Relação entre habilidades cognitivas de processamento visual e inteligência fluida com o desempenho em aritmética

Tatiana Pontrelli Mecca, Natália Martins Dias, Alessandra Gotuzo Seabra, Tatiana Abrão Jana, Elizeu Coutinho de Macedo

Resumo


O objetivo deste estudo foi verificar a relação entre habilidades cognitivas de processamento visual e inteligência fluida, avaliadas pela Leiter-R, e desempenho em aritmética de estudantes do Ensino Fundamental I. Foram avaliadas 51 crianças entre 7 e 8 anos de idade (52,94% meninos e 47,06% meninas), pertencentes ao 2º e 3º ano de escolas pública e privada. Correlações positivas, significativas e de magnitude moderada foram observadas entre os subtestes de Analogias e Sequências com habilidades de processamento numérico e cálculo da Prova de Aritmética. Ambos explicaram 25% da variância em aritmética. Ao analisar os dados separadamente por tipo de escola, resultados semelhantes foram verificados para escola particular, porém poucas correlações foram observadas com crianças de escola pública. Os achados corroboram a literatura no que tange às relações entre habilidades cognitivas e desempenho em aritmética, ressaltando a importância do tipo de escola como variável a ser considerada nestes estudos.


Palavras-chave


Inteligência; Raciocínio indutivo; Discriminação visual; Processamento numérico; Cálculo.

Texto completo:

PDF

Referências


Alloway, T. P., & Gregory, D. (2013). The predictive ability of IQ and Working Memory scores in literacy in an adult population. International Journal of Educational Research, 57, 51-56. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijer.2012.10.004

Anastasi, A. & Urbina, S. (2000). Testagem Psicológica. Porto Alegre: Artmed.

Antonio, D. A. M., Mecca, T. P., & Macedo, E. C. (2012). O uso do teste não-verbal Leiter-R na avaliação de inteligência em distúrbios do desenvolvimento. Cadernos de Pós-graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, 12(2), 9-15.

Carroll, J. B. (1993). Human Cognitive Abilities: A Survey of Factor Analytic Studies. New York: Cambridge University Press.

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences (2ª ed.). Hillsdale, New Jersey: Lawrence Erbaum.

Dias, N. M. & Seabra, A. G. (2013a). Competência aritmética sob a perspectiva do processamento da informação: compreensão, desenvolvimento e subsídios para avaliação. In A. G. Seabra, N. M. Dias, & F. C. Capovilla (Orgs.). Avaliação Neuropsicológica Cognitiva (Vol. 3: Leitura, escrita e aritmética) (pp. 76-84). São Paulo: Memnon Edições Científicas.

Dias, N. M. & Seabra, A. G. (2013b). Evidências de validade e fidedignidade da Prova de Aritmética. In A. G. Seabra, N. M. Dias & F. C. Capovilla (Orgs.). Avaliação Neuropsicológica Cognitiva (Vol. 3: Leitura, escrita e aritmética) (pp. 85-91). São Paulo: Memnon Edições Científicas.

Flanagan, D. P., Ortiz, S. O., Alfonso, V. C., & Mascolo, J. T. (2006). The Achievement Test Desk Reference (ADRT): A Guide to Learning Disability Identification. Boston: Allyn & Bacon.

Floyd, R. G., Evans, J. J., & McGrew, K. S. (2003). Relations between measures of Cattell-Horn-Carroll (CHC) cognitive abilities and mathematics achievement across the school-age years. Psychology in the Schools, 40(2), 155-171. http://dx.doi.org/10.1002/pits.10083

Fuchs, L. S., Fuchs, D., Stuebing, K., Fletcher, J. M., Hamlett, C. L., & Lambert, W. (2008). Problem solving and computational skill: Are they shared or distinct aspects of mathematical cognition? Journal of educational psychology, 100(1), 30-47. http://dx.doi.org/10.1037/0022-0663.100.1.30

Geary, D. C. (2007). An evolutionary perspective on learning disability in mathematics. Developmental Neuropsychology, 32(1), 471-519. http://dx.doi.org/10.1080/87565640701360924

Geary, D. C., Hoard, M. K., & Bailey, D. H. (2011). How SLD manifests in mathematics. In Flanagan, D. P. & Alfonso, V. C. (Eds.). Essentials of Specific Learning Disability Identification (pp. 43-64). Hoboken, NJ: Wiley.

