Ensino Religioso e Educação Humanista num Estado leigo

Marcos Sandrini

Resumo


O presente artigo oferece princípios e definições de conceitos fundamentais para uma adequada compreensão do papel do ensino religioso nas escolas em um estado laico. O método utilizado da correlação de conceitos permitiu clarificar termos utilizados no debate brasileiro sobre este tema, termos tantas vezes usados de maneira parcial ou ambígua. Como consequência, obteve-se uma melhor compreensão do papel do ensino religioso no contexto cultural pluralista brasileiro, bem como detectou-se a necessidade de se propor uma educação humanista. Os princípios de abertura ao transcendente e de hospitalidade são chaves para a compreensão desta educação.


Palavras-chave


Religiosidade. Educação. Humanismo. Estado. Laicidade.

Texto completo:

PDF

Referências


III CONFERENCIA GENERAL DEL EPISCOPADO LATINO-AMERICANO, Puebla. Conclusões. Evangelização no presente e no futuro da América Latina, São Paulo 1979.

ALBERTON, G. da S. Laicidade na Relação Igreja-Estado e o Acordo Brasil-Santa Sé. Curitiba: Prismas, 2015.

ANJOS, M. F. dos; ITOZ, S. de; JUNQUEIRA, S. R. A. Pastoral Escolar. Práticas e Provocações. Aparecida: Santuário, 2015.

BASSETTE, F. Juiz condena pais por educar filhos em casa. Jornal Folha de São Paulo, São Paulo, Caderno C1. Em 06/03/2010.

BAUMAN, Z. Ética pós-moderna. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2003.

BERGER, Peter. O dossel sagrado. Elementos para uma teoria sociológica da religião. 4.ed. São Paulo: Paulus, 2003. (Sociologia e Religião, 2).

BOFF, Leonardo. Ética e Moral. A busca dos fundamentos. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

______. Virtudes para um outro mundo possível. Vol. 1: Hospitalidade: Direito & Dever de todos. Petrópolis: Vozes, 2005.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. 4. ed., São Paulo: Oliveira Mendes, 1999.

CAPRA, F. O ponto de mutação. A ciência, a sociedade e a cultura emergente. São Paulo: Cultrix, 1982.

CASTILLO, J. M. Jesus: a humanização de Deus: ensaio de cristologia. Petrópolis: Vozes, 2015.

CNBB. Para uma pastoral da educação. São Paulo: Paulinas, 1986

(Estudos da CNBB, 41).

______. Educação, Igreja e Sociedade. São Paulo: Paulinas, 1992 (Documentos da CNBB, 47).

CNBB. Pastoral da Educação: estudo para diretrizes nacionais. Brasília: Edições CNBB, 2016. (Estudos da CNBB, 110).

______. Pensando o Brasil: educação. Brasília: Edições CNBB, 2017. (Pensando o Brasil, 4).

______. Fé cristã e laicidade. Brasília: Edições CNBB, 2018 (Subsídios Doutrinais, 10).

CODINA, V. Creio no Espírito Santo. Pneumatologia narrativa. São Paulo: Paulinas, 1997. COLOM, A. J. A (des)construção do conhecimento pedagógico: novas perspectivas para a Educação. Porto Alegre: Artmed, 2004.

CONGREGAÇÃO PRA A EDUCAÇÃO CATÓLICA. Educar ao humanismo solidário. Para cons- truir uma “civilização do amor” 50 anos após a Populorum Progressio. Orientações. Brasília: Edições CNBB, 2018. (Documentos da Igreja, 41).

FRANCISCO. Audiência Geral (9.10.2013), Cidade do Vaticano. Disponível em:

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/audiences/2013/documents/papa-francesco_20131009_udienza-generale. html. Acesso em: 20.08.2018.

Constituição Apostólica Veritatis Gaudium sobre as Universidades e as Faculdades Eclesiásticas. São Paulo: Paulinas, 2018.

______. Exortação apostólica do papa Francisco Gaudete et Exsultate sobre o chamado à santidade no mundo atual. São Paulo: Paulus, 2018.

GRUEN, W. O Ensino Religioso na escola oficial. In: Atualização, Belo Horizonte, n. 64/65, p. 127-143, abr.-maio 1975.

______. O Ensino Religioso em movimento. In: BOEING, A.; ITOZ, S. (Org.). O Ensino Religioso no projeto pedagógico pastoral salesiano. Brasilia: Rede Salesiana de Escolas, 2013. v. 2.

JOÃO PAULO II. Carta Encíclica Centesimus Annus. 5.ed. São Paulo: Paulinas, 2002.

______. Universidades Católicas. Constituição Apostólica do Sumo Pontífice João Paulo II. 4. ed. São Paulo: Paulinas, 2004.

LIBÂNIO, J. B. A religião no início do milênio. São Paulo: Loyola, 2002.

______. Crer num mundo de muitas crenças e pouca libertação. São Paulo: Paulinas, 2003.

______. Introdução à Teologoia. Perfil, enfoques, tarefas. São Paulo: Loyola, 1996.

MELLO, C. de. Voto. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 54 (12.4.2012). Distrito Federal. Disponível em:

http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP& docID=3707334. Acesso em: 25 ago. 2018.

______. Voto. Ação Direta de inconstitucionalidade, n. 4.451 (21.06.2018). Distrito Federal. Dis- ponível em:

http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/ADI4451VotoMCM.pdf. Acesso em: 25 ago. 2018.

MESTERS, C. Com Jesus na contramão. São Paulo: Paulinas, 1995.

PARRELLA, F. Vida e espiritualidade no pensamento de Paul Tillich. Correlatio, São Paulo, n. 6, p. 48-70. nov. 2004.

RUEDELL, P. Trajetória do Ensino Religioso no Brasil e no Rio Grande do Sul. Legislação e Prática. Porto Alegre: Sulina; Canoas: UNILASALLE, 2005.

SENADO FEDERAL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 2005. Disponí- vel em:

https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf. Acesso em: 20 ago. 2018.

SUSIN, L. C. O ato de religião como virtude e seus vícios. Sobre fundamentalismo, fanatismo, esquizocrentes: patologias e remédios. In: MILLEN, M. I. de C. (Org.). Fundamentalismo: desafios à ética teológica. Aparecida: Santuário, 2017. p. 195-222,

TILLICH, P. Teologia sistemática. 5. ed. revista. São Leopoldo: Sinodal, 2005. TÔRRES, J. C. de O. A democracia coroada. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1964.

VATTIMO, G. Depois da cristandade. Por um Cristianismo não religioso. Rio de Janeiro: Record, 2004.

YUS, R. Educação integral. Uma educação holística para o século XXI. Porto Alegre: Artmed, 2002.

ZEHR, H. Trocando as lentes. Justiça restaurativa para o nosso tempo. São Paulo: Palas Athena, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-6736.2018.2.32491

ISSN-L: 0103-314X

e-ISSN: 1980-6736



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS