Submissões

O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • O texto segue os requisitos de formatação da revista segundo as "Diretrizes para Autores", encontradas na seção "Submissões".

Diretrizes para Autores

Os arquivos encaminhados para a submissão estão em formato aberto de texto.

O texto contém título, resumos e palavras-chave nas línguas indicadas pelo periódico (inglês, português e espanhol). Se houver texto escrito originalmente em outra língua estrangeira, deve conter títulos, resumos e palavras-chave em Português e nas línguas da interface da revista. Resumos podem ter até 1.000 caracteres e neles são sintetizados os propósitos, métodos e conclusões do trabalho. Palavras-chave podem ser entre três e cinco, separadas por ponto e com a primeira inicial em letra maiúscula. Textos podem ter um total de até 40.000 caracteres, incluídos os espaços.

As informações sobre os autores devem conter os seguintes dados: nome completo com a grafia correta; ORCID (ver: orcid.org); afiliação: instituição, cidade, estado e país (em nenhum caso as afiliações devem vir acompanhadas das titulações ou minicurrículos dos autores. Estes, quando presentes, devem ser publicados separadamente das afiliações como notas do autor). e-mail; endereço postal físico completo do autor correspondente, podendo ser o institucional, disposto no final do artigo; fonte de financiamento da pesquisa (se houver); potenciais conflitos de interesse (se houver).

Figuras e tabelas devem ter seu lugar indicado no texto e ser enviadas em arquivo à parte, com identificação de programa e versão.

As informações bibliográficas estão corretas e de acordo com a norma Chicago, 17ª edição, adotada pelo periódico.

A contribuição deve ser original e inédita, e não estar sendo avaliada para publicação por outra revista; não sendo o caso, justificar em “Comentários ao editor” ao submeter o texto no portal.

A publicação de trabalhos está condicionada à aprovação por pareceristas e, em sendo o caso, ao cumprimento de suas recomendações. São levados em conta a originalidade do tratamento do tema, a consistência e o rigor da abordagem, sua contribuição para as Ciências Sociais e a linha temática da Revista. Os nomes dos pareceristas permanecerão em sigilo, omitindo-se também os nomes dos autores perante os pareceristas. Em 2018 transcorreram em média 171 dias entre a submissão e a aprovação final dos artigos. Para mais detalhes, veja também o item específico sobre o processo de avaliação por pares.

O envio espontâneo de artigos e a posterior aceitação para publicação implicam, automaticamente, a cessão dos direitos da primeira publicação para a Revista. Os direitos autorais intelectuais permanecem com o autor. Eventual reprodução posterior, por qualquer meio, deve seguir os termos da licença do artigo. Autores podem republicar a versão final de seus textos sem embargo em suas páginas pessoais.

Os conceitos emitidos nos trabalhos são de responsabilidade exclusiva dos autores, não refletindo necessariamente a opinião da Comissão Editorial e do Conselho Editorial.

Civitas aceita para publicação artigos inéditos em Ciências Sociais que contribuam para o aprimoramento teórico, metodológico e/ou empírico da área, e que não estejam sendo apresentados simultaneamente em outro periódico. Resenhas são aceitas quando relacionadas ao núcleo temático da respectiva edição.

O autor informa, junto com sua identificação, a fonte de financiamento da pesquisa e potenciais conflitos de interesses.

Antes de submeter o artigo, o autor deve ter lido com atenção o tópico "princípios de ética e boas práticas em publicação acadêmica", em que são abordadas as diretrizes e condutas adotadas por Civitas sobre autoria, ineditismo, originalidade, correção de erros, retratações, sigilo, conflitos de interesses e ética em pesquisa com seres humanos. Somente são considerados para avaliação os artigos que seguirem todas as diretrizes éticas, assim como as orientações sobre a forma, apresentadas nos tópicos a seguir.

Os trabalhos são enviados anonimizados, em texto corrido e sem o uso de recursos sofisticados de formatação.

Civitas aceita dois modos de submissão: para núcleos temáticos específicos, dentro de prazos previamente definidos, ou como texto avulso. Sobre os textos para núcleos temáticos é decidido em bloco, em comum acordo com os editores convidados, após o término do prazo de submissão; textos avulsos são avaliados em fluxo contínuo e a aprovação fica condicionada à perspectiva concreta de publicação.

Formatação

Destaques no interior do texto são em itálico. As notas, quando indispensáveis, são de rodapé, curtas e substantivas, numeradas sequencialmente e sem formatação específica.

Citações com até 3 linhas devem ser marcadas com aspas duplas e inseridas no corpo do texto. A citação que ultrapassar 3 linhas deve ser recuada e inserida em parágrafo próprio, com recuo de 4 cm, em fonte menor. A citação deverá conter o nome do autor, o ano da obra e as páginas.

Gráficos, figuras e tabelas são enviados em arquivos separados (no passo 4 do processo de submissão, "Transferência de documentos suplementares"). As imagens devem estar em arquivo PNG ou JPEG de alta definição, mas sem exceder 1,5 megabytes, e podem ser coloridas. No layout final os elementos gráficos não poderão ultrapassar as dimensões da página da revista (16,5 x 11,5 cm). A numeração sequencial e o título, bem como a fonte dos dados, vêm inseridos no texto como lugares-tenentes.

As notas de referências são inseridas no texto, seguindo o seguinte padrão: (Autor ano, xx) ou (Autor1 ano, xx; Autor2 ano, xx). Havendo mais de uma obra do mesmo autor num ano, este vem acompanhado de uma letra sequencial do alfabeto. Exemplo: (Autor 1998a; 1998b).

As referências são apresentadas no final do trabalho, listadas em ordem alfabética e sem numeração, segundo o estilo Chicago, 17ª edição.

Toda a literatura deve ser submetida à verificação da existência de DOI em: www.crossref.org/SimpleTextQuery

Os arquivos para submissão estão em formato aberto de texto, preferencialmente Word.

O texto está em formato corrido, sem o uso de recursos sofisticados de formatação e emprega itálico ao invés de sublinhar (exceto em endereços URL); figuras e tabelas têm seu lugar indicado no texto e são enviados em arquivo à parte, com identificação de programa e versão

Declaração de coautoria

Havendo mais de um autor, os editores serão informados, através de documento suplementar, qual a contribuição que cada um deu ao texto, da pesquisa à redação final. São aceitos textos com até três autores, com titulações semelhantes, não inferiores a doutorado em andamento.

Quando um texto submetido tiver mais de um autor, cada participante deve preencher uma declaração contendo:

  • identificação do texto: título do texto; nome dos coautores;
  • identificação do coautor: nome, nacionalidade, documento de identidade, endereço completo;
  • descrição da participação específica em: 1) concepção e desenho da pesquisa; 2) coleta e processamento dos dados; 3) análise e interpretação dos dados; 4) detalhamento de sua colaboração na elaboração do texto final.
  • declaração de que aprova a versão final e assume a corresponsabilidade ética e acadêmica pela integralidade do seu conteúdo;
  • local, data e assinatura.

Este documento deve ser anexado, em formato PDF, como documento suplementar, deixando desmarcada a opção “Habilitar documento aos avaliadores”. A Comissão Editorial da Civitas se reserva o direito de aceitar ou não a condição de coautor para os respectivos participantes assim declarados.

A Luta contra a corrupção: estado da arte e perspectivas de análise - submissões: dez. 2019 a fev. 2020

Nas últimas décadas a corrupção como objeto de estudo das Ciências Sociais tem apresentado um crescimento significativo. O aumento da produção resulta tanto da divulgação de grandes escândalos envolvendo casos de corrupção como de desafios teóricos e metodológicos que contribuam para sua compreensão. No âmbito internacional, a operação italiana conhecida como “Mani Pulite” teve um papel significativo para expansão deste objeto de análise, uma vez que transformou a corrupção política em importante tema do debate público. No âmbito nacional, a operação brasileira “Lava Jato” tem contribuído substancialmente para uma transformação na análise deste objeto, antes direcionado basicamente ao estudo sobre o clientelismo e o patrimonialismo. Com o objetivo de contribuir para análise do tema, essa edição de Civitas: Revista de Ciências Sociais visa reunir artigos que analisem: 1) a dinâmica, os códigos e os mecanismos que envolvem a corrupção, como ela se desenvolve e quais são os atores que participam do seu processo; 2) o papel dos meios de comunicação na divulgação, definição e caracterização da corrupção; 3) a ação do judiciário contra a corrupção política e os efeitos das investigações jurídicas no sistema político; 4) as condições de emergência da luta contra a corrupção e o lugar dos movimentos sociais nessa luta; 5) do papel da esfera internacional e das organizações transnacionais na caracterização da corrupção e nas formas de seu controle.

Orgs.:

Alberto Vannucci; Fernanda Rios Petrarca.

