Circuitos e potencial icônico da fotografia: o caso Aylan Kurdi

Solange Ferraz de Lima, Vânia Carneiro de Carvalho

Resumo


Em setembro de 2015, a fotografia do corpo do menino sírio Aylan Kurdi realizada por Nilüfer Demir causou uma comoção mundial. A criança afogou-se no mar Egeu, durante uma tentativa de fugir da guerra civil na Síria, e seu corpo foi encontrado em uma praia turística na Turquia. O presente estudo de caso procura responder a uma pergunta: por que esta e não outras imagens de crianças em situações muito semelhantes, a mais próxima sendo a de seu irmão Galeb, morto da mesma forma e na mesma praia, tornou-se símbolo da tragédia que se abateu sobre aqueles que, entre 2015 e 2016, deslocaram-se em direção à Europa em busca de sobrevivência ou de uma vida melhor? Para a resposta, será preciso identificar o potencial icônico da imagem, estabelecer as relações entre materialidade fotográfica e seu valor indicial, o poder de agenciamento e os novos caminhos da circulação que hoje as imagens possuem graças às redes sociais digitais. Assim, pretende-se com o presente artigo contribuir para uma discussão metodológica sobre o estudo da imagem na cultura contemporânea. E, para tanto, procurou-se alinhá-lo à perspectiva de análise do estudo de caso realizado em 2003 pelo historiador Ulpiano Bezerra de Meneses sobre a fotografia de Robert Capa, que registra o momento da morte do jovem miliciano Federico Borrell García, em setembro de 1936, atingido por um tiro, ao ser surpreendido pelas forças franquistas nos campos abertos de Cerro Muriano, perto de Córdoba (MENESES, 2002). Não se propõe aqui um estudo comparativo entre as fotografias de Aylan e Borrell Garcia, mas a adoção do roteiro metodológico proposto por Meneses, agora aplicado à imagem fotojornalística feita por Demir, e com isso compreender o que de novo se pode dizer sobre o circuito desse tipo de imagem quando lançada em redes digitais.


Palavras-chave


cultura visual; fotografia; Aylan Kurdi; Ulpiano Bezerra de Meneses.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Luis Felipe de (Org.). História da vida privada no Brasil. Vol. 2 – Império: a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

BARTHES, Roland. Câmara clara: notas sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BBC Brasil. A história por trás da foto do menino sírio que chocou o mundo. 03/09/2015. Disponível em: Acesso em: 31 mar. 2017.

______. Ladrões furtam sapatos de judeus vítimas do Holocausto na Polônia. 26/11/2014. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2017.

BURNS, Anne. Discussion and Action: Political and Personal Responses to the Aylan Kurdi Images. In: Vis , F.; Goriunova , O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/UK: University of Sheffield, 2015. p. 38-39. Disponível em: Acesso em: 13 mar. 2017.

CARVALHO, Vânia C. de; LIMA, Solange Ferraz de. O corpo na cidade: gênero, cultura material e imagem pública. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 48, p. 233-263, 2011.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano. 1. Artes de fazer. Rio de Janeiro: Vozes, 2003.

CLOUD MIND. Aylan Kurdi: The Lifeless Body of a Toddler Found on a Mediterranean Beach Sent Shock Waves Around the World. s/d. Disponível em: Acesso em: 31 abr. 2017.

COLOMBO, Sylvia. O Alan Kurdi mexicano? 05/02/2016. Disponível em: Acesso em: 31 maio 2017.

DA DEUTSCHE WELLE. Alemanha registra 1.1 milhão de refugiados em 2015. Folha Digital, Mundo, 06/01/2016. Disponível em: . Acesso em: 31/04/2017.

DA FRANCE PRESSE. Alemanha pode receber até 1 milhão de refugiados em 2015. G1, Mundo, 14/9/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2017.

DAHLGREEN, Will. No increase in Syrian refugee numbers – public. You Gov UK, 6/9/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 abr. 2017.

DHA. Dogan News. s/d. Disponível em: . Acesso em: 31 abr. 2017.

D'ORAZIO, Francesco. From a Beach in Bodrum to Twenty Million Screens Across the World. In: Vis, F., & Goriunova, O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/UK: University of Sheffield, 2015, p. 11-18. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

DRAINVILLE, Ray. On the Iconology of Aylan Kurdi, Alone. In: Vis, F.; Goriunova , O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/UK: University of Sheffield, 2015. p. 47-49. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2017.

FEHRENBACH, Heide; RODOGNO, Davide. A horrific photo of a driwned Syrian child: Homuanitarian photography and NGO media strategies in historical perspective. International Review of the Red Cross. 97 (900), 1121-1151, 2015.

FRANCE24. Bodrum, an illegal gateway into Europe. 30/06/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

FRONTEX. Annual Risk Analysis 2015. Frontex (European Agency for the Management of‑Operational Cooperation at‑the‑External Borders of the Member States of the European Union). 27 de Agosto de 2015. p. 57-59. Disponível em: .Acesso em: 12 mar. 2017.

