Máquinas de previsão e controle e a crise do possível

Palavras-chave: Possível, Sociedade de controle, Especulação, Futuro, Big data

Resumo

O presente trabalho, fruto de uma discussão realizada em uma tese de doutorado, analisa como que o possível, categoria temporal pertencente ao futuro, vem sendo cada vez mais capturado por mecanismos de poder específicos da chamada sociedade de controle. O campo dos possíveis vem sendo circunscrito hoje em dia não só por visões homogeneizantes de futuro que predominam no imaginário (como o futuro tecnológico da ficção científica), como também por mecanismos de controle cada vez mais refinados que preveem e induzem nosso próximo passo, empobrecendo nossa capacidade de escolha, nossa imaginação e nossas subjetividades. Esse ensaio analisa essas diferentes formas de sequestro dos possíveis, passando pelo maquinário das ciências modernas e pela especulação financeira, até chegar nas informações hoje armazenadas no big data, esse fluxo de dados alimentado pelos algoritmos que controlam e preveem nossas próximas escolhas. O trabalho questiona, ao final, que outros tipos de especulação poderiam, ao contrário de fechar o campo de possíveis, expandi-lo e intensifica-lo, mantendo-se abertos à diferença, à incerteza e às contingências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alana Soares Albuquerque, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora e mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil. Psicóloga graduada pela Universidade Federal do Rio Grande (Furg), Rio Grande, RS, Brasil. Pesquisadora do grupo Corpo, Arte e Clínica da Ufrgs.

Referências

Benjamin, Walter. 2012. Sobre o conceito de história. In Magia e técnica, arte e política, Obras escolhidas, vol. 1, 241-252. São Paulo: Brasiliense.

Berardi, Franco. 2011. After the future. Oakland: AK Press.

Berardi, Franco. 2017. Futurability: the age of impotence and the horizon of possibility. New York: Verso.

Danowski, Déborah e Eduardo Viveiros de Castro. 2014. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie.

Debaise, Didier e Isabelle Stengers. 2017. The insistence of possibles: towards a speculative pragmatism. Parse Journal 7: 13-19. https://doi.org/10.3917/mult.065.0082

Deleuze, Gilles e Felix Guattari, 2012. Mil platôs. capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 3. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Deleuze, Gilles e Felix Guattari. 2010. O que é a filosofia? São Paulo: Ed. 34.

Deleuze, Gilles. 1992. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In Conversações, 223-230. São Paulo: Ed. 34.

Deleuze, Gilles. 2010. Sobre o teatro: um manifesto de menos. O esgotado. Rio de Janeiro: Zahaar.

Eshun, Kodwo. 2003. Further considerations on Afrofuturism. The new centennial review 3 (2): 287-302. https://doi.org/10.1353/ncr.2003.0021

Fisher, Mark. 2009. Capitalist realism: is there no alternative? Winchester: O Books, 2009.

Foucault, Michel. 2008. Segurança, território, população. Curso dado no Collège de France. São Paulo: Martins Fontes.

Grosz, Elizabeth. 2004. The nick of time: politics, evolution and the untimely. Crows Nest: Allen & Unwin.

Guattari, Felix. 1990. As três ecologias. Campinas: Papirus.

Han, Byung-Chul. 2018. No enxame: perpectivas do digital. Petrópolis: Vozes.

Kaiser, Mario. 2015. Reactions to the future: the chronopolitics of prevention and preemption. NanoEthics 9 (2): 165-177. https://doi.org/10.1007/s11569-015-0231-4.

Lapoujade, David. 2016. Por uma utopia não utópica? In O novo espírito utópico, organizado por Adauto Novaes, 115-128. São Paulo: Edições Sesc.

Lapoujade, David. 2017. As existências mínimas. São Paulo: n-1 edições.

Lazzarato, Maurizio. 2006. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Massumi, Brian. 2010. The future birth of the affective fact: the political ontology of threat. In The affect theory reader, organizado por Melissa Gregg e Gregory J. Seigworth, 52-70. London: Duke University Press.

Nietzsche, Friedrich. 2012. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Pelbart, Peter Pál. 1993. A nau do tempo-rei: sete ensaios sobre o tempo da loucura. Rio de Janeiro: Imago.

Rolnik, Suely. 2018. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 edições.

Shaviro, Steven. 2018. Unpredicting the future. Alienocene: Journal of the First Outernational. Acessado em 11 maio. 2018, https://alienocene.com/2018/04/01/futurity-andsciencefiction

Srnicek, Nick e Alex Williams. 2016. Inventing the future: postcapitalism and a world without work. New York: Verso.

Tarde, Gabriel. 2007. Os possíveis. In Monadologia e sociologia – e os outros ensaios, 191-233. São Paulo: Cosac Naify.

Uncertain Commons. 2013. Speculate this! Durham: Duke University Press.

Publicado
2021-08-24
Como Citar
Albuquerque, A. S. (2021). Máquinas de previsão e controle e a crise do possível. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(2), 224-234. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.2.39664