Gelman, R. & Butterworth, B. (2005). Number and language: how are they related? Trends in cognitive sciences, 9(1), 6-10.http://dx.doi.org/10.1016/j.tics.2004.11.004

Gomes, C. M. A. (2010). Avaliando a Avaliação Escolar: Notas Escolares e Inteligência Fluida. Psicologia em Estudo, Maringá, 15(4), 841-849. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722010000400020

Gomes, C. M. A. & Golino, H. F. (2012). O que a inteligência prediz: diferenças individuais ou diferenças no desenvolvimento acadêmico? Psicologia: teoria e prática, 14(1), 126-139.

Hale, J. B., Fiorello, C. A., Dumont, R., Willis, J. O., Rackley, C., & Elliott, C. (2008). Differential Ability Scales-Second Edition (neuro) psychological predictors of math performance for typical children and children with math disabilities. Psychology in the Schools, 45(9), 838-858. http://dx.doi.org/10.1002/pits.20330

Hale, J. B., Fiorello, C. A., Kavanagh, J. A., Holdnack, J. A., & Aloe, A. M. (2007). Is the demise of IQ interpretation justified? A response to special issue authors. Applied Neuropsychology, 14(1), 37-51. http://dx.doi.org/10.1080/09084280701280445

Lu L., Weber H. S, Spinath F. M., & Shi, J. (2011). Predicting school achievement from cognitive and non-cognitive variables in a Chinese sample of elementary school children. Intelligence, 39(2-3), 130-140. http://dx.doi.org/10.1016/j.intell.2011.02.002

McCloskey, M., Caramazza, A., & Basili, A. (1985). Cognitive mechanisms in number processing and calculation: evidence from Dyscalculia. Brain and Cognition, 4, 171-196. http://dx.doi.org/10.1016/0278-2626(85)90069-7

McGrew, K. S. & Wedling, B. J. (2010). Cattell-Horn-Carroll cognitive achievement relations: What we have learned from the past 20 years of research. Psychology in theSchools, 47, 651-675. http://dx.doi.org/10.1002/pits.20497

Mecca, T. P. (2010). Tradução, adaptação, fidedignidade e evidências de validade da Bateria de Visualização e Raciocínio da Leiter International Performance Scale-Revised. [Dissertação Mestrado em Distúrbios do Desenvolvimento], Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

Mecca, T. P. (2013). Verificação das Propriedades Psicométricas da Bateria de Visualização e Raciocínio da Leiter-R em Crianças dos 2 aos 8 Anos e nos Distúrbios do Desenvolvimento. [Tese Doutorado em Distúrbios do Desenvolvimento], Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

Mecca, T. P., Antônio, D. A. M., Rabelo, I., Valentine, F., & Macedo, E. C. (2014). Avaliação de Inteligência em Crianças Pré-escolares. In A. G. Seabra., J. A. Laros, E. C. Macedo., & N. Abreu (Orgs.). Inteligência e Funções Executivas: avanços e desafios para a avaliação neuropsicológica. São Paulo, SP: Memnon Edições Científicas. pp. 174-193.

Mecca, T. P., Antonio, D. A. M., Seabra, A. G., & Macedo, E. C. (2014). Parâmetros Psicométricos da Escala Internacional de Inteligência Leiter R para Crianças Pré-Escolares. Avaliação Psicológica [Online], 13, 125-132.

