A leitura e a escrita: um processo conjunto assente numa inevitável cumplicidade

Maria da Graça Lisboa Castro Pinto

Resumo


Neste texto, procura-se mostrar a atualidade e pertinência do tema que nos foi proposto (“Research and teaching of reading and writing: psycholinguistic strudies”) em momentos iniciais e mais avançados do uso da leitura e da escrita. Além disso, salienta-se a mais-valia de uma abordagem psicolinguística a estas duas atividades/habilidades; realça-se o enquadramento cognitivo, neurológico e linguístico que se estima essencial para a entrada no mundo da escrita; problematiza-se o “efeito Mateus” com o fim de contrariar a sua interpretação mais popular e porventura “penalizadora” quando demasiado generalizada e, por último, com recurso a fragmentos de textos escritos por estudantes universitários, evidencia-se a importância de partir para uma revisão da escrita apoiada sobretudo em três dos oito momentos do “Paramedic Method” de Richard Lanham (2006). A necessidade de, a nível académico, fazer com que os estudantes sintam uma inevitável cumplicidade entre a leitura e a escrita sai reforçada com a transcrição do testemunho de uma estudante de Mestrado que soube tirar o melhor partido da metodologia seguida na unidade curricular Psicolinguística e Ensino de Línguas lecionada pela signatária deste texto na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Palavras-chave


Leitura; escrita; Cumplicidade; Níveis de ensino; Psicolinguística

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.