Território e mobilidade entre a costa atlântica e no interior do Pampa (Argentina)

Gustavo G. Politis, Mariano Bonomo, Luciano Prates

Resumo


Neste trabalho se discutem, a partir de uma perspectiva arqueológica, questões vinculadas à territorialidade dos grupos caçadores-recoletores da Região Pampeana. Reali­za-se um exame exaustivo da distribuição espacial e temporal de elementos arqueológicos de origem costeira nas planícies interiores, com o fim de utilizá-los como indicadores de mobilidade. Os modelos potenciais de organização territorial surgidos de tal exame foram contrastados com dois casos etnográficos: os Nukak da Floresta Tropical Amazônica e os Selknam, da Terra do Fogo. O confronto das expectativas geradas com a evidência dispo­nível não é conclusiva para apoiar algum dos modelos arqueológicos propostos, ainda que permita sustentar algumas hipóteses relacionadas a alguns deles. Discutem-se também considerações que conduzem à abordagem do tema da exploração in situ dos recursos costeiros bem como do uso dos mesmos a partir dos acampamentos residenciais que incluí­ram a costa na área diária de captação de recursos.


Palavras-chave


Território, Mobilidade, Argentina

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2003.1.24117



e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.