GELL, Alfred. Art and Agency. An Anthropological Theory. Oxford: Clarendon Press, 1998. G1. Entenda a situação de países de onde saem milhares de imigrantes à Europa. G1, Mundo, 04/11/2015. Disponível em:

paises-de-onde-saem-milhares-de-imigrantes-europa.html>. Acesso em: 31 maio 2017.

GREENSLADE, Roy. So Aylan Kurdi's Picture did make a difference to the refugee debate. The Guardian, 4/9/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

GUNTHERT. André, #Aylan Kurdi, icône mode d'emploi, 19 sept. 2015, p. 5. In: L'image sociale. Le carnet de recherches d'André Gunthert. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2017.

KENEALLY, Meghan. Drowned Syrian Refugees Laid to Rest in Hometown. ABC News, 4 set 2015. Disponível em: Acesso em: 23 maio 2017.

KNAUSS, Paulo. O desafio de fazer história com imagens. ArtCultura, Uberlândia, v. 8, n. 12, p. 97-115, jan.-jun. 2006.

MAYBLIN, Lucy. Politics, Publics, and Aylan Kurdi. In: Vis , F.; Goriunova , O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/UK: University of Sheffield, 2015, p. 42-43. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2017.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A fotografia como documento – Robert Capa e o miliciano abatido na Espanha: sugestões para um estudo histórico. Tempo, UFF, Rio de Janeiro, n. 14, 2002. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2017.

MIRZOEFF, Nicholas. What is Visual Culture? In: MIRZOEFF, Nicholas (Ed.). Visual Culture Reader. New York: Routledge, 1998. p. 3-13.

NAGAYAMA, Eda. Testemunhos de um trauma cultural contemporâneo: Aylan Kurdi e os deslocamentos migratórios. Revista Cultura e Extensão, USP, São Paulo, n. 15, p. 30, set. 2016.

O GLOBO. Europeus reforçam fronteiras, mas não conseguem unanimidade para realocar 120 mil refugiados. Áustria, Eslováquia e Holanda introduzem medidas em postos para conter o intenso fluxo de imigrantes. O Globo. Com agências internacionais. 14/9/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

OLIPHANT, Vichiie. Father of Aylan Kurdi accused of driving boat that killed his family. Express. 12/09/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

PRAGMATISMO POLÍTICO. A história de Aylan Kurdi, o menino da foto que fez o mundo chorar. 03/09/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

PROCTER, Lisa; YAMADA-RICE, Dylan. Shoes of Childhood: exploring the emotional politics through which images become narrated on social media. In: Vis, F.; Goriunova , O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/UK: University of Sheffield, 2015, p. 61-63. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2017.

PRØITZ, Lin. The Strength of Weak Commitment: A Norwegian Response to the Aylan Kurdi Images. In: Vis , F.; Goriunova , O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/UK: University of Sheffield, 2015, p. 40-42. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2017.

REUTERS. Syrian toddler Aylan's father drove capsized boat, other passengers say. 11/09/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

ROGERS, Simon. What can search data tell us about how the story of Aylan Kurdi spread around the world? In: Vis, F.; Goriunova , O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/UK: University of Sheffield, 2015. p. 19-26. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2017.

ROSA, Ana Paula da. Tensões entre o registro e a encenação: a imagem de Aylan Kurdi e sua constituição como totem. Revista Observatório, v. 3, n. 1, p. 327-351, jan.-mar. 2017. .

RT. Capsized boat survivors claim Aylan Kurdi's father is people smuggler. 11/09/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

RYAN, Holly. #Kiyiya Vuran Insanlik: Unpacking Artistic Responses to the Aylan Kurdi Images. In: Vis , F.; Goriunova , O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/UK: University of Sheffield, 2015. p. 44-45. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2017.

STANTON, Jenny. Revealed: second passenger claims Aylan Kurdi's father was working with people smugglers and was driving the boat on which his son died. Mail Online. 14/09/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

TORONTO SUN. Iraqi couple allege Alan Kurdi's father was captain of the boat that capsized. 11/09/2015. Disponível em:

. Acesso em: 31 maio 2017.

VAILATI, Luiz Lima. As fotografias de “anjos” no Brasil do século XIX. In: Anais do Museu Paulista, n. 2, v. 14, p. 51-71, jul.-dez. 2006.

VICENZI, Celso. A memória do menino Aylan. Observatório da Imprensa. Edição 867, 08/09/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

VIS, Farida. Examining the hundred most shared images of Aylan Kurdi on Twitter. In: Vis, F.; Goriunova , O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/ UK: University of Sheffield, 2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

WHEATSTONE, Richard. Tragic Aylan Kurdi's father was “people smuggler who led boat journey which killed his sons” – survivor claims. The Mirror. 11/09/2015. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2017.

