Correndo para não perder nada

Temporalidade ansiosa e a frustração do (i)limitado

Palavras-chave: Aceleração, subjetividade, Speed watching

Resumo

Este artigo analisa alguns fenômenos que fazem parte dos processos de “digitalização da vida” e são sintomáticos de mudanças nos modos de vivenciar a temporalidade. Entre eles, o hábito de maratonar produtos audiovisuais em plataformas de streaming; o uso de programas que permitem acelerar o consumo de vídeos e áudios; e a oferta de “conteúdos desacelerados” para recalibrar o bem-estar de forma eficaz e produtiva. Em todas essas práticas detecta-se certa ansiedade nos modos de lidar com o tempo, decorrente do conflito entre o estímulo para consumir ilimitadamente e a frustração pela persistência das limitações, sobretudo temporais. Trata-se de uma reflexão ensaística com base na perspectiva genealógica, que se debruça sobre um conjunto de reportagens midiáticas dedicadas ao assunto em foco, buscando identificar — nesses indícios — certas transformações nos regimes de saber e poder, na passagem da era moderna para a contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Sibilia, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Doutora em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil e em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Rio de Janeiro, RJ, Brasil; mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil; professora na Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Manuela Arruda Galindo, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil

Doutoranda e mestre em Comunicação na Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil; graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil.

Referências

Andrejevic, Mark. 2013. Infoglut: how too much information is changing the way we think and know. Nova Iorque: Routledge.

Alter, Adam. 2017. Irresistible: the rise of addictive technology and the business of keeping us hooked. Nova Iorque: Penguin Press.

Bruno, Fernanda Glória, Anna Carolina Franco Bentes e Paulo Faltay. 2019. Economia psíquica dos algoritmos e laboratório de plataforma: mercado, ciência e modulação do comportamento. Revista FAMECOS 26 (3): e33095. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.3.33095

Crary, Jonathan. 2014. 24/7: capitalismo e os fins do sono. São Paulo: Cosac Naify

Crary, Jonathan. 2011. Espetáculo, atenção, contramemória. Revista Arte&Ensaios (23): 196-209.

Davenport, Thomas H. e John C. Beck. 2001. The attention economy: understanding the new currency of business. Boston: Harvard Business School Press.

Deleuze, Gilles. 1992. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In Conversações: 1972-1990, 219-226. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Eyal, Nir. 2014. Hooked: how to build habit-forming products. Nova Iorque: Penguin Group.

Ferraz, Maria Cristina Franco. 2015. Ruminações: cultura letrada e dispersão hiperconectada. Rio de Janeiro: Garamond.

Foucault, Michel. 1979. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, Michel. 1987. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes.

Harvey, David. 1993. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola.

Jorge, Marianna Ferreira e Paula Sibilia. 2019. The online ‘addiction’ as a malaise of the 21st century: from repression by the law to ‘free’ unlimited stimulation. The International Journal of Psychoanalysis 100 (6): 1422- 1438. https://doi.org/10.1080/00207578.2019.1702882.

Sharma, Sarah. 2017. Speed traps and the temporal: of taxis, truck stops, and taskrabbits. In The sociology of speed: digital, organizational, and social temporalities, organizado por Judy Wajcman e Nigel Dodd, 131-151. Oxford: Oxford University Press.

Sibilia, Paula. 2012. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto.

Sibilia, Paula. 2020. O mal-estar do ilimitado. In Fronteras, 33 Congreso Latinoamericano de Psicoanálisis, 980-983. Montevidéu: Viento de Fondo.

Publicado
2021-08-24
Como Citar
Sibilia, P., & Galindo, M. . A. (2021). Correndo para não perder nada: Temporalidade ansiosa e a frustração do (i)limitado. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(2), 203-213. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.2.39950