Processos cognitivos de domínio geral: evidências em instanciações da construção transitiva

Nedja Lima de Lucena

Resumo


Este artigo examina processos cognitivos de domínio geral que estão atrelados ao uso linguístico, mais precisamente à manifestação discursiva de um tipo de construção de estrutura argumental: a construção transitiva. Seu objetivo é discutir evidências da atuação desses processos nas instanciações dessa construção a partir do exame de dados empíricos oriundos de situações comunicativas reais. O trabalho ancora-se nos pressupostos teóricos da Linguística Funcional Centrada no Uso, que abriga a concepção de que as línguas são moldadas pela complexa interação de princípios cognitivos e funcionais. Esses desempenham um papel basilar na manifestação dos fenômenos linguísticos. Alinhado a esse viés teórico, este artigo adota a perspectiva da gramática de construção na análise. Evidencia-se que os processos cognitivos de domínio geral atrelados à experiência motivam a expressão de instanciações da construção transitiva que se afastam do membro prototípico, mas que, por analogia, são tomadas do modo semelhante. Os padrões linguísticos são vistos como consequência da atuação desses processos cognitivos e, ao observá-los, estamos situando a língua num amplo contexto do comportamento humano.


Palavras-chave


Processos cognitivos de domínio geral; Construção transitiva; Gramática de construção.

Texto completo:

PDF

Referências


BRESNAN, Joan. Lexical functional syntax. Oxford: Blackwell, 2001.

BYBEE, Joan. Language, usage and cognition. Cambridge: United Kingdon University Press, 2010.

CHAFE, William. Giveness, contrastiveness definiteness, subjects topics and point of view. In: LI, Charles. Subject and Topic. New York: Academic Press, 1976.

______. Significado e estrutura lingüística. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1979.

CROFT, William. Radical Construction Grammar: syntactic theory in typological perspective. Oxford: Oxford University Press, 2001.

CROFT, William; CRUSE, Alan. Cognitive lingüistics. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

DU BOIS, John; KUMPF, Lorraine; ASHBY, William (Ed.). Preferred Argument Structure: Grammar as Architecture for Function. Amsterdam: Benjamins, 2003.

FERRARI, Lilian. Introdução à Linguística Cognitiva. São Paulo: Contexto, 2011.

FILLMORE, Charles. The case for case. In: BACH, E.; HARMS, R. (Org.). Universals in linguistic theory. New York: Holt, Rinnehart and Winston, 1968.

______. On grammatical construction. California: UCB, 1988.

FURTADO DA CUNHA, Maria Angélica. Procedimentos Discursivos na fala de Natal: uma abordagem funcionalista. Natal: EDUFRN, 2000.

FURTADO DA CUNHA, Maria Angélica; BISPO, Edvaldo; SILVA, José Romerito. Linguística funcional centrada no uso: conceitos básicos e categorias analíticas. In: CEZARIO, Maria Maura; FURTADO DA CUNHA, Maria Angélica (Org.). Linguística centrada no uso: uma

homenagem a Mário Martelotta. Rio de Janeiro: Mauad X/FAPERJ, 2013.

FURTADO DA CUNHA, Maria Angélica; COSTA, Marcos; MARTELOTTA, Mário. Linguística. In: MARTELOTTA, Mário (Org.). Manual de lingüística. São Paulo: Contexto, 2008.

GIVÓN, Talmy. Syntax. Amsterdam: John Benjamins, 2001. v. 1. GOLDBERG, Adele. E. A construction grammar approach to argument structure. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

______. Constructions at work: the Nature of Generalization in Language. New York: Oxford University Press, 2006.

LAKOFF, George. Linguistic gestalts. Chicago: Chicago Linguistic Society, 1977.

______. Women, fire and dangerous things: what categories reveal about mind. Chicago: University Chicago Press, 1987.

LAKOFF, George; TURNER, Mark. More than cool reason: a field guide to poetic metaphor. Chicago: The University of Chicago Press, 1989.

LANGACKER, Ronald. Cognitive Grammar: a basic introduction. Oxford: Oxford University Press, 2008.

LEFEBVRE, Claire; COHEN, Henri (Ed.). The Handbook of Categorization in cognitive science. Amsterdam: Elsevier, 2005.

LUCENA, Nedja Lima. A construção transitiva no PB: uma abordagem funcional centrada no uso. 2016. 151 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

MARTELOTTA, Mário (Org.). Manual de lingüística. São Paulo: Contexto, 2008.

_____. Mudança linguística: uma abordagem baseada no uso. São Paulo: Cortez, 2011.

ÖSTMAN, Jan-Ola; FRIED, Mirjam (Ed.). Construction grammar: cognitive grounding and theoretical extensions. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2005.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Linguística Geral. Tradução Antonio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1971.

SALOMÃO, Maria Margarida; MIRANDA, Neusa (Org.). Construções do português do Brasil: da gramática ao discurso. Belo Horizonte: EDUFMG, 2009.

SLOBIN, Dan. The origins of grammatical encoding of events. In: HOPPER, Paul (Ed.). Syntax and semantics, Studies in transitivity. New York, Academic Press, 1982. v. 15, p. 409-422.

TALMY, Leonard. Force dynamics in language and cognition. Cognitive Science, v. 2, 1988.

TAYLOR, John. Linguistic categorization. New York: Oxford University Press, 2003.

TOMASELLO, Michael (Ed.). The new psychology of language cognitive and functional approaches to language structures. New Jersey: Lawrence Erlbaum, 1998. v. 1.

______. (Ed). The new psychology of language cognitive and functional approaches to language structures. New Jersey: Lawrence Erlbaum, 2003. v. 2.

______. Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. Tradução Cláudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2003a.

______. Constructing a language: a Usage-Based Theory of Language Acquisition. Cambridge: Harvard University Press, 2005.

TRAUGOTT, Elizabeth. Grammaticalization, constructions and the incremental development of language: suggestions from the development of degree modifiers in English. In: ECKARDT, Regine; JÄGER, Gerhard; VEENSTRA, Tonjes (Ed.). Variation, Selection, Development – Probing the Evolutionary Model of language Change. Berlin/ New York: Mouton de Gruyter, 2008. p. 219-250.

TRAUGOTT, Elizabeth; TROUSDALE, Graeme. Constructionalization and constructional changes. New York: Oxford University Press, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-4301.2017.2.26371

e-ISSN: 1984-4301 

 

Avaliação do Qualis CAPES - 2013/2016

ÁREA CAPES - Linguística / Literatura

CLASSIFICAÇÃO DE PERIÓDICO - B1



Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS