“Não tem nada para fazer lá”: trabalho e pessoas com deficiência visual

Leonardo de Oliveira Barros, Rodolfo Augusto Matteo Ambiel

Resumo


O objetivo foi verificar a percepção de satisfação no trabalho, motivos de insatisfação e barreiras para inserção laboral de pessoas com deficiência visual. Participaram 136 pessoas com deficiência visual, com baixa visão e cegueira congênita ou adquirida, com idade média de 37,86 (DP = 14,39), sendo 52,2% do sexo feminino. Os participantes responderam ao questionário de identificação e três perguntas sobre satisfação, insatisfação e dificuldades percebidas para inserção laboral. Os dados foram analisados qualitativamente por meio de análise de conteúdo e quantitativamente com estatísticas inferenciais. Os resultados indicaram que os motivos de maiores insatisfações foram relativos á conflitos organizacionais e falta de acessibilidade. Em relação às barreiras para inclusão, identificou-se o preconceito e o desconhecimento social sobre a deficiência como aspectos de maior limitação. Além disso, na comparação por tipo de deficiência, as maiores insatisfações e dificuldades foram para pessoas com cegueira congênita.


Palavras-chave


inclusão social; satisfação no trabalho; deficiente visual

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Almeida, T. S., & Araujo, F. V. (2013). Diferenças experienciais entre pessoas com cegueira congênita e adquirida: Uma breve apreciação. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, 1(2), 1-21.

Amiralian, M. L. T. M. (2007). A construção do eu de crianças cegas congênitas. Natureza humana , 9(1), 129-153. (DOI INEXISTENTE)

Assunção, R. V., Carvalho-Freitas, M. N. D., & Oliveira, M. S. D. (2015). Satisfação no trabalho e oportunidades de desenvolvimento da carreira entre profissionais com deficiência. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 15(4), 340-351. doi: 10.17652/rpot/2015.4.556

Cardoso, L. K., & Kern, C. (2016). Capacitação da pessoa com deficiência intelectual ao mercado de trabalho numa APAE do Sul de Santa Catarina. Revista de Ciências Humanas, 50(2), 437-458. doi: 10.5007/2178-4582.2016v50n2p437

Cunha, A. C. B., & Enumo, S. R. F. (2003). Desenvolvimento de criança com deficiência visual (DV) e interacção mãe-criança: algumas considerações. Psicologia, Saúde & Doença, 4(1), 33-46.

Dipboye, R., & Colella, A. (Orgs.). (2005). Discrimination at work: The psychological and organizational bases. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Ferreira, B. C., & Del-Prette, Z. A. P. (2013). Programa de Expressividade Facial de Emoções e Habilidades Sociais de crianças deficientes visuais e videntes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(2), 327-338.

Garcia, V. G., & Maia, A. G. (2014). Características da participação das pessoas com deficiência e/ou limitação funcional no mercado de trabalho brasileiro. Revista Brasileira de Estudos de População, 31(2), 395-418.

González, E. (2007). Necessidades educacionais específicas: intervenção psicoeducacional. Porto Alegre: Artmed Editora.

Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Habitação & Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência. (2010). Desenho Universal: habitação de interesse social.

Hanif, S., Peters, H., McDougall, C., & Lindsay, S. (2017). A systematic review of vocational interventions for youth with physical disabilities. In Factors in Studying Employment for Persons with Disability: How the Picture Can Change (pp. 181-202). Emerald Publishing Limited.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas – IBGE (2010). Censo Demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Lei nº 13.146 de 6 de julho de 2015. (2015). Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, 2015.

Lima, J. P., da Silva, T. B., & Galvão, E. C. F. (2010). A percepção dos empregadores sobre a admissão de trabalhadores com Síndrome de Down. Health Scientist Institute, 28(1), 17-20.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, 22(37), 7-32.

Pinheiro, L. R. S., & Dellatorre, R. (2015). Desafios da Inclusão de Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho: Um Estudo sobre a Percepção dos Envolvidos. Perspectiva, 39(148), 95-109.

Ribeiro, A. P., Batista, D. F., Prado, J. M., Vieira, K. E., & Carvalho, R. L. (2014). Cenário da inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho: revisão sistemática Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 12(2), 268-276. doi:10.5892/ruvrd.v12i2.1441.

Ribeiro, M. A., & Ribeiro, F. (2008). Gestão organizacional da diversidade: Um estudo de caso de um programa de inclusão de pessoas com deficiência. In M. N. Carvalho-Freitas, & A. L. Marques (Orgs.), O trabalho e as pessoas com deficiência: Pesquisas, práticas e instrumentos de diagnóstico (pp. 122-141). Curitiba: Juruá.

Ribeiro, M. A., & Ribeiro, F. (2012). O desenvolvimento da carreira de pessoas com deficiência em empresas: dificuldades e perspectivas. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 5(1), 127-145.

Simões, M. C. D. (2016). Autonomia, Formação, Deficiência Visual e Ledores. Journal of Research in Special Educational Needs, 16(S1), 255-258. doi: 10.1111/1471-3802.12146

Toldrá, R. C. (2009). Políticas afirmativas: opinião das pessoas com deficiência acerca da legislação de reserva de vagas no mercado de trabalho. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 20(2), 110-117. doi: 10.11606/issn.2238-6149.v20i2p110-117

Veltrone, A. A., & Almeida, M. A. (2010). Perfil da pessoa com deficiência no mercado de trabalho na cidade de São Carlos-SP. Revista Educação Especial, 23(36), 73-90.

Violante, R. R., & Leite, L. P. (2011). A empregabilidade das pessoas com deficiência: uma análise da inclusão social no mercado de trabalho do município de Bauru, SP. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 14(1), 73-91.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2020.1.31320

ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.