC.

Silva, Cíntia Vieira da. 2013. Corpo e Pensamento: Alianças Conceituais Entre Deleuze e Espinosa. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Soares, Lissandra Vieira. 2017. “Tem que ficar de olho: trajetórias de mulheres negras acompanhadas pelos serviços da política de proteção social? Uma perspectiva intersetorial.” Dissertação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Publicado
2020-08-20
Como Citar
Genesini, A. P., Lazzarotto, G. D., & Tittoni, J. (2020). Arquivos de experiência: entre encontros narrativos com juventudes e as aventuras do trabalhar nas políticas publicas. Conversas & Controvérsias, 7(1), e35412. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2020.1.35412
Seção
Dossiê - Juventudes, participação e políticas públicas