Feminismo(s) e psicologia em Portugal

Mariana Porto Ruwer de Azambuja, Conceição Nogueira, Luísa Saavedra

Resumo


Apesar da longa história em comum entre Brasil e Portugal, também existem muitas diferenças e, principalmente, muito desconhecimento. A proposta deste artigo é apresentar uma contextualização do modo como as questões de gênero têm sido tratadas em Portugal e, a partir disto, estimular maiores laços de cooperação entre os dois países. Iniciamos com uma retomada da história recente do país e das reformas instauradas após o fim do regime fascista (1974), especialmente o surgimento da psicologia como campo científico e profissional marcado pelo paradigma positivista e, por muito tempo, alheio às transformações e questionamentos presentes em outros contextos. Da mesma forma, o percurso do movimento feminista e sua inserção no contexto acadêmico da psicologia foi marcado por avanços e entraves, os quais apresentamos a seguir. Por fim, tratamos das políticas públicas para a igualdade de oportunidades para as mulheres em Portugal.
Palavras-chave: Psicologia; gênero; feminismo; Portugal.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.