Interseccionalidades, direitos e políticas

Palavras-chave: Interseccionalidades, Feminismos negros, Epistemologia feminista

Resumo

A noção de interseccionalidades emerge da experiência política de feminismos negros e pauta as dinâmicas entrecruzadas que estão na base de desigualdades sociais como gênero, raça, sexualidades e classe. Dessa perspectiva, ela é tomada como uma possibilidade de produzir teoria e para se questionar analiticamente diversas experiências e contextos, gerando novas lições acerca dos processos de dominação. Além de uma ferramenta metodológica central; nas vivências e ações políticas, se apresenta como um campo aberto de resistências às narrativas e práticas hegemônicas ocidentais. Neste texto, apresentamos os artigos que compõem o Dossiê Interseccionalidades, direitos e políticas, com atenção à diversidade de abordagens e contribuições que permitem expandir a densidade dos fundamentos epistemológicos nas ciências sociais, como na práxis política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miriam Steffen Vieira, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, RS, Brasil.

Doutora em Antropologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), em Porto Alegre, RS, Brasil; docente da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo, RS, Brasil e da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), em Praia, Ilha de Santiago, Arquipélago de Cabo Verde.

Eufémia Vicente Rocha, Universidade do Cabo Verde (Uni-CV), Praia, Ilha de Santiago, Arquipélago de Cabo Verde.

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), em Praia, Ilha de Santiago, Arquipélago de Cabo Verde e docente na mesma instituição.

Referências

Brah, Avtar. 2006. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu 26: 329-376. https://doi.org/10.1590/S0104-83332006000100014.

Connell, Raewyn. 2016. Gênero em termos reais. São Paulo: nVersos.

hooks, bell. 2015. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política 16: 193-210. https://doi.org/10.1590/0103-335220151608.

Lugones, María. 2008. Colonialidad y género. Tabula Rasa 9: 73-101. https://doi.org/10.25058/20112742.340.

Mohanty, Chandra. 2008. Bajo los ojos de Occidente. Academia feminista y discursos coloniales. In Descolonizando el feminismo: teorías y prácticas desde los márgenes, organizado por Liliana Suárez Navaz y Aída Hernández, 117-163. Madrid: Cátedra.

Vianna, Adriana e Laura Lowenkron. 2017. O duplo fazer do gênero e do Estado: interconexões, materialidades e linguagens. Cadernos Pagu 51: e175101. https://doi.org/10.1590/18094449201700510001.

Viveros Vigoya, Mara. 2018. As cores da masculinidade. Experiências interseccionais e práticas de poder na nossa América. Rio de Janeiro: Papeis Selvagens.

Publicado
2021-12-07
Como Citar
Vieira, M. S., & Rocha, E. V. (2021). Interseccionalidades, direitos e políticas. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(3), 356-358. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.3.42000