O ativismo feminista online no Brasil

Aportes para uma agenda em construção

Palavras-chave: Ativismo feminista, Mídias digitais, Redes sociais

Resumo

O objetivo do artigo é analisar as relações entre os feminismos e as mídias digitais em um contexto de expansão do acesso à internet no Brasil. A partir dos desdobramentos ocorridos na última década, interessa-nos compreender como se constroem novos repertórios dos ativismos feministas nas redes digitais, com atenção às transformações sociotécnicas, tecnológicas e políticas. O material empírico resulta de duas pesquisas qualitativas, com entrevistas semiestruturadas, realizadas com ativistas feministas em Londrina e no Rio de Janeiro, combinadas com acompanhamento de interações em redes sociais. Os resultados apontam para uma (re)configuração da prática política em que a promessa do digital somada aos acontecimentos políticos posteriores às jornadas de junho de 2013 no Brasil, recompõem os diagramas e os repertórios políticos desses movimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Rodrigues Facioli, Universidade Federal do Rio Grande (Furg), Rio Grande, RS, Brasil.

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, Brasil. Professora da Universidade Federal de Rio Grande (Furg), Rio Grande, RS, Brasil. Professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, Brasil.

Simone da Silva Ribeiro Gomes, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, Brasil.

Doutora em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, Brasil.

Referências

Alonso, Angela. 2017. A política das ruas: protestos em São Paulo de Dilma a Temer. Novos Estudos Cebrap 49-58. https://doi.org/10.25091/S01013300201700040006.

Alvarez, Sonia E. 2014. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu 43: 13-56. https://doi.org/10.1590/0104-8333201400430013.

Boyd, Danah. 2014. It’s complicated: the social lives of networked teens. Londres: Yale University Press.

Costa, Suely G. 2009. Onda, rizoma e ‘sororidade’ como metáforas: representações de mulheres e dos feminismos (Paris, Rio de Janeiro: anos 70/80 do século 20). Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis 6 (2): 1-29. https://doi.org/10.5007/1807-1384.2009v6n2p1.

Castells, Manuel. 1999. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

Castells, Manuel. 2013. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar.

Dean, Jodi. 2005. Communicative capitalism: circulation and the foreclosure of politics. Cultural Politics 1 (1): 51-73. https://doi.org/10.2752/174321905778054845.

Gohn, Maria da Glória. 2011. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação 16 (47): 333-513. https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000200005.

Gohn, Maria da Glória. 2014. A sociedade brasileira em movimento: vozes das ruas e seus ecos políticos e sociais. Caderno CRH 27 (71): 431-41. https://doi.org/10.1590/S0103-49792014000200013.

Gomes, Simone. 2019. Militâncias culturais em contextos de violência rotinizada na zona oeste do Rio De Janeiro (Brasil) e em Guerrero (México). Plural 25 (2): 112-27. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2018.147250.

Hamlin, Cynthia e Gabriel Peters. 2018. Consumindo como uma garota: subjetivação e empoderamento da publicidade voltada para mulheres. Lua Nova: Revista de Cultura e Política 103: 167-202. https://doi.org/10.1590/0102-138/103.

Haraway, Donna. 2000. Manifesto ciborgue. Antropologia do ciborgue. Belo Horizonte: Autêntica.

Holanda, Heloisa B. de. 2018. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras.

Illouz, Eva. 2011. O amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar.

Levy, Pierre. 2010. Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Machado, Jorge e Richard Miskolci. 2019. Das jornadas de junho à cruazada moral: o papel das redes sociais na polarização política brasileira. Sociologia Antropologia 9 (3): 945-70. https://doi.org/10.1590/2238-38752019v9310.

Manin, Bernard. 1997. The principles of representative government. Cambridge: Cambridge University Press.

Miskolci, Richard. 2021. Batalhas morais: política identitária na esfera pública técnico-midiatizada. São Paulo: Autêntica.

Nascimento, Leonardo. 2016. A Sociologia digital: um desafio para o século 21. Sociologias 18 (41): 216-41. https://doi.org/10.1590/15174522-018004111.

Pinheiro-Machado, Rosana. 2019. Amanhã vai ser maior: o que aconteceu com o Brasil e possíveis rotas de fuga para a crise atual. São Paulo: Planeta.

Sabariego, Jesús, Augusto J. do Amaral e Eduardo B. C. Salles. 2020. Algoritarismos. São Paulo: Tirant lo Blanch.

Sassen, Saskia. 2002. Towards a Sociology of Information Technology. Current Sociology 50 (3): 365-88. https://doi.org/10.1177/0011392102050003005.

Sibília, Paula. 2008. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Silveira, Sérgio A. 2019. Democracia e os códigos invisíveis: como os algoritmos estão modulando comportamentos e escolhas políticas. São Paulo: Edições Sesc.

Solano, Esther. 2018. Crise da democracia e extremismos de direita. Análise 42: 1-29.

Tilly, Charles. 1995. Cycles of collective action: between moments of madness and the repertoire of contention. In Repertoires and cycles of collective action, organizado por Mark Traugott, 89-116. Durham: Duke University Press.

Thompson, John. 2008. A nova visibilidade. Matrizes 1 (2):15-38. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v1i2p15-38.

Timeto, Federica. 2019. Por uma teoria do ciberfeminismo hoje: da utopia tecnocientífica à crítica situada do ciberespaço. Porto Arte: Revista de Artes Visuais 24 (40): 1-27. https://doi.org/10.22456/2179-8001.95974.

Wajcman, Judy. 2004. TechnoFeminism. Cambridge: Polity Press.

Williams, Raymond. 2016. Televisão: tecnologia e forma cultural. São Paulo: Boitempo.

Zuboff, Shoshana. 2015. Big other: surveillance capitalism and the prospects of an information civilization. Journal of Information Technology 30: 75-89. https://doi.org/10.1057/jit.2015.5.

Publicado
2022-04-22
Como Citar
Facioli, L. R., & Gomes, S. da S. R. (2022). O ativismo feminista online no Brasil: Aportes para uma agenda em construção. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 22, e40496. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2022.1.40496