Fontes

Cartoon de @ugurgalen. CURIOSAMENTE. 10 artes emocionantes sobre a morte do garoto sírio. Diário de Pernambuco. . Acesso em: 18 jun. 2017.

Cartoon de Adikhair. CHAVARRO, Laura. Artistas se solidarizan com tragédia de niño sírio Aylan Kurdi. El Heraldo. Mundo, 05/09/2015. . Acesso em: 17 jun. 2017.

Cartoon de Af Salameh. G1. Ilustrações na internet homenageiam menino sírio morto em praia. Globo. 03/09/2015. . Acesso: 17 jun. 2017.

Cartoon de Azzam Daaboul. DRAINVILLE, Ray. On the Iconology of Aylan Kurdi, Alone. In: Vis , F.; Goriunova , O. (Eds.). The Iconic Image on Social Media: A Rapid Research Response to the Death of Aylan Kurdi. Visual Social Media Lab December. Sheffield/UK: University of Sheffield, 2015. p. 47. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2017.

Cartoon de Azzan Daaboul. As três imagens estão em CHAVARRO, Laura. Artistas se solidarizan com tragédia de niño sírio Aylan Kurdi. El Heraldo. Mundo, 05/09/2015. www.elheraldo.co/internacional/artistas-se-solidarizan-con-tragedia-de-nino-sirio-215552>. Acesso em: 17 jun. 2017.

Cartoon de Dijwar Ibrahim. CHAVARRO, Laura. Artistas se solidarizan com tragédia de niño sírio Aylan Kurdi. El Heraldo. Mundo, 05/09/2015. . Acesso em: 17 jun. 2017.

Cartoon de Guilherme Castro.UOL. NE10. Sistema Jornal do Commercio faz tributo a menino sírio afogado. Sistema Jornal do Commercio. 03/09/2015. . Acesso em: 16 jun. 2017.

Cartoon de Gunduz Aghayev. G1. Ilustrações na internet homenageiam menino sírio morto em praia. Globo. 03/09/2015.

. Acesso em: 17 jun. 2017.

Cartoon de Khaled Karajah. LA NUEVA. Artistas de todo el mundo homenajearon con sus obras al nenê ahogado em Turquía. Sociedad. La Nueva. 03/09/2015. . Acesso em: 04 jun. 2017.

Cartoon de Khaled Yeslam. CHAVARRO, Laura. Artistas se solidarizan com tragédia de niño sírio Aylan Kurdi. El Heraldo. Mundo, 05/09/2015. . Acesso em: 17 jun. 2017.

Cartoon de Khalid Albaih. ITV REPORT. Heartbreaking cartoons inspired by images of Aylan Kurdi. 03/09/2015. http://www.itv.com/news/2015-09-03/cartoons-inspired-by-aylan-shared-onsocial-media/. Acesso em: 17 jun. 2017.

Cartoon de Mahnaz Yazdani. CHAVARRO, Laura. Artistas se solidarizan com tragédia de niño sírio Aylan Kurdi. El Heraldo. Mundo, 05/09/2015. www.elheraldo.co/internacional/artistas-sesolidarizan-con-tragedia-de-nino-sirio-215552 Acesso em: 17 jun. 2017.

Cartoon de Murat Sayin. CHAVARRO, Laura. Artistas se solidarizan com tragédia de niño sírio Aylan Kurdi. El Heraldo. Mundo, 05/09/2015. . Acesso em: 17 jun. 2017.

Cartoon de Nahar Bahij. EL HORIZONTE. El mundo rinde homenaje a Aylan Kurdi. 03/09/2015. http://www.elhorizonte.mx/ internacional/el-mundo-rinde-homenaje-a-aylan-kurdi/1624977 Acesso em: 17 jun. 2017.

Cartoon de Pedro Tarlley. LIS, Fátima. Blog. 04/09/2015. . Acesso em: 16 jun. 2017.

Cartoon de Pio Campos. NESHER, David. Aylan Kurdi... El Mundo enterro yace com Él en esa Playa! 04/09/2015. Blog Apóstolo David Nesher. . Acesso em: 04 jun. 2017.

Cartoon de Rafat Alkhateeb. PRASHAD, Vijay. Regime change refugees on the shores of Europe. BayView. National Black Newspaper, 16/09/2015.

Cartoon de Rapé Monero. O Globo . Morte de bebê por narcotraficantes causa revolta e comoção no México. 04/02/2016. . Acesso em: 16 jun. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2018.1.27676

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Capes65Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org

Apoio MEC/CAPES: Beneficiados pelo Edital Nº 013/2016.
Apoio MCTI/CNPq: Beneficiados pelo Edital Nº 25/2016.
Apoio MCTI/CNPq: Beneficiados pelo Edital Nº 24/2015.
Apoio MCTI/CNPq/MEC/CAPES: Beneficiados pelo Edital Nº 09/2012.
Apoio MCTI/CNPq/MEC/CAPES: Beneficiados pelo Edital Nº 15/2011.

PROEX –  2012/2013

AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2018 EDIPUCRS