Ultrassom contínuo versus pulsado na liberação da hidrocortisona in vitro

Claudia Regina Pretto, Barbara Scmitt, Giovana Sinigaglia, Paula Bianchetti, João Alberto Fioravante Tassinary, Mauricio Hillgemann, Simone Stulp

Resumo


Introdução: A fonoforese baseia-se na utilização do ultrassom para provocar perturbação dos tecidos, gerando assim, um movimento rápido das partículas, facilitando a absorção do fármaco.
Objetivo: Estudar a liberação in vitro da hidrocortisona frente à aplicação de fonoforese, nos modos contínuo e pulsado, a fim de avaliar a real eficácia do seu emprego terapêutico.
Materiais e Métodos: Para a realização do estudo foi utilizada hidrocortisona em gel, manipulada em farmácia magistral. Foram feitas análises com a membrana de acetato de celulose associado a hidrocortisona com e sem a aplicação da fonoforese, utilizando ultrassom no modo contínuo e pulsado nos tempos de 0, 5, 10, 15 e 20 minutos de aplicação. As análises foram realizadas em triplicata.
Resultados: Os resultados sugerem uma maior liberação da hidrocortisona quando associada à onda sônica terapêutica. Foi constatado, também, que o ultrassom no modo contínuo é mais efetivo quando comparado com o modo pulsado a partir de 5 minutos de aplicação. Nos tempos de 10, 15 e 20 minutos o ultrassom ajustado no modo contínuo se mostrou mais efetivo no que diz respeito à liberação do fármaco quando comparado com o modo pulsado, com aumento de 585, 302 e 260% respectivamente.
Conclusão: O ultrassom no modo contínuo é mais efetivo quando comparado com o modo pulsado a 5%, a partir de 5 minutos de aplicação, para liberação e permeação da hidrocortisona 1% em sistema de difusão vertical.


Palavras-chave


ultrassom; fonoforese; técnicas in vitro.

Texto completo:

PDF

Referências


Soares M, Vitorino M, Sousa J, Pais A. Permeação cutânea: desafios e oportunidades. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2015;36(3):337-48.

Kitchen S, Bazin, S. Eletroterapia: pratica baseada em evidências. 2ª ed. Barueri. SP: Manole; 2003.

Lee SE, Seo J, Lee SH. The mechanism of sonophoresis and the penetration pathways. In: Percutaneous penetration enhancers physical methods in penetration enhancement. Berlin: Springer; 2017. p. 15-30.

https://doi.org/10.1007/978-3-662-53273-7_2

Low J, Reed A. Eletroterapia explicada princípios e prática. 3ª ed. São Paulo: Manole; 2001. 472 p.

Rao, R.; Nanda, S. Sonophoresis: recent advancements and future trends. J Pharm Pharmacol. 2009;61(6):689-705.

https://doi.org/10.1211/jpp.61.06.0001

Prentice, WE. Modalidades terapêuticas para fisioterapeutas. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2004. 612 p.

Dutra C, Bianchetti P, Stülp S. Avaliação da difusão e permeação cutânea in vitro de acetato de hidrocortisona tópica comercial. Sci Plena. 2013;9(10):1-7.

Cagnie B, Vinck E, Rimbaut S, Vanderstraeten G. Phonophoresis versus topical application of ketoprofen: comparison between tissue and plasma levels. Phys Ther. 2003;83(8):707-12.

https://doi.org/10.1093/ptj/83.8.707

Chen S, Han Y, Yu D, Huo F, Wang F, Li Y, Dong L, Liu Z, Huang H. Transdermal delivery of isoniazid and rifampin in guinea pigs by electro-phonophoresis. Drug Deliv. 2017;24(1):467-470.

https://doi.org/10.1080/10717544.2016.1267275

Simonin JP. On the mechanisms of in vitro and in vivo phonophoresis. J Control Release. 1995;33:125-41.

https://doi.org/10.1016/0168-3659(94)00075-6

Pahade A, Jadhav VM, Kadam VJ. Sonophoresis: an overview. Int. J Pharm Sci Rev Res. 2010;3(2):24-32.

Food and Drug Administration. Guidance for industry: nonsterile semisolid dosage forms. Rockville: FDA; 1997.

Mitragotri S, Kost J. Low-frequency sonophoresis: a review. Adv Drug Deliv Rev. 2004;56(5):589-601.

https://doi.org/10.1016/j.addr.2003.10.024

Yang JH, Kirn DK, Yun M, Kim T, Shin S. Transdermal delivery system of triamcinolone acetonide from a gel using phonophoresis. Arch Pharm Res. 2006;29(5):412-7.

https://doi.org/10.1007/BF02968592

Rosim GC. Análise da influência do ultra-som terapêutico na penetração transcutânea de diclofenaco sódico em humanos sadios [dissertação]. São Carlos (SP): Universidade de São Paulo; 2003.

Machet L, Cochelin N, Patat F, Arbeille B, Machet MC, Lorette G, Vaillant L. In vitro phonophoresis of mannitol, estradiol and hydrocortisone across human and hairless mouse skin. Int J Pharm. 1998;165:169-74.

https://doi.org/10.1016/S0378-5173(97)00377-3

Rojas O, Moya M, Sibaja M, Ruepert C, Vega-Baudrit J. Estudio de la liberacion controlada de plaguicidas incorporados enhidrogeles de acido itacónico, Rev Iberoam Polim. 2004;5(3):133-43.

Martins M, Maia ALMF, Costa CLS, Coelho NPMF, Costa MS, Carvalho RA. Ação anti-inflamatória da fração lipídica do ovis aries associado ao ultrassom terapêutico em modelo experimental de tendinite em ratos (rattus norvegicus). Rev Bras Fisioter. 2011;15(4):297-302.

https://doi.org/10.1590/S1413-35552011000400007

Oliveira G, Tassinary JAF, Bianchetti P, Stülp S. Avaliação de frequência, temperatura e atenuação da dose de ultrassom terapêutico em modelo de biomembrana de pele suína. Acúst Vibrações. 2015;47:17-22.

Oliveira RB, Lima EM. Polímeros na obtenção de sistemas de liberação de fármaco. Rev Eletrônica Farm. 2006;3(1):29-35.

Hofman D, Moll F. The effect of ultrasound on in vitro liberation and in vivo penetration of benzyl nicotinate. J Control Release. 1993;27:187-92.

https://doi.org/10.1016/0168-3659(93)90150-4

Park D, Park H, Seo J, Lee S. Sonophoresis in transdermal drug deliverys. Ultrasonics. 2014;54(1):56-65.

https://doi.org/10.1016/j.ultras.2013.07.007




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.3.29926

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS