A subjetividade corporificada nos marcos da sociologia existencial

Palavras-chave: Subjetividade, Corpo, Teoria social, Existencialismo

Resumo

 O artigo propõe um conceito de subjetividade corporificada nos marcos de uma sociologia existencial. Partindo da filosofia existencialista-fenomenológica de Maurice Merleau-Ponty, algumas problemáticas relativas ao sujeito e ao corpo no mundo social são apresentadas. Então, essas questões são trabalhadas com referência à teoria sociológica de Erving Goffman e a obra de Michel Foucault. Através da passagem por esses três autores, constrói-se uma noção de subjetividade corporificada, isto é, um conceito de sujeito que leva em consideração o corpo como nexo fundamental das relações sociais. Por fim, exploram-se duas direções de uma possível sociologia existencial a partir da noção de subjetividade corporificada.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Faial Soneghet, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

Butler, Judith. 2004. Precarious life: the powers of mourning and violence. Nova Iorque: Verso Books.

Crossley, Nick. 1996. Body-subject/body-power: agency, inscription and control in Foucault and Merleau-Ponty. Body & Society 2 (2): 99-116. https://doi.org/10.1177/1357034X96002002006.

Das, Veena. 2015. Affliction: health, disease, poverty. Nova Iorque: Fordham University Press.

Foucault, Michel. 1977. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel. 1984. História da sexualidade. O uso dos prazeres, vol.2. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, Michel. 1987. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel. 1988. História da sexualidade. A vontade de saber, vol.1. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault. Michel. 1999a. História da loucura na idade clássica. São Paulo: Editora Perspectiva.

Foucault, Michel. 1999b. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-19 76). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, Michel. 2000. Ditos e escritos: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento, vol.2. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel. 2006. Ditos e escritos: ética, sexualidade e política, vol.5. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel. 2008. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, Michel. 2017. Subjectivity and truth: lectures at the Collège de France (1980-1981). Reino Unido: Palgrave Macmillan.

Goffman, Erving. 1951. Symbols of class status. British Journal of Sociology 2 (4): 294–304. https://doi.org/10.2307/588083.

Goffman, Erving. 1956. The presentation of Self in everyday life. Edimburgo: University of Edinburgh Social Sciences Research Centre.

Goffman, Erving. 1961. Asylums: essays on the social situation of mental patients and other inmates. Nova Iorque: Anchor Books.

Goffman, Erving. 1963. Behaviour in public places. Londres: Allen Lane.

Goffman, Erving. 1967. Interaction Ritual: essays on face-to-face behavior. Nova Iorque: Anchor Books.

Goffman, Erving. 1968. Stigma: Notes on the management of spoiled identity. Harmondsworth: Penguin Books.

Goffman, Erving. 1971. Relations in public: microstudies of the public order. Nova Iorque: Basic Books.

Goffman, Erving. 1981. Forms of talk. Filadélfia: University of Pennsylvania Press.

Goffman, Erving. 1983. The Interaction Order. American Sociological Review 48 (1): 1–17. https://doi.org/10.2307/2095141.

Kittay, Eva Federer. 1999. Love’s labor: essays on women, equality and dependence. Nova Iorque: Routledge.

Merleau-Ponty, Maurice. 1964. Signs. Chicago: Northwestern University Press.

Merleau-Ponty, Maurice. 1968. The visible and the invisible: followed by working notes. Chicago: Northwestern University Press.

Merleau-Ponty, Maurice. 2012. Phenomenology of perception. Nova Iorque: Routledge.

Morgan, David. 2002. The body in pain. In Real bodies: a sociological introduction, organizado por Mary Evans e Ellie Lee, 79-96. Nova Iorque: Palgrave Macmillan.

Sartre, Jean-Paul. 2007. O ser e o nada. Petrópolis: Editora Vozes.

Shilling, Chris. 1993. The body in social theory. Londres: Sage.

Turner, Bryan. 2014. Corpo e sociedade. São Paulo: Ideias e Letras.

Von der Weid, Olivia. 2018. Entre o cuidado e a autonomia: deficiência visual e relações de ajuda. Revista Anthropológicas 29 (2): 49-82.

Publicado
2021-05-04
Como Citar
Soneghet, L. F. . (2021). A subjetividade corporificada nos marcos da sociologia existencial . Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(1), 23-34. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.1.38992
Seção
Dossiê: Teoria Social e Sociologia Existencial