Movimentos e estado como coletivos instáveis e heterogêneos

Uma agenda teórico-metodológica a partir de três estudos de casos

Palavras-chave: Movimentos sociais, Estado, Teoria social, Política ontológica, Heterogeneidade

Resumo

Neste texto apresenta-se uma proposta teórico-metodológica para pesquisar movimentos e estado tomando como base as associações que estabelecem a partir de três pesquisas: sobre as transformações do Landless People's Movement (LPM) da África do Sul, as interações entre movimentos rurais brasileiros e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na implementação da política de reforma agrária, e a transnacionalização da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). O principal efeito do artigo é uma definição ontológica de movimentos e do estado como coletivos cuja existência é marcada por contínuos agenciamentos de elementos heterogêneos e instáveis. Não sendo possível tomá-los como unidades analíticas fechadas, cabe às pesquisas observar construções contínuas de grupos e coletivos contingentes às associações contextuais que se formam – desde antes, portanto, de sua expressão pública. Para tanto, propõe-se que sejam compreendidos quais elementos, agenciados de forma específica e descritível, permitem que as coisas tomem os cursos que normalmente observamos e analisamos. Sugere-se ainda o emprego metodológico das controvérsias como categorias analíticas e a observação dos processos na longa duração

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo C. Rosa, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil

Professor associado do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil. Doutor em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Mestre em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil e graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil.

Camila Penna, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil.

Professora Adjunta de Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil. Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil. Mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil. Bacharel em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Priscila D. Carvalho, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil. Mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil. Graduada em Comunicação Social pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), São Paulo, SP, Brasil. Pesquisadora de pós-doutorado no Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Democracia e Democratização da Comunicação (INCT-IDDC), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Referências

Abers, Rebecca, Marcelo Kunrath da Silva e Luciana Tatagiba. 2018. Movimentos sociais e políticas públicas: repensando atores e oportunidades políticas. Lua Nova: Revista de Cultura e Política 105: 15-46. https://doi.org/10.1590/0102-015046/105.

Abers, Rebecca, Lizandra Serafim e Luciana Tatagiba. 2014. Repertórios de interação estado-sociedade em um estado heterogêneo: a experiência na era Lula. Dados 57 (2): 325-357. https://doi.org/10.1590/0011-5258201411.

Abers, Rebecca e Marisa Von Bülow. 2011. Movimentos sociais na teoria e na prática: como estudar o ativismo através da fronteira entre estado e sociedade? Sociologias 13 (28): 52-84. https://doi.org/10.1590/S1517-45222011000300004.

Alvarez, Sonia. 2000. A globalização dos feminismos latino-americanos. In Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos. Novas leituras, organizado por Sonia Alvarez, Evelina Dagnino e Arturo Escobar, 383-426. Belo Horizonte: UFMG.

Alvarez, Sonia. 2014. Para além da sociedade civil : reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu 43: 13- 56. https://doi.org/10.1590/0104-8333201400430013.

Boltanski, Luc, e Laurent Thévenot. 1999. The sociology of critical capacity. European Journal of Social Theory 2: 359-378. https://doi.org/10.1177/13684319922224464.

Borras Jr., Saturnino, e Marc Edelman. 2016. Political dynamics of transnational agrarian movements. Nova Scotia: Fernwood Publishing, Carvalho, Priscila Delgado. 2018. A produção do transnacional: compilações da agricultura familiar e camponesa na Contag e no MPA. Tese em Ciência Política, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Dagnino, Evelina, Alberto Olvera e Aldo Panfichi, orgs. 2006. A disputa pela construção democrática na América Latina. São Paulo: Paz e Terra.

De la Cadena, Marisol. 2015. Earth beings: ecologies of practice across Andean worlds. Durham: Duke University Press. https://doi.org/10.1215/9780822375265

DeLanda, Manuel. 2006. A new philosophy of society. Assemblage theory and social complexity. London: Continuum.

Deleuze, Giles, e Felix Guattari. 1980. Mille plateaux. Paris: Les Éditions de Minuit.

Doimo, Ana Maria. 1995. A vez e a voz do popular: movimentos sociais e participação política no Brasil pós-70. Rio de Janeiro: Anpocs.

Geertz, Clifford. 2008. Thick description: Toward an interpretive theory of culture. In The cultural geography reader, organizado por Timothy Oakes e Patricia L. Price, 41-51. London: Routledge.