Dossiê: História, desenvolvimento e ensino da Ciência Política

Na última década, os estudos sobre a constituição/consolidação do campo da Ciência Política apresentaram um crescimento significativo. O aumento da produção evidencia também uma profícua passagem de estudos mais descritivos e exploratórios para pesquisas mais densas teórica e metodologicamente. Outro efeito deste crescimento foi o aumento contínuo do número de investigadores debruçados sobre o tema. Este processo crescente de institucionalização de uma rede de colaboração entre tais pesquisadores teve na publicação do Manifesto de Popayan, lançado no encontro da Associação Colombiana de Ciência Política em 2014, mais um passo importante. Processo este reforçado pela constituição de extensa rede de pesquisadores, que participam dos grupos de trabalho e das mesas redondas dedicadas ao tema nos congressos da Alacip e das associações nacionais de Ciência Política da região.

Com o propósito de contribuir para a consolidação desta rede de colaboração na região, este dossiê se propõe a reunir artigos que analisem os processos de estruturação da disciplina e sua relação com disciplinas afins a partir das mais variadas abordagens e técnicas de pesquisa. Buscamos com este esforço:

1) fomentar a discussão acerca do ensino e da pesquisa em Ciência Política;

 2) incentivar a publicação de análises comparativas com as demais ciências sociais;

3) dar continuidade ao debate sobre a história da institucionalização da Ciência Política em âmbito nacional e em perspectiva comparada e;

4) articular no dossiê trabalhos que partam de diferentes abordagens sobre a disciplina, instigando a pluralidade de técnicas de pesquisa, referências teóricas e dados analisados.

Os novos desafios do desenvolvimento na região amazônica

A região amazônica brasileira tem sido afetada por muitos projetos de desenvolvimento (barragens, mineração, portos, etc) nas últimas duas décadas. Esses eventos de extensa magnitude afetam as trajetórias da região, tanto a curto quanto a longo prazo, de formas ainda pouco compreendidas. Estudos prospectivos desses projetos são raros. O forte compromisso do Brasil com a energia hidrelétrica e a mineração faz com que a análise do impacto desses projetos seja prioritária - particularmente a necessidade de recomendações confiáveis para reduzir os impactos negativos para o meio ambiente, a sociedade, a saúde e a economia. O contexto para este estudo, a Amazônia brasileira, constitui dois terços da Bacia Amazônica (5 milhões de quilômetros quadrados) e sua população (25 milhões no último censo de 2010) tem crescido rapidamente através da imigração. Pelo menos 147 barragens são planejadas para essa Bacia, 69 delas na Amazônia brasileira (www.dams-info.org). As experiências passadas mostram a falta de atenção para os aspectos sociais, de saúde e ambientais.

Este dossier temático pretende analisar a relação recíproca entre pessoas e meio ambiente no contexto do desenvolvimento de grandes projetos de infra-estruturas e contribuir com a produção de dados e análises, que sirvam para repensar as políticas públicas, em áreas que abordam a saúde, o meio ambiente e a sociodemografia. A proposta, portanto, está dividida em duas partes: uma que incide nos impactos demográficos, epidemiológicos e socioambientais resultantes da barragem de Belo Monte, um grande projeto de infraestrutura (quarto maior projeto de energia hidrelétrica no mundo); e outro que se concentra nas consequências sociais de outros projetos de infra-estrutura que estavam (ou estão sendo) estabelecidos na região amazônica.

Editores convidados: Emilio F Moran (Michigan State University) e Marcia Grisotti (Ufsc).

Gênero e sexualidade: entre a explosão do pluralismo e os embates da normalização

As questões de gênero e sexualidade vêm experimentando um deslocamento que as tornam centrais na luta democrática brasileira. De um debate que parecia dizer respeito apenas a minorias, temos hoje um cenário em que gênero e sexualidade se conjugam com os direitos humanos e a luta pela democracia. As categorias gênero e sexualidade ganharam a arena política mais geral. O tema do dossiê está na conexão gênero, sexualidade, direitos e pluralismo democrático. Temos uma multiplicidade de manifestações neste campo (ampliação dos direitos das identidades de gênero e sexualidade, novos arranjos familiares, experimentações e visibilidade de trajetórias para viver gênero e sexualidade, legislação de nome social, despatologização de travestis e transexuais, conquistas de reconhecimento, proposições de políticas públicas em gênero e sexualidade, legislação acerca da chamada violência de gênero), bem como uma série de iniciativas de possíveis restrições ao pluralismo (tramitação do estatuto da família, movimento intitulado contra a ideologia de gênero, ecos de temas de gênero e sexualidade em proposições como a da escola sem partido e em alterações da lei de diretrizes e bases da educação nacional, bem como legislações previdenciárias e de atenção à saúde). O campo de enfrentamento político cruza armas principalmente entre três instituições: as famílias, as organizações religiosas e a escola pública, que disputam entre si o governo de crianças e jovens. Mas também os dispositivos midiáticos, o discurso biomédico e da saúde, o direito, as ciências psi ingressam no debate, seja para propor ampliação de direitos e possibilidades de viver gênero e sexualidade, seja para restringir seu escopo. Contemplando este amplo leque de temas este dossiê espera receber artigos vindos das ciências sociais e humanas e contribuir para iluminar as muitas faces do pluralismo e das forças de normalização relacionados a gênero e sexualidade.