Mecca, T. P., Carvalho, L. F., Simões, M. R., & Macedo, E. C. D. (2016). Evidências de validade e fidedignidade da Escala Internacional de Inteligência Leiter-R para crianças dos 6 aos 8 anos. Psicologia Teoria e Pesquisa, 32(1), 51-60. http://dx.doi.org/10.15900102-37722016012222051060

Mecca, T. P., Jana, T. A., Simões, M. R., & Macedo, E. C. D. (2015). Relação entre habilidades cognitivas não-verbais e variáveis presentes no contexto educacional. Psicologia Escolar e Educacional, 19(2), 329 339. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0192844

Mecca, T. P., Orsati, F. T., & Macedo, E. C. (2014). Non-Verbal Cognitive Profile of Young Children with Autism Spectrum Disorders. Psychology (PSYCH), 5, 1404-1417. http://dx.doi.org/10.4236/psych.2014.511151

Menon, V. (2010). Developmental cognitive neuroscience of arithmetic: implications for learning and education. Mathematics Education, 42, 515-525. http://dx.doi.org/10.1007/s11858-010-0242-0

Mól, D. A. R. & Wechsler, S. M. (2008). Avaliação de crianças com indicação de dificuldades de aprendizagem pela bateria Woodcock Johnson III. Psicologia Escolar e Educacional, 12(2), 391-399.

Pereira, M. & Almeida, L. (2010). Predição do rendimento académico no final do ensino secundário na base dos testes de QI na infância. Revista Galego-Portuguesa de Psicología e Educación, 18(1), 239-249.

Primi, R., Ferrão, M. E., & Almeida, L. S. (2010). Fluidintelligence as a predictoroflearning: A longitudinal multilevel approach appliedtomath. Learning and Individual Differences, 20(5), 446-451. http://dx.doi.org/10.1016/j.lindif.2010.05.001.

Primi, R., Santos, A. D., &Vendramini, C. M. (2002). Habilidades básicas e desempenho acadêmico em universitários ingressantes. Estudos de Psicologia, 7(1), 47-55.

Roberts, J. E., Schaaf, J. M., Skinner, M., Wheeler, A., Hooper, S., Hatton, D. D., & Bailey Jr, D. B. (2005). Academic Skills of Boys with Fragile X Syndrome: Profiles and Predictors. American Journal on Mental Retardation, 110(2), 107-120.

Roid, G. H. & Miller, L. J. (1997). Leiter International Performance Scale- Revised. Wood Dale, IL: Stoelting.

Schneider, W. J. & McGrew, K. S. (2012). The Cattell-Horn-Carroll Model of Intelligence. In D. P. Flanagan, P. L. Harrison (Org). Contemporary Intellectual Assessment: Theories, Tests and Issues (3rd ed.). New York, NY: The Guilford Press. pp. 553-581.

Seabra, A. G., Dias, N. M., & Macedo, E. C. (2010). Desenvolvimento das habilidades aritméticas e composição fatorial da Prova de Aritmética em estudantes do Ensino Fundamental. Interamerican Journal of Psychology, 44(3), 411-418.

Seabra, A. G., Montiel, J. M., & Capovilla, F. C. (2013). Prova de Aritmética. In A. G. Seabra, N. M. Dias, & F. C. Capovilla. Avaliação Neuropsicológica Cognitiva: Leitura, escrita e aritmética (pp. 97-104). São Paulo: Memnon Edições Científicas.

Stock, P., Desoete, A., & Roeyers, H. (2009). Predicting Arithmetic Abilities: The Role of Preparatory Arithmetic Markers and Intelligence. Journal of Psychoeducational Assessment, 27, 237-251. http://dx.doi.org/10.1177/0734282908330587

Swanson, H. L. & Jerman, O. (2006). Math disabilities: A selective meta- analysis of the literature. Review of Educational Research, 76(2), 249-274. http://dx.doi.org/10.3102/00346543076002249




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2016.1.18924

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.