Preconceito, comunicação e relações no ambiente de trabalho

  • Renata Louzada Xavier Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande, RS
Palavras-chave: Preconceito. Comunicação. Relações Interpessoais.

Resumo

Este trabalho buscou identificar traços de preconceito linguístico no ambiente profissional escolar, através de entrevistas realizadas com professores e alunos, verificando se a atitude percebida na comunicação estabelecida entre eles poderia interferir em suas relações diárias. Ao não reconhecer a diversidade do português falado no Brasil, a escola tenta impor sua norma linguística como se ela fosse a língua comum a todos os brasileiros, independente de sua idade, de sua origem geográfica, étnica, de sua situação socioeconômica, de seu grau de escolarização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Louzada Xavier, Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande, RS

Graduada em Letras com habilitação em Língua Portuguesa e Língua Espanhola e respectivas literaturas pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Especialista em Linguística e ensino do Português pela mesma Universidade. Professora de Língua Portuguesa, Redação e Língua Espanhola do Ensino Médio do Colégio Marista São Francisco, do Rio Grande

Referências

AMARAL, Emília [et al.]. Novas palavras: português: Volume único: livro do professor. 2.ed. São Paulo: FTD, 2003.

BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

______. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

______. A norma oculta: língua & poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

______. A língua de Eulália. São Paulo: Contexto, 2003.

BORGES, Edson. Racismo, preconceito e intolerância. São Paulo: Atual, 2002.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, 1999.

CRYSTAL, David. The Cambridge Encyclopedia of Language. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

MAIOR, Mário Souto. A Mulher na Literatura de Estrada. Disponível em: <http://www.soutomaior.eti.br/mario/paginas/cur_mul.htm>. Acesso em: 11 set. 2008.

MOURA, Vasco Graça. A gripe das aves e os manuais de português. Diário de Notícias. Lisboa, 08 mar. 2006. Disponível em: <http://dn.sapo.pt/Inicio/interior.aspx?content_id=637093>. Acesso em: 15 jan. 2007.

NUNES, Letícia. Critérios de cobertura: suítes no caso do índio Galdino. Observatório da imprensa. 28 out. 2003. Disponível em: <http://www.tvebrasil.com.br/observatorio/arquivo/principal_031028.asp#online>. Acesso em: 11 set. 2008.

PERINI, Mario A. Sofrendo a Gramática. 3.ed. São Paulo: Ática, 2005.

______. Gramática descritiva do português. 4.ed. São Paulo: Ática, 2000.

PINSKY, Jaime. Brasileiro(a) é assim mesmo: cidadania e preconceito. São Paulo: Contexto, 1993.

QUEIROZ, Renato da Silva. Não vi e não gostei: o fenômeno do preconceito. São Paulo: Moderna, 1995.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

SANTOS, Emanoel dos. Certo ou errado: Atitudes e crenças no ensino da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Graphia, 1996.

SARMENTO, Leila Lauar. Gramática em textos. 2.ed. rev. São Paulo: Moderna, 2005.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 1959.

SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 17.ed. São Paulo: Ática, 2008.

Publicado
2010-12-31
Como Citar
Xavier, R. L. (2010). Preconceito, comunicação e relações no ambiente de trabalho. Caderno Marista De Educação, 7. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/caderno-marista-de-educacao/article/view/36960
Edição
Seção
Artigos