Da sensibilidade à consciência: o conhecimento morfológico e o modelo de Redescrição Representacional

Aline Lorandi, Annette Karmiloff-Smith

Resumo


O presente trabalho é dedicado ao estudo do conhecimento morfológico de crianças falantes do Português Brasileiro e sua relação com os níveis de representação mental, tais como postulados pelo modelo de Redescrição Representacional (KARMILOFF-SMITH, 1992). Os dados consistem em formas regularizadas, mudanças de sufixos flexionais e inovações lexicais (formas morfológicas variantes), presentes na fala espontânea, e de três testes morfológicos, que envolvem derivação e flexão de palavras inventadas, extração de base de palavras inventadas e julgamento de palavras, bem como explicação metalinguística. O levantamento das respostas revela conhecimento que vai da sensibilidade – formas morfológicas variantes – à consciência linguística – testes morfológicos. Assim, os dados apontam para a plausibilidade de todos os diferentes níveis de representação durante o desenvolvimento. Em nossa opinião, este trabalho significa um primeiro passo em direção a uma explicação das representações mentais que subjazem tanto a compreensão quanto a produção do conhecimento morfológico e vai além da simples dicotomia implícito/explícito utilizada em trabalhos anteriores.

Palavras-chave


e vai além da simples dicotomia implícito/explícito utilizada em trabalhos anteriores.

Texto completo:

PDF (In English)


e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.