Diversidad cultural en América Latina: teorías y prácticas

En años recientes, se fortalecieron a lo largo de América movimientos tanto de indígenas como de afrodescendientes contra el racismo histórico del estado-nación de los países latinoamericanos. Las consecuencias han sido muy significativas, entre ellas el diseño de nuevas constituciones en casi todos los países en las que explícitamente se hace referencia a la multiplicidad de naciones, pueblos, o culturas que conforman los estados. En las ciencias sociales ha surgido un pensamiento que asume el carácter multinacional del estado en oposición al paradigma predominante del estado-nación. Este nuevo carácter multinacional del estado debe entenderse fundamentalmente por el fortalecimiento de tres grupos de personas que hoy se resisten a ser asimilados: los indígenas y sus descendientes, los afrodescendientes y los inmigrantes y sus descendientes. Estos tres grupos (por supuesto que muy heterogéneos entre sí y a su interior) presentan a veces lenguajes diferentes, religiones distintas y costumbres difíciles de entender para la cultura dominante en cada país. Así hoy se reivindica, para decirlo con Will Kymlicka, que “las políticas deben ir más allá de la protección de los derechos civiles y políticos básicos garantizados para todos los ciudadanos en un estado liberal democrático, para incluir niveles de reconocimiento público y apoyo hacia aquellas minorías etnoculturales de modo que puedan expresar sus diferentes identidades y prácticas”. El dossier estará fuertemente orientado hacia la discusión y análisis de la diversidad cultural en América Latina y a las teorías del multiculturalismo, las críticas desde la interculturalidad, los retos del reconocimiento del Otro y los problemas y virtudes del mestizaje.

Resenha

Reviews are accepted only when they are related to the core thematic of the respective edition.

Sociologia e Fenomenologia

Alfred Schutz inaugurou uma abordagem sociológica paradigmática fortemente influenciada pela fenomenologia de Edmund Husserl, seguido por autores como Thomas Luckmann e Peter L. Berger, entre muitos outros. O objetivo desta edição especial da Civitas é discutir desenvolvimentos recentes desta tradição sociológica, responsável por influências importantes na teoria sociológica contemporânea e sobre o desenvolvimento da investigação de caráter empírico, como a etnometodologia, a análise de conversação, a hermenêutica sócio-científicas e a narrativa biográfica. São bem-vinda contribuições que exploram investigações teóricas e empíricas ancorados nestas tradições sociológicas ou que promovam o diálogo entre estas abordagens com outras perspectivas sociológicas.


Estado e sociedade em tempos de transnacionalismo

A sociedade transnacional pode ser definida como sendo um sistema no qual interagem forças sociais, políticas e econômicas não estatais, além de diferentes sistemas nacionais. Portanto, não apenas a intensidade de trocas comerciais caracterizaria tal sociedade, mas também as migrações, a universalização de crenças e valores, as organizações que ultrapassam a dimensão nacional, bem como o avanço dos meios de comunicação. Uma das consequências desse processo é o debate acerca da capacidade do Estado em controlar esses fluxos e o seus efeitos para a sociedade. Dessa forma, as reflexões sobre o transnacionalismo abordam duas dimensões do confronto político: 1) Dimensão internacional: globalização, Estado e movimentos sociais transnacionais; 2) dimensão doméstica: Democracia, atores não-estatais e sub-nacionais. O dossiê pretende reunir resultados de pesquisas teóricas e empíricas que contribuam para as reflexões acerca dos efeitos do transnacionalismo para o Estado e a Sociedade. Dito de outra maneira, a temática é sobre a (re)definição das fronteiras materiais e simbólicas nos tempos atuais. Espera-se dessa forma, que a presente proposta represente uma importante contribuição para os debates atuais sobre a sociedade transnacional.

Política de Privacidade

Os nomes e endereços de e-mail neste site serão usados exclusivamente para os propósitos da revista, não estando disponíveis para outros fins.