Condição juvenil, desigualdades de gênero e processos de exclusão nas aulas de educação física escolar

Palavras-chave: Gênero, Desigualdade, Exclusão

Resumo

Apresentamos neste texto os resultados de um estudo que revela as memórias de estudantes nas aulas de Educação Física escolar. Para isso, procuramos discutir como a condição juvenil das estudantes do Ensino Médio e as desigualdades de gênero afetam e conduzem meninas a um processo de exclusão nessas aulas. A investigação foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas com sessenta estudantes do 3º ano do Ensino Médio, em seis escolas públicas e seis escolas privadas de Pernambuco. O estudo revela que as experiências das estudantes estão marcadas por um processo de desigualdade de gênero que encontra amparo na ausência da intervenção do(a) professor(a).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tarcísio Augusto Alves da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco, (UFRP), Recife, PE, Brasil.

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil; mestre em Serviço Social pela mesma instituição; professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRP), Recife, PE, Brasil.

Referências

Bourdieu, Pierre. 2017. A dominação masculina. A condição feminina e a violência simbólica. 5. ed. Rio de Janeiro: BestBolso.

Bourdieu, Pierre. 1996. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus.

Bourdieu, Pierre. 2014. Notas provisórias sobre a percepção social do corpo. Pro-Posições 25 (1): 247-256. https://doi.org/10.1590/S0103-072014000100014.

Cruz, Marlon Messias Santana e Fernanda Caroline Cerqueira Palmeira. 2009. Construção de identidade de gênero na Educação Física Escolar. Motriz: Revista de Educação Física 15 (1): 116-131.

Daólio, Jocimar. 2005. A educação física como prática cultural: tensões e riscos. Pensar a Prática 8 (2): 215-226. https://doi.org/10.5216/rpp.v8i2.115

Dayrell, Juarez. 2007. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação & Sociedade 28 (100): 1105-1128. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302007000300022.

Dornelles, Priscila Gomes e Alex Branco Fraga. 2009. Aula mista versus aula separada? Uma questão de gênero recorrente na educação física escolar. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em educação Física 1 (1): 141-156.

Dornelles, Priscila Gomes. 2011. Marcas de gênero na educação física escolar: a separação de meninos e meninas em foco. Motrivivência 23 (37): 12-29. https://doi.org/10.5007/2175-8042.2011v23n37p12.

Ferreira, Marcos Santos. 2001. Aptidão física e saúde na educação física escolar: ampliando o enfoque. Revista Brasileira de Ciências do Esporte 22 (2): 41-54.

Furlan, Cássia Cristina e Patrícia Lessa dos Santos. 2008. Futebol Feminino e as barreiras do sexismo nas escolas: reflexões acerca da invisibilidade. Motrivivencia 20 (30): 28-43. https://doi.org/10.5007/2175-8042.2008n30p28

Gaspari, Telma Cristiane, Aline Di Thommazo, Valéria Battistuzzi Maciel et al. 2003. Possibilidades da Educação Física na escola: ouvindo os professores. Anais do VII EnFEFE. Niterói: Universidade federal Fluminense.

Groppo, Luís Antonio. 2015. Teorias críticas da juventude: geração, moratória social e subculturas juvenis. Em Tese 12 (1): 4-33. https://doi.org/10.5007/1806-5023.2015v12n1p4.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica). 2019. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Coordenação de população e indicadores sociais. Rio de Janeiro: IBGE.

Louro, Guacira Lopes. 2007. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós- estruturalista. 9. ed. Petrópolis: Vozes.

Minayo, Maria Cecília S. 2011. A condição juvenil no século XXI. In Amor e violência: um paradoxo das relações de namoro e do ‘ficar’ entre jovens brasileiros, organizado por Maria Cecília Souza Minayo, Simone Gonçalves de Assis e Katie Njaine, 17-43. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. http://books.scielo.org.

Montagner, Miguel Ângelo. 2006. Pierre Bourdieu, o corpo e a saúde: algumas possibilidades teóricas. Ciência & Saúde Coletiva 11 (2): 515-526. https://doi.org/10.1590/S1413-81232006000200028.

Saraiva, Maria do Carmo, Luciana Fiamoncini, Elisa Abrão e Ana Alonso Krischke. 2005. Ensinar e aprender em dança: evocando as “relações” em uma experiência contemporânea. In Práticas Corporais, vol. 2, organizado por Ana Márcia Silva e Iara Regina Damiani, 61-78. Florianópolis: Nauemblu Ciência e Arte.

Uchoga, Liane Aparecida Roveran e Helena Altmann. 2016. Educação física escolar e relações de gênero: diferentes modos de participar e arriscar-se nos conteúdos de aula. Revista Brasileira de Ciências do Esporte 38 (2): 163-170. https://doi.org/10.1016/j.rbce.2015.11.006.

Publicado
2021-08-24
Como Citar
Silva, T. A. A. da. (2021). Condição juvenil, desigualdades de gênero e processos de exclusão nas aulas de educação física escolar. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(2), 344-354. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.2.37319