A insustentável invisibilidade do nuclear: os processos de publicização dos problemas sociais e ambientais decorrentes da exploração do urânio em Caetité, BA

Palavras-chave: Urânio. Processos de publicização. Questão nuclear.

Resumo

O artigo discute os processos de publicização dos problemas do nuclear em Caetité, Bahia. Desde o início da operação da mina de urânio na região, no ano de 1999, uma série de atores locais e não locais tem produzido evidências dos problemas decorrentes da extração do mineral para combustível das usinas nucleares brasileiras. Neste artigo argumenta-se que esse processo, ao mesmo tempo que constitui o nuclear e o urânio como uma situação problemática, também transforma os atores a ela concernidos, construindo os processos através dos quais questões do nuclear se tornam visíveis. Para isso, baseia-se em documentos, relatórios técnicos, materiais publicados em jornais e observação de campo de parte dos atores envolvidos nas questões do nuclear. Concluímos que as exigências dos atores passam a ser construídas a partir de evidências que seguem constrangimentos metodológicos próximos daqueles produzidos pela operação da mina, baseado em monitoramento e avaliação de dados técnicos. Mas, diferente da manutenção do nuclear como uma caixa preta, os atores publicizam o urânio e o nuclear como um problema público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Israel de Jesus Rocha, Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Manaus, AM.

Doutor em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Salvador, BA, Brasil. Professor do curso de Relações Públicas da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Manaus, AM.

Referências

Boltanski, Luc, e Laurence Thévenot. 1999. A sociologia da capacidade crítica. European Journal of social theory 3 (2): 359-377. https://doi.org/10.1177/13684319922224464.

Cefaï, Daniel. 2011. Arenas públicas: por uma etnografia da vida associativa. Rio de Janeiro: Eduff.

Cefaï, Daniel, et Cèdric Terzi. 2012. L’expérience des problèmes publics: perspectives pragmatistes. Paris: EHESS.

Chateauraynaud, Francis, e Didier Torny. 2013. Les sombres précurseurs: une sociologie pragmatique de l’alerte et du risque. Paris: Éditions EHESS.

Dewey, John. 2010. Le public et ses problèmes. Paris: Folio.

Freire, Jussara. 2013. Uma caixa de ferramentas para a compreensão de públicos possíveis: um arranjo de sociologias pragmatistas. Revista Brasileira de Sociologia das Emoções 12 (36): 720-736.

Hecht, G. 2012. Being nuclear: Africans and the global uranium trade. Cambridge: The MIT Press.

Latour, Bruno, e Steve Woolgar. 1997. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Latour, Bruno. 2000. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora Unesp.

Latour, Bruno. 2004. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. São Paulo: Edusc.

Latour, Bruno. 2011. Pasteur: guerre et paix des microbes. Paris: La Découverte.

Latour, Bruno. 2012. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba.

Lisboa, Marijane Vieira; José Guilherme Carvalho Zagallo, e Cecília Campello do A Mello. 2011. Relatório da Missão Caetité: violações de direitos humanos no ciclo do nuclear. Curitiba: Expressão Gráfica.

Knorr Cetina, Karen. 2005. La fabricación del conocimiento: un ensayo sobre el carácter constructivista y contextual de la ciencia. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes.

Magalhães, Alexandre. 2013. A ação coletiva enquanto processo de codefinição e codomínio de situações problemáticas: os limites e possibilidades do pragmatismo francês. Mediações – Revista de Ciências Sociais 18 (2): 172-186. https://doi.org/10.5433/2176-6665.2013v18n2p172.

Mendes, José Manuel e Pedro Araújo. Nuclearidade, trabalho dos corpos e justiça. A requalificação ambiental das minas da Urgeiriça e os protestos locais. Sociologia, Problemas e Práticas, 64, 2010.

Rocha, Israel de Jesus. 2017. O urânio e seus problemas: a formação dos públicos em torno da questão nuclear em Caetité/BA. Tese em Ciências Sociais, Ufba, Salvador.

Stengers, Isabelle. 2007. La proposition Cosmopolitique. In L’émergence des cosmopolitiques, editado por Jacques Lolive e Olivier Soubeyran, 45-68. Paris: La Découverte.

Topçu, Sezin. 2006. Nucléaire: de l’engagement savant aux contre-expertises associatives. Nature Sciences Societés 14: 249-256. https://doi.org/10.1051/nss:2006037.

Publicado
2020-07-17
Como Citar
Rocha, I. de J. (2020). A insustentável invisibilidade do nuclear: os processos de publicização dos problemas sociais e ambientais decorrentes da exploração do urânio em Caetité, BA. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(2), 164-174. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.2.32105