Psicopolítica e mal-estar da contemporaneidade

Palavras-chave: Sociedade do cansaço, Psicopolítica, Mal-estar da civilização, Biopolítica, Capitalismo

Resumo

Em O mal-estar da civilização Freud buscou apresentar uma discussão sobre os ganhos e as perdas da civilização, e em específico sobre o mal-estar causado por suas limitações. Para Elias (1993; 2011), a civilização, como prática, envolve o controle das condutas, a regulação dos modos e a subordinação das emoções. O tormento trazido pela civilização decorre do modo pelo qual ela limita a liberdade, se sobrepondo aos impulsos, impondo tarefas culturais acima das vontades individuais. A civilização é a repressão social se tornando uma cobrança constante e internalizada como mal-estar. Nesse artigo busco articular sociologicamente, em contraposição a diversos autores da teoria social, o conjunto de hipóteses levantadas por Byung-Chul Han (2018b) sobre a psicopolítica, de modo a repensar os rumos e as transformações do mal-estar em uma sociedade não repressiva (fundada em negatividade), mas afirmativa (fundada em positividade).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Delazeri Mocellim, Universidade Federal da Bahia, (Ufba), Salvador, BA, Brasil

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo, (USP), São Paulo, SP, Brasil; professor adjunto do Departamento de Sociologia da Universidade Federal da Bahia, (Ufba), Salvador, BA, Brasil e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da mesma instituição.

Referências

Arendt, Hannah. 2007. A Condição humana. 10a ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Bauman, Zygmunt. 1998. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Zygmunt. 1999. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman Zygmunt. 2001. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Boltanski, Luc e Ève Chiapello. 2009. O Novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes.

Dalgalarrondo, Paulo. 2008. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2 ed. Porto Alegre: Artmed.

Ehrenberg, Alain. 2004. Depressão, doença da autonomia? Entrevista de Alain Ehrenberg a Michel Botbol. Ágora 7(1): 143-153. https://doi.org/10.1590/S1516-14982004000100009.

Ehrenberg, Alain. 2010. O Culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida: Idéias & Letras.

Elias, Norbert. 1993. Sugestões para uma teoria de processos civilizadores. In O Processo civilizador. Formação do estado e civilização, 193-274. Vol.2. Rio de Janeiro: Zahar.

Elias, Norbert. 1997. Colapso da civilização. In Os alemães. A luta pelo poder e a evolução do habitus, 267-300. Rio de Janeiro: Zahar

Elias, Norbert. 1998. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Zahar

Elias, Norbert e John L. Scotson. 2000. Os Estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Zahar.

Elias, Norbert. 2001a. Particularidades da figuração aristocrática de corte. In A sociedade de corte, 85-96. Rio de Janeiro: Zahar

Elias, Norbert. 2001b. A solidão dos morimbundos. Seguido de envelhecer e morrer. Rio de Janeiro: Zahar.

Elias, Norbert. 2011. Da sociogênese dos conceitos de civilização e cultura. In O Processo civilizador. Uma história dos costumes, 21-61.Vol.1. 2a.ed. Rio de Janeiro: Zahar.

Engels, Fredrich e Karl Marx. 1998. A Ideologia Alemã. São Paulo: Martins Fontes.

Freud, Sigmund. 2010a. Considerações atuais sobre a guerra e a morte. In Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos [1914-1916], 156-170. Obras Completas Vol.12.São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, Sigmund. 2010b. A transitoriedade. In Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos [1914-1916], 184-189. Obras Completas Vol.12. São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, Sigmund. 2011. O mal-estar da civilização. São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, Sigmund. 2012. Totem e tabu. In Totem e tabu, contribuição à história do movimento psicanálitico e outros textos [1912-1914], 07-176. Obras Completas Vol.11. São Paulo: Companhia das Letras.

Foucault, Michel. 1979. Soberania e disciplina. In Microfísica do poder, 179-192. 25 ed. São Paulo: Graal.

Foucault, Michel. 1999. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, Michel. 2008. Nascimento da biopolítica.Curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, Michel. 2014. Vigiar e punir. 42a ed. Petrópolis: Vozes.

Giddens, Anthony. 2002. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar.

Han, Byung-Chul. 2017a. Sociedade da transparência. Petrópolis: Vozes.

Han, Byung-Chul. 2017b. Sociedade do cansaço. 2a ed. Petrópolis: Vozes.

Han, Byung-Chul. 2018a. No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes.

Han, Byung-Chul. 2018b. Psicopolítica: o neoliberalismo e as novas técnicas de poder. Belo Horizonte: Âyiné.

Illouz, Eva. 2011. O Amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar.

Heidegger, Martin. 2004. Ser e tempo. Vol.1. 13ª ed. Petrópolis: Vozes.

Kierkegaard, Soren Aabye. 2007. O Conceito de angústia. São Paulo: Hemus.

Levi-strauss, Claude. 1982. As estruturas elementares do parentesco. 5a ed. Petrópolis: Vozes.

Marcuse, Herbert. 1973. Ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. 4a ed. Rio de Janeiro: Zahar.

Marx, Karl. 2004. Trabalho estranhado e propriedade privada. In Manuscritos econômico-filosóficos, 79-90. São Paulo: Boitempo.

Mead, George Herbert. 2010. Mente, self e sociedade. Aparecida: Idéias & Letras,

Melossi, Dario e Massimo Pavarini. 2006. Cárcere e fábrica: as origens do sistema penitenciário (séculos XVI-XIX). Rio de Janeiro: Revan.

Pierucci, Antônio Flávio. 1998. Secularização em Max Weber: da contemporânea serventia de voltarmos a acessar aquele velho sentido. Revista Brasileira de Ciências Sociais 13 (37): 43-73. https://doi.org/10.1590/S0102-69091998000200003 .

Rosa, Hartmut. 2019. Aceleração: a transformação das estruturas temporais na modernidade. São Paulo: Unesp.

Simmel, Georg. 2005. As grandes cidades e a vida do espírito. Mana 11(2): 577-591. https://doi.org/10.1590/S0104-93132005000200010.

Simmel, Georg. 2006. Indivíduo e sociedade nas concepções de vida dos séculos XVIII e XIX. In Questões fundamentais de Sociologia, 83-118. Rio de Janeiro: Zahar.

Weber, Max. 2006. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Cia. das Letras.

Zizek, Slavoj. 1992. Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Zahar.

Zizek, Slavoj. 2011. Em defesa das causas perdidas. São Paulo: Boitempo.

Publicado
2021-05-04
Como Citar
Mocellim, A. D. (2021). Psicopolítica e mal-estar da contemporaneidade. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(1), 94-107. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.1.39147
Seção
Dossiê: Teoria Social e Sociologia Existencial