Greenberg, Stefen. 2007. The landless people’s movement and the failure of post-apartheid land reform. In Voices of protest: social movements in post-apartheid South Africa, organizado por Richard Ballard, Adam Habib e Imraan Valodia, 133-154. Scottsville: University of KwaZulu-Natal Press.

Keck, Margaret, e Kathryn Sikkink. 1998. Activists beyond borders. Ithaca: Cornell University Press.

James, Deborah. 2007. Gaining ground? Rights and property in South African land reform. Abingdon: Routledge-Cavendish. https://doi.org/10.4324/9780203945391.

Latour, Bruno. 2005. Reassembling the social: an introduction to actor-network-theory. Oxford: Oxford University Press.

Latour, Bruno, e Steve Woolgar. 1997. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Law, John. 2004. After method. Mess in social science research. London: Routledge. https://doi.org/10.4324/9780203481141.

McAdam, Doug, Sidney Tarrow e Charles Tilly. 2001. Dynamics of contention. Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511805431

Medeiros, Leonilde S. 2014. O sindicalismo rural nas últimas décadas: mudanças e permanências. In O sindicalismo na era Lula: paradoxos, perspectivas e olhares, organizado por Roberto Véras de Oliveira, Maria Aparecida Bridi e Marcos Ferraz, 247–282. Belo Horizonte: Fino Traço Editora.

Melucci, Alberto. 1996. Challenging codes. Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511520891.

Mngxitama, Andile. 2006. The taming of land resistance: lessons from the National land committee. Journal of Asian and African Studies 41 (1-2): 39-69. https://doi.org/10.1177/0021909606061747.

Mol, Annemarie. 1999. Ontological politics. A word and some questions. The Sociological Review 47 (S1): 74-89. https://doi.org/10.1111/j.1467-954X.1999.tb03483.x.

Ntsebeza, Lungisile, e Ruth Hall, eds. 2007. The land question in South Africa: the challenge of transformation and redistribution. Cape Town: HSRC Press.

Ntsebeza, Lungisile. 2013. South Africa’s countryside: prospects for change from below. In The promise of land. Undoing a century of dispossession in South Africa, organizado por Fred Hendricks, Lungisile Ntsebeza e Kirk Helliker, 130-156. Auckland Park: Jacana.

Penna, Camila. 2015. Conexões e controvérsias no Incra de Marabá. Rio de Janeiro: Garamond.

Penna, Camila. 2018. Gênese da relação de parceria entre Incra e movimentos sociais como modelo para implementação de políticas de reforma agrária. Lua Nova: Revista de Cultura e Política 105: 115-48. https://doi.org/10.1590/0102-115148/105.

Picolotto, Everton L. 2018. Pluralidade sindical no campo? Agricultores familiares e assalariados rurais em um cenário de disputas. Lua Nova: Revista de Cultura e Política 104: 201-238. https://doi.org/10.1590/0102-201238/104.

Phillips, John. 2006. Agencement/Assemblage. Theory, Culture & Society 23 (2-3): 108-109. https://doi.org/10.1177/026327640602300219.

Rosa, Marcelo Carvalho. 2015. A journey with the Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) across Brazil and on to South Africa. Études Rurales 196: 43-56. https://doi.org/10.4000/etudesrurales.10371.

Rosa, Marcelo Carvalho. 2012a. Landless: meanings and transformations of a collective action category in Brazil. Agrarian South: Journal of Political Economy https://doi.org/10.1177/227797601200100204

Rosa, Marcelo Carvalho. 2012b. A terra e seus vários sentidos: por uma sociologia e etnologia dos moradores de fazenda na África do Sul contemporânea. Sociedade e Estado 27: 361-385. https://doi.org/10.1590/S0102-69922012000200008.

Teixeira, Marco Antonio. 2018. Movimentos sociais, ações coletivas e reprodução social: a experiência da Contag (1963-2015). Tese em Sociologia, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Iesp-Uerj), Rio de Janeiro, Brasil.

Publicado
2020-11-13
Como Citar
C. Rosa, M., Penna, C., & D. Carvalho, P. . (2020). Movimentos e estado como coletivos instáveis e heterogêneos: Uma agenda teórico-metodológica a partir de três estudos de casos. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(3), 499-512. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